Autoridades detêm 29 homossexuais em festa clandestina no Bangladesh

| Mundo

Pelo menos 29 homossexuais foram detidos na quinta-feira por participarem numa festa clandestina LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero) e alegadamente consumirem drogas ilegais no Bangladesh, disseram hoje as autoridades.

"Foram detidos por homossexualidade e consumo de drogas ilegais", afirmou Jahangir Hossain Matabbar, comandante do Batalhão de Ação Rápida (RAB), corpo de elite da polícia do Bangladesh que participou, na quinta-feira à noite, na operação contra o grupo LGBT em Keraniganj, nos arredores de Daca.

Matabbar acrescentou que a polícia tinha recebido informação sobre uma reunião de um grupos de pessoas para "consumir drogas e realizar atividades encobertas".

A polícia encontrou "drogas e artigos sexuais como preservativos e azeite", explicou o agente, indicando que os participantes na festa reuniam-se naquele local periodicamente e comunicavam através das redes sociais.

No Bangladesh, a homossexualidade é considerada crime e contempla penas que podem ir até à prisão perpétua, apesar de ser pouco comum chegarem casos a tribunal.

Em 2016, durante as celebrações do ano novo do Bangladesh, em abril, quatro ativistas de direitos da comunidade LGBT foram detidos, e libertados horas depois, por desfilarem com as cores do arco-íris.

Dez dias depois, dois dos principais ativistas do Roopbaan, grupo defensor dos direitos da comunidade LGBT no Bangladesh, foram assassinados por membros de um grupo afiliado da rede terrorista Al-Qaida.

Mais de 70 pessoas, incluindo bloguistas, intelectuais, membros de minorias religiosas e estrangeiros, foram assassinados no Bangladesh desde 2013 por grupos extremistas.

 

 

Tópicos:

Bangladesh, Batalhão, LGBT Lésbicas Gays Bissexuais,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.