Coletes amarelos: disparo da polícia arranca mão a manifestante

| Mundo

Gonzalo Fuentes, Reuters
|

Uma granada de fumo disparada pela polícia diante do edifício do parlamento arrancou hoje a mão a um manifestante. O ferido foi transportado para o hospital.

Os relatos sobre as manifestações de "coletes amarelos" referem hoje um número de presenças significativamente mais baixo do que nas edições anteriores do protesto -  a medir-se agora em centenas. Mas a convicção dos manifestantes não foi menor e traduziu-se em confrontos com a polícia.

Segundo a agência AFP, um dos manifestantes foi atingido por uma granada de fumo, disparada pela polícia diante do parlamento, com o objectivo de afastar os manifestantes do edifício. Em consequência do disparo, o manifestante ficou sem a mão, foi ligado no antebraço e transportado de ambulância para o hospital.

O ferido foi identificado como um fotógrafo, que, segundo uma testemunha, tentou defender-se da granada com a mão. Ao ser tocada, a granada explodiu. Um porta-voz da polícia limitou-se a confirmar que havia uma pessoa ferida na mão.

Os manifestantes vinham do Arco do Triunfo em direcção à Torre Eiffel e tinham virado à altura dos Campos Elíseos. Neste caso, o protesto visava principalmente as alterações legislativas que estão na forja para restringir o direito de manifestação. Diante do parlamento, a polícia disparou granadas de gás lacrimogéneo. Foi uma dessas granadas que atingiu a vítima.

Tópicos:

Coletes Amarelos, Paris,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi há 50 anos que o Homem partiu para a Lua. De Cabo Canaveral, nos EUA, seguiram três astronautas para colocar os nomes na história da humanidade.

Ouvido pela RTP, o artista chinês mostra-se convicto de que Hong Kong e Macau não serão, no futuro, controlados pela China.

Começa a legislatura do Parlamento Europeu saído das últimas eleições. Conheça aqui os eurodeputados portugueses e as suas prioridades.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.