China vai emprestar 17 mil milhões de euros a países árabes

| Mundo

Xi Jinping afirma que "isto marca um novo ponto de partida histórico na associação e cooperação entre a China e o mundo árabe"
|

O Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou esta terça-feira que irá prestar apoio ao desenvolvimento económico dos países árabes com um empréstimo no valor de 17 mil milhões de euros.

Xi Jinping prometeu que irá oferecer, a cerca de 20 países árabes africanos e do Médio Oriente, 20 mil milhões de dólares (17 mil milhões de euros) para ajudar na “reconstrução económica e revitalização industrial” dos países.

Para além dos 17 mil milhões de euros, o Presidente da China anunciou, esta terça-feira, uma ajuda de 106 milhões de euros para os países do Médio Oriente, fazendo parte do programa apelidado “petróleo e gás”, com o objetivo de revitalizar o crescimento económico na região.

Durante uma conferência com os líderes árabes, Xi Jinping revelou que os empréstimos serão usados para financiar “projetos que produzem boas oportunidades de emprego e um bom impacto social nos países árabes que precisam de reconstrução”.

Apesar de não ser especificado onde o dinheiro será aplicado em concreto, o Presidente da China adiantou que 15 milhões de euros serão entregues à Palestina e 91 milhões de euros serão repartidos pela Jordânia, Líbano, Síria e Iémen.
“Novo ponto de partida histórico”
A China, que tem o hábito de manter-se afastada dos conflitos do Médio Oriente, “está preparada para ter um papel maior na paz e estabilidade na região”, afirma Xi Jinping.

“Devemos tratar-nos uns aos outros com franqueza, não temer as diferenças, não evitar problemas e ter uma discussão ampla sobre cada aspeto da política externa e da estratégia de desenvolvimento”, acrescentou o Presidente da China.

Pequim está, deste modo, a aumentar a sua influência no Médio Oriente que, por sua vez, é uma região importante para revitalizar as rotas comerciais com a restante Ásia.

Xi Jinping lembrou que os países do Médio Oriente são fulcrais para o seu novo plano de revitalização da rota da seda. A “Nova Rota da Seda” é um projeto que pretende ligar a China ao resto do mundo por via de uma ambiciosa rede de infraestruturas, desde uma malha ferroviária intercontinental, novos portos, aeroportos, centrais elétricas e zonas de comércio livre.

"A posição dos Estados árabes no centro da antiga rota comercial faz deles parceiros naturais nesta nova tarefa para a China", afirma o Presidente chinês.

“Isto marca um novo ponto de partida histórico na associação e cooperação entre a China e o mundo árabe”, acrescenta.

Xi Jinping anunciou ainda uma outra medida mais controversa. O Presidente da China irá investir cerca de 130 milhões de euros na “manutenção da estabilidade”, isto é, num regime de segurança em Xinjiang, uma região autónoma chinesa de maioria muçulmana.

Tópicos:

Médio Oriente, China,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.