Concessionária da ponte critica governo e alerta sobre os prejuízos

| Mundo

A companhia italiana Atlantia que controla a concessionária de autoestradas Autostrade per l`Italia advertiu hoje o governo de Roma que a decisão de revogar as concessões após a queda da ponte de Génova vai prejudicar os acionistas.

Através de um comunicado a Atlantia lamentou o início de procedimentos no sentido da revogação da concessão à Autostrade per l`Italia porque, reclama, a medida foi anunciada sem que tenha sido feita previamente uma "argumentação especifica" e na ausência de provas sobre as "causas do sucedido."

A empresa de gestão de infraestruturas tinha como responsabilidade a manutenção da ponte que se desmoronou na terça-feira e que provocou pelo menos 39 mortos.

A Atlantia acrescenta que se a revogação é posta em prática "a concessionária vai ter de reavaliar o valor residual da concessão por causa da aplicação de eventuais indemnizações".

O comunicado refere também que a formulação do anúncio do governo pode vir a ter impacto para os acionistas e obrigacionistas da sociedade, que a Atlantia tem de "proteger".

O comunicado foi difundido antes da abertura da Bolsa de Milão tendo a empresa, de acordo com a imprensa de italiana, registado "uma queda de 25%".

A Atlantia fechou a sessão do dia 14 de agosto com uma queda de 5,39% prevendo-se a situação de hoje nos mercados bolsistas.

O vice-primeiro-ministro e ministro para o Desenvolvimento Económico, Luigi di Maio, disse que "existem todos os motivos para que o Estado não tenha que pagar qualquer indemnização" referindo-se à responsabilidade da concessionária.

"Perante os mortos não existem cláusulas", acrescentou Di Maio numa entrevista à estação Radio24.

 

Tópicos:

Italia, Radio,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.