Ataque em mesquita faz pelo menos 14 mortos no norte da Nigéria

| Mundo

Pelo menos 14 pessoas morreram hoje quando um bombista suicida, alegadamente do grupo extremista Boko Haram, se fez explodir numa mesquita no norte da Nigéria, junto à fronteira com os Camarões, disseram fontes dos serviços de segurança.

"Até ao momento, 14 corpos foram retirados dos escombros da mesquita, no bairro e Unguwar Abuja, que foi totalmente destruída pela explosão", disse Umar Kachalla, membro de uma milícia civil que combate o Boko Haram ao lado do exército nigeriano.

A mesma fonte admitiu que o número de vítimas possa aumentar e que haja "muitas mais vítimas sob os escombros".

O atentado ocorreu pouco antes da oração da manhã, quando muitos fiéis muçulmanos se reuniam numa mesquita em Gamboru (estado de Borno), segundo as fontes.

Gamboru, grande cidade comercial entre a Nigéria e os Camarões, caiu nas mãos do Boko Haram em agosto de 2014.

Apesar da recuperação da cidade em setembro de 2015, com a ajuda do exército do Chade, os combatentes do Boko Haram continuam a realizar ataques esporádicos nas aldeias em redor e nas estradas da região.

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, disse no seu discurso de Ano Novo que a Nigéria "acabou com o Boko Haram", mas o número de ataques, atentados e raides sobre postos militares aumentou nos últimos dois meses.

Há dois anos, Buhari disse que o Boko Haram estava "tecnicamente derrotado".

A insurreição do grupo, que ataca no nordeste da Nigéria, já fez mais de 20 mil mortos e 2,6 milhões de deslocados desde 2009 e a região enfrenta uma grave crise alimentar e humanitária.

Tópicos:

Boko Haram, Nigéria,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.