Assad acusa EUA e aliados de lançarem "campanha de falácias e mentiras"

| Mundo

O Presidente sírio acusou hoje os Estados Unidos e os seus aliados de lançarem uma "campanha de falácias e mentiras" após a ofensiva militar lançada no sábado na Síria por Washington, Londres e Paris.

"A agressão tripartida contra a Síria foi acompanhada por uma campanha de falácias e mentiras no Conselho de Segurança [da ONU] por parte dos mesmos países agressores contra a Síria e a Rússia", afirmou hoje Bashar Al-Assad, numa reunião com uma delegação parlamentar russa, em Damasco.

Para Assad, a atual situação prova que a Síria e a Rússia "estão a lutar contra o terrorismo e a proteger a lei internacional baseada no respeito à soberania dos Estados soberanos e à vontade dos seus povos".

"A agressão tripartida contra a Síria é uma violação clara das convenções internacionais que surge num momento em que os sírios estão a tentar restaurar a estabilidade e continuar o processo de reconstrução do que foi destruído pelo terrorismo", afirmaram, por seu turno, os parlamentares russos, citados pela agência de noticias oficial síria, Sana.

A delegação russa era composta por deputados do Rússia Unida, o partido que apoia o presidente Vladimir Putin.

Os Estados Unidos, França e Reino Unido atacaram na madrugada de sábado alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta ao alegado ataque com armas químicas contra a cidade rebelde de Douma, Ghouta Oriental, por parte do Governo de Bashar al-Assad, ocorrido uma semana antes e que terá provocado 40 mortos e atingido outras 500 pessoas.

A ofensiva consistiu em três ataques, com uma centena de mísseis, contra instalações utilizadas para produzir e armazenar armas químicas, informou o Pentágono.

Segundo o secretário-geral da NATO, a ofensiva teve o apoio dos 29 países que integram a Aliança.

Hoje, o presidente russo alertou para a possibilidade de novos ataques à Síria por parte dos países europeus poderem provocar "o caos" nas relações internacionais.

"Se tais ações, que são uma violação da Carta das Nações Unidas, voltam a acontecer, tal provocará inevitavelmente o caos nas relações internacionais", afirmou Putin em conversa com o seu homólogo iraniano, Hassan Rohani, segundo um comunicado divulgado pelo Kremlin.

Entretanto, as forças do Governo sírio atacaram o norte da província central de Homs e sul da vizinha Hama, depois de proclamarem vitória na região de Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco, revelou o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Segundo aquela fonte, citada pela agência de notícias espanhola EFE, a operação aconteceu próximo da estrada que liga a cidade de Homs, capital da província homónima, com a povoação de Al Salamiya, em Hama, com o objetivo de garantir a segurança rodoviária entre aquelas duas zonas.

Os confrontos entre tropas do Governo e fações rebeldes estão concentrados em áreas como Al Hamirat, Selim, Al Amariya e Quibe al Kurdi.

Tópicos:

Al Hamirat Selim Al Aiya Quibe Kurdi, Al Salamiya, Aliança, Bashar, Damasco, Kremlin,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.