Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Tratamento a um paciente de Covid-19 no Hospital Universitário de Belgrado Marko Djurica - Reuters

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimento sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações



21h17 - Mais 16 casos em Angola, Cuanza Sul junta-se às províncias infetadas

Angola registou mais 16 novos casos de covid-19, dos quais um no Cuanza Sul, a terceira província a ser afetada pela doença, depois de Luanda e Cuanza Norte.

O secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, anunciou também mais um óbito, com Angola a somar já 40 mortes devido à doença, sendo o segundo país africano onde o português é língua oficial com mais mortes, a seguir à Guiné-Equatorial, apesar ser o segundo com menos casos.

Angola soma agora 932 casos, dos quais 40 óbitos, 242 recuperados e 650 ativos, com 14 em estado crítico.

21h15 - Mais 49 casos positivos em Cabo Verde, total sobe para 2.307

Cabo Verde registou hoje mais 49 casos positivos do novo coronavírus, a maioria na ilha de Santiago, aumentando para 2.307 o total acumulado no país desde 19 de março.

Cabo Verde continua a registar 22 óbitos, dois doentes transferidos e 836 casos ativos de um total de 2.307 positivos acumulados desde 19 de março.

18h57 - Madeira com mais dois casos recuperados em total de 105

A região regista hoje mais dois casos recuperados de covid-19, que totalizam 97 dos 105 doentes registados na região, tendo oito situações ainda ativas.

17h00 - Polícia Marítima encerra dois estabelecimentos na Costa da Caparica por festas ilegais

A Polícia Marítima anunciou hoje o encerramento de dois estabelecimentos numa praia na Costa da Caparica, em Almada, distrito de Setúbal, que estavam a promover festas que “indiciavam incumprimento” das medidas legais de combate à pandemia de covid-19.

“Nos eventos em questão participavam cerca de 300 e 100 pessoas, respetivamente, que acataram a ordem de paragem e dispersaram, tendo os responsáveis por ambos os estabelecimentos sido autuados e detidos por crime de desobediência”, avançou a Polícia Marítima, em comunicado, referindo que a ocorrência foi registada durante a noite de sábado, numa praia da Costa da Caparica.

Os dois estabelecimentos comerciais encontravam-se a “promover festas cujos contornos indiciavam incumprimento às medidas legais de controlo de propagação do novo coronavírus”, referiu este órgão de fiscalização nos espaços do domínio público marítimo, sob alçada da Autoridade Marítima Nacional, indicando que a intervenção no local foi desenvolvida pelo Comando-local da Polícia Marítima de Lisboa – extensão da Costa da Caparica.

Neste âmbito, a Autoridade Marítima Nacional alertou para a “importância, necessidade e obrigação de todos os cidadãos se constituírem como agentes de saúde pública”, cumprindo com os princípios inerentes à declaração de estados de exceção que estabelecem medidas excecionais e temporárias de resposta à epidemia SARS-CoV-2 e à doença covid-19.

A ocorrência registada pela Polícia Marítima aconteceu no concelho de Almada, que integra a Área Metropolitana de Lisboa (AML), encontrando-se em estado de contingência devido à pandemia, com os ajuntamentos limitados a 10 pessoas.

16h35 - Aldeia do concelho de Moura regista surto com 26 casos positivos

Um surto de covid-19 surgiu na aldeia de Póvoa de São Miguel, no concelho Moura, distrito de Beja, e já existem 26 casos confirmados, dos quais um está internado, disse hoje o coordenador da proteção civil municipal.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador do serviço municipal de proteção civil, Diogo Saraiva, adiantou que os primeiros quatro casos positivos foram detetados há quase 15 dias nesta aldeia alentejana.

Desde logo, referiu, foi feito pela Saúde Pública "o rastreio de contactos diretos" dos primeiros quatro infetados e, posteriormente, realizaram-se os testes à covid-19.

