António Costa enviou mensagem de solidariedade a Mariano Rajoy

| Mundo

|

O primeiro-ministro, António Costa, enviou uma mensagem ao seu homólogo espanhol, Mariano Rajoy, transmitindo a solidariedade do Governo e do povo português depois do ataque em Barcelona, que terá provocado pelo menos dois mortos.

Segundo fonte do gabinete do primeiro-ministro, António Costa endereçou ainda a Mariano Rajoy condolências pelas vítimas do ataque.

Pelo menos duas pessoas morreram esta tarde num atropelamento em pleno centro turístico de Barcelona, no nordeste de Espanha, confirmaram fontes policiais à agencia EFE, acrescentando que a polícia procura uma segunda furgoneta.

Cerca das 17:00 locais (16:00 em Lisboa), uma furgoneta branca galgou um passeio na zona da Praça da Catalunha, nas Ramblas, atropelando dezenas de pessoas e gerando situações de pânico na área, frequentada diariamente por milhares de turistas.

A polícia tinha anunciado que vai dar uma conferência de imprensa às 19:00 locais (18:00 em Lisboa).

As fontes citadas pela EFE disseram que a polícia está à procura de uma segunda furgoneta que pode ter estado envolvida.

Testemunhas disseram que, após o atropelamento, o condutor da carrinha que atingiu dezenas de pessoas e um acompanhante saíram da furgoneta e fugiram a pé.

Fontes policiais citadas pelo jornal El Pais e pelas agências EFE e France-Presse disseram que um suspeito se terá barricado num bar da zona.

A polícia está a tratar o incidente como um ataque terrorista, segundo a agência France-Presse.

Las Ramblas é uma grande avenida, de 1,2 quilómetros, que atravessa o centro de Barcelona, desde a Praça da Catalunha até ao monumento a Cristóvão Colombo, frente ao mar.

Tópicos:

Barcelona, António Costa,

A informação mais vista

+ Em Foco

O editor de Política Internacional da RTP, Ricardo Alexandre, comentou a sentença do antigo general sérvio-bósnio.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.