António Guterres encontra-se com Donald Trump pela primeira vez

| Mundo

|

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, encontrou-se esta sexta-feira pela primeira vez com Donald Trump na Casa Branca. De acordo com um porta-voz da ONU a conversa com o líder americano foi “interessante e construtiva”. Guterres prometeu voltar a encontrar-se com Trump.

António Guterres esteve na Casa Branca onde se encontrou, primeiramente, com Herbert Raymond McMaster, Conselheiro da Segurança Nacional americana, juntando-se depois a Donald Trump, revelou um porta-voz das Nações Unidas, Stephane Dujarric.

Dujarric disse que “o Secretário-Geral e o presidente concordaram em encontrar-se de novo no futuro” e que a reunião entre ambos foi “construtiva e interessante”. Esta é a primeira vez que António Guterres se encontra com Donald Trump após ter sido eleito Secretário-Geral da ONU.

Donald Trump propôs a António Guterres um corte na ajuda que os Estados Unidos dão às Nações Unidas. O presidente norte-americano quer pagar menos 28 por cento para ajuda a estrangeiros. Os Estados Unidos é quem mais contribuiu monetariamente para a ONU.

Pagam 22 por cento do orçamento principal de 5,4 mil milhões de dólares e têm participação em 28,5 por cento dos orçamentos para missões de paz. Donald Trump está a rever as contribuições e parcerias que tem com as Nações Unidas com o objetivo de renovar uma boa parte delas.

Ainda durante o mês de Abril os Estados Unidos vão parar o financiamento à UNFPA, uma organização internacional que trabalha sobre assuntos relacionados com planeamento familiar e saúde materna e das crianças, em mais de 150 países.

António Guterres pediu que o presidente norte-americano reconsiderasse a decisão por colocar em causa o bem-estar de milhões de mulheres e crianças vulneráveis em todo o mundo. 

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.