Autoridades detêm 29 homossexuais em festa clandestina no Bangladesh

| Mundo

Pelo menos 29 homossexuais foram detidos na quinta-feira por participarem numa festa clandestina LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero) e alegadamente consumirem drogas ilegais no Bangladesh, disseram hoje as autoridades.

"Foram detidos por homossexualidade e consumo de drogas ilegais", afirmou Jahangir Hossain Matabbar, comandante do Batalhão de Ação Rápida (RAB), corpo de elite da polícia do Bangladesh que participou, na quinta-feira à noite, na operação contra o grupo LGBT em Keraniganj, nos arredores de Daca.

Matabbar acrescentou que a polícia tinha recebido informação sobre uma reunião de um grupos de pessoas para "consumir drogas e realizar atividades encobertas".

A polícia encontrou "drogas e artigos sexuais como preservativos e azeite", explicou o agente, indicando que os participantes na festa reuniam-se naquele local periodicamente e comunicavam através das redes sociais.

No Bangladesh, a homossexualidade é considerada crime e contempla penas que podem ir até à prisão perpétua, apesar de ser pouco comum chegarem casos a tribunal.

Em 2016, durante as celebrações do ano novo do Bangladesh, em abril, quatro ativistas de direitos da comunidade LGBT foram detidos, e libertados horas depois, por desfilarem com as cores do arco-íris.

Dez dias depois, dois dos principais ativistas do Roopbaan, grupo defensor dos direitos da comunidade LGBT no Bangladesh, foram assassinados por membros de um grupo afiliado da rede terrorista Al-Qaida.

Mais de 70 pessoas, incluindo bloguistas, intelectuais, membros de minorias religiosas e estrangeiros, foram assassinados no Bangladesh desde 2013 por grupos extremistas.

 

 

Tópicos:

Bangladesh, Batalhão, LGBT Lésbicas Gays Bissexuais,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.