AstraZeneca. EMA pronuncia-se hoje sobre segurança da vacina

por RTP
Reuters

A Agência Europeia de Medicamentos prepara-se para tomar nova posição sobre a eventual relação entre a vacina contra a Covid-19 produzida pela AstraZeneca e a formação de coágulos sanguíneos. A conferência de imprensa está agendada para tarde desta quarta-feira.

A comunicação online tem início marcado para as 15h00 de Lisboa. Será dedicada à "conclusão do exame ao alerta" lançado sobre a vacina da AstraZeneca, designadamente no que diz respeito aos "casos de trombose", indicou a EMA em nota citada pelas agências internacionais.

Em declarações ao jornal italiano Il Messaggero, conhecidas na terça-feira, Marco Cavaleri, responsável pela estratégia de vacinação da EMA, deu como "evidente" um vínculo entre a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e a formação de coágulos sanguíneos em pessoas inoculadas. Acrescentou, porém, ser por agora impossível apontar causas para este efeito.O governo regional de Castela e Leão, a norte de Madrid, não quis esperar pelo novo parecer da Agência Europeia de Medicamentos e suspendeu de imediato a administração da vacina da AstraZeneca.

"O que causa esta reação, contudo, ainda não sabemos. Nas próximas horas diremos que existe uma ligação, mas ainda precisamos de compreender como isso acontece. Procuramos obter uma imagem clara do que se está a passar, para definir precisamente esta síndrome devido à vacina. Entre os vacinados, há mais casos de trombose cerebral em pessoas mais jovens do que seria de esperar. Isto teremos de dizer", disse Cavaleri.

Mais tarde, numa declaração remetida à France Presse, a Agência Europeia de Medicamentos afiançava que o comité de segurança da estrutura sediada em Amesterdão ainda não havia chegado a uma conclusão. A posição oficial da agência será divulgada dentro de horas.
Portugal à espera da EMA


Em Portugal, a task force que tem a cargo a campanha de vacinação indicou na terça-feira que manteria a vacina da AstraZeneca até que a EMA assumisse uma posição oficial, tal como a Direção-Geral da Saúde e o Infarmed.

De resto, o próprio Infarmed evitou assumir uma posição até conhecer o que a EMA concluiu na sua avaliação da vacina.

"A posição do Infarmed é de alinhamento com o regulador europeu. Está a decorrer a reunião [do Comité de Avaliação dos Riscos em Farmacovigilância] da EMA e será divulgada uma conclusão assim que terminar. Estamos a aguardar", disse fonte da Autoridade Nacional do Medicamento, ouvida pela agência Lusa.

c/ Lusa

Tópicos
pub