Na última terça-feira, segundo o responsável, foram testadas 53 pessoas, cujos resultados permitiram detetar mais 12 casos confirmados da doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

"Mas foi necessário aprofundar as ligações" com os casos positivos confirmados, pelo que foram feitos mais 142 testes, na sexta-feira, que resultaram em mais 10 casos positivos, adiantou.

Até hoje, precisou o coordenador do serviço municipal de proteção civil de Moura, existem 26 casos confirmados de covid-19 em Póvoa de São Miguel, encontrando-se uma dessas pessoas internada no hospital de Beja.

16h22 - Marcelo admite que pandemia afetou prevenção dos incêndios

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, admitiu hoje no Algarve que a pandemia afetou a prevenção dos incêndios, tornando as condições de combate “difíceis”, sobretudo por se tratar de um verão muito quente.

"Quanto à prevenção, ela sofreu, há que dizer, de facto, sofreu com a pandemia. Os meses que eram meses cruciais da transição da primavera para o verão foram meses acabados por não existir”, disse aos jornalistas durante uma visita ao lar de idosos da Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime, em Loulé, no distrito de Faro.

O facto de as pessoas não poderem sair, devido ao confinamento, ou estarem muito limitadas entre março e junho, acabou por ser “uma limitação, que obriga agora que o combate seja um combate, esperemos que à altura do que tem sido, mas em condições difíceis", acrescentou.

“Até agora o que se pode dizer é que, na generalidade dos casos, houve capacidade de resposta, sobretudo nos grandes casos, nos grandes fogos”, notou, lamentando o “azar” da morte de dois bombeiros no terreno, um num acidente de viação e outro devido a um ataque cardíaco.

15h55 - Número de mortos em Espanha pode ser 60 superior à contagem oficial

O jornal espanhol El País somou o número de pessoas que faleceram “por Covid-19 ou por suspeitas de Covid-19” segundo os registos das 17 comunidades autónomas espanholas e obteve um total de 44.868 mortos desde o início da pandemia. O número é quase 60 por cento superior aos dados oficiais, que deixam de fora da contagem casos suspeitos que nunca foram testados.

De acordo com o Ministério espanhol da Saúde, o número de mortes em Espanha relacionadas com o vírus SARS-CoV-2 está fixado em 28.432, menos 16.436 do que as contabilizadas pelo jornal.

Os números avançados por El País colocam Espanha em segundo lugar na lista dos países europeus mais afetados pela pandemia, atrás do Reino Unido.

Entretanto, o Ministério dos Negócios Estrangeiros garantiu que a epidemia em Espanha está “sob controlo”, depois de o Governo britânico ter imposto quarentena obrigatória a todos os viajantes que regressam de Espanha.

Segundo o Ministério, os hospitais estão a responder bem ao aumento de infeções e mais da metade dos novos casos são assintomáticos, acrescentando que os surtos na Catalunha e Aragão deverão estar controlados em breve.

15h35 - Espanha pressiona Reino Unido para que exclua Canárias e Baleares da quarentena

O Governo espanhol está empenhado em convencer o Reino Unido a excluir as ilhas Baleares e Canárias da quarentena obrigatória de 14 dias imposta a todos os turistas oriundos de Espanha.

“Espanha é segura, é segura para os espanhóis, é segura para os turistas”, garantiu a ministra dos Negócios Estrangeiros espanhola, Arancha Gonzalez Laya.

15h10 - Viajantes que chegam de Espanha ao Reino Unido devem ficar em quarentena por 14 dias

Espanha passou a fazer parte da lista vermelha do Reino Unido. São países cuja proveniência obriga a uma quarentena obrigatória. Boris Jonhson justifica a decisão com o aumento de novos casos de infecção em Espanha.


14h50 - Teerão anuncia mais 216 mortes e exorta iranianos a redobrar vigilância

Teerão anunciou hoje mais 216 mortes devido à doença da covid-19 e exortou os iranianos a redobrar a vigilância contra o vírus, a fim de poupar os prestadores de cuidados, que foram ultrapassados pela "fadiga".

