Ativista sul-africano condenado com Nelson Mandela internado no hospital

| Mundo

|

Andrew Mlangeni, um dos dois últimos sobreviventes ativistas `anti-apartheid` que foram condenados com o antigo presidente sul-africano Nelson Mandela à prisão perpétua em 1964, foi internado num hospital, divulgou hoje a comunicação social sul-africana.

Andrew Mlangeni, de 93 anos, foi internado num hospital da Cidade do Cabo, na África do Sul, noticiaram os `media` do país, segundo a agência Associated Press.

O ANC, partido no poder na África do Sul, anunciou entretanto que foi informado pela família de Mlangeni que o ativista está em estado "crítico, mas estável".

O ativista sul-africano foi condenado por sabotagem e enviado com Nelson Mandela, e outros elementos, para a prisão na Ilha Robben.

Andrew Mlangeni foi libertado em 1989 e tornou-se membro do parlamento após o fim do `apartheid` em 1994.

Oito pessoas foram condenadas à prisão perpétua no julgamento de Rivonia (1963).

Denis Goldberg representa o outro membro sobrevivente deste grupo.

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.