Autoridades detêm 29 homossexuais em festa clandestina no Bangladesh

| Mundo

Pelo menos 29 homossexuais foram detidos na quinta-feira por participarem numa festa clandestina LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero) e alegadamente consumirem drogas ilegais no Bangladesh, disseram hoje as autoridades.

"Foram detidos por homossexualidade e consumo de drogas ilegais", afirmou Jahangir Hossain Matabbar, comandante do Batalhão de Ação Rápida (RAB), corpo de elite da polícia do Bangladesh que participou, na quinta-feira à noite, na operação contra o grupo LGBT em Keraniganj, nos arredores de Daca.

Matabbar acrescentou que a polícia tinha recebido informação sobre uma reunião de um grupos de pessoas para "consumir drogas e realizar atividades encobertas".

A polícia encontrou "drogas e artigos sexuais como preservativos e azeite", explicou o agente, indicando que os participantes na festa reuniam-se naquele local periodicamente e comunicavam através das redes sociais.

No Bangladesh, a homossexualidade é considerada crime e contempla penas que podem ir até à prisão perpétua, apesar de ser pouco comum chegarem casos a tribunal.

Em 2016, durante as celebrações do ano novo do Bangladesh, em abril, quatro ativistas de direitos da comunidade LGBT foram detidos, e libertados horas depois, por desfilarem com as cores do arco-íris.

Dez dias depois, dois dos principais ativistas do Roopbaan, grupo defensor dos direitos da comunidade LGBT no Bangladesh, foram assassinados por membros de um grupo afiliado da rede terrorista Al-Qaida.

Mais de 70 pessoas, incluindo bloguistas, intelectuais, membros de minorias religiosas e estrangeiros, foram assassinados no Bangladesh desde 2013 por grupos extremistas.

 

 

Tópicos:

Bangladesh, Batalhão, LGBT Lésbicas Gays Bissexuais,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.