Amnistia diz que violência armada nos EUA fomentou uma crise de direitos humanos

| Mundo
Amnistia diz que violência armada nos EUA fomentou uma crise de direitos humanos

Foto: Reuters

A Amnistia Internacional acusa o governo dos Estados Unidos da América de permitir que a violência armada se tornasse uma crise de direitos humanos.


Num relatório publicado esta tarde a Amnistia entende que faltam aos EUA medidas de licenciamento e regulamentação para uso e porte de armas, como explica o porta-voz da Amnistia em Portugal, Pedro Neto.

Em 30 Estados é possível ter armas sem licença ou outro tipo de autorização.

Em 2016, mais de 38 mil pessoas foram mortas e 116 mil ficaram feridas na sequência de incidentes com armas de fogo nos EUA.

A informação mais vista

+ Em Foco

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

      Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.