Desde o início de maio, a República Islâmica do Irão tem vindo a enfrentar um ressurgimento da epidemia, que resultou num aumento acentuado da mortalidade diária ao longo do último mês.

Na terça-feira, o Irão estabeleceu um novo recorde de mortes devidas à doença (229 em 24 horas).

No total, a pandemia causou 15.700 mortes no Irão, disse Sima Sadat Lari, porta-voz do ministério da Saúde, durante a conferência de imprensa diária transmitida na televisão estatal.

Lari relatou 2.323 novos casos de contágios de covid-19 em 24 horas, elevando o número total de casos oficialmente confirmados para 291.172.

"A nossa maior preocupação neste momento é a contaminação do pessoal médico e a sua fadiga", disse Lari.

A República Islâmica, que anunciou os seus primeiros casos de covid-19 em fevereiro, é o país mais afetado pela pandemia no Médio Oriente.

14h38 - Mulher apresenta `habeas corpus` contra imposição de quarentena na ilha Graciosa

Uma mulher que está em isolamento profilático na ilha Graciosa devido à proximidade tida com um homem que acusou positivo à covid-19 apresentou hoje um pedido de libertação imediata (`habeas corpus`) contra a medida, contou à agência Lusa.

Na quinta-feira, Ângela Gonçalves, acompanhada da filha, de cinco anos, e de um homem, viajou num voo da SATA entre Lisboa e Ponta Delgada, tendo como destino final a ilha Graciosa.

"No voo S4121 sentámo-nos nos lugares 6D, 6E e 6F. Nesse mesmo voo, nos lugares 5E e 5F, sentaram-se dois passageiros, sendo que um deles, à chegada ao aeroporto de Ponta Delgada, foi sujeito a teste de despiste à covid-19, tendo acusado positivo", disse à agência Lusa Ângela Gonçalves, advogada de profissão.

Ângela vinha com testes de despistes à covid-19 feitos previamente, uma das possibilidades para quem viaja para o arquipélago.

Na sexta-feira de manhã, a advogada foi contactada pela delegada de Saúde da Graciosa, Carla Medeiros, que determinou o isolamento profilático dos três viajantes até 04 de agosto, a expensas dos próprios, "alegando que houve contacto próximo com o passageiro infetado".

"Só após muita insistência nossa foi determinada a realização de teste à covid-19", prosseguiu Ângela Gonçalves, acrescentando que os três testes deram resultado negativo.

E prosseguiu: "Não obstante os resultados serem negativos, a delegada de Saúde mantém a decisão de nos manter detidos num quarto de hotel, sob pena de, não o fazendo, praticarmos um crime de desobediência. Por esse facto, na presente data demos entrada de `habeas corpus`, solicitando a nossa libertação imediata, porquanto tal decisão é ilegal".

"Tal detenção não foi validada por autoridade judicial, não fomos apresentados a qualquer entidade judicial dentro do prazo legal, sendo atentatória dos mais elementares e fundamentais direitos constitucionalmente consagrados e da Convenção Europeia dos Direitos do Homem e, grotescamente aviltante até, atenta a limitação de liberdade de uma criança de cinco anos", acrescentou.

O pedido de `habeas corpus`, que a agência Lusa consultou, foi efetuado aos Juízos de Instrução Criminal de Ponta Delgada.

Ângela Gonçalves assinala que se encontra desde sexta-feira "num quarto de unidade hoteleira na ilha Graciosa, com 20 metros quadrados, somente com um minibar, sem fogão, sem frigorifico, sem utensílios de cozinha, sem lavandaria, sem detergentes, sem as mais básicas condições existentes em qualquer estabelecimento prisional".

14h20 - TAP garante que "cumpre toda a legislação" sobre direitos dos passageiros

A TAP assegurou hoje cumprir "todos os regulamentos e legislação aplicáveis" relativamente aos direitos dos passageiros, depois de a Comissão Europeia ter exortado a uma investigação à transportadora no seguimento dos voos cancelados por causa da covid-19.

"A TAP cumpre todos os regulamentos e legislação aplicáveis", salienta a companhia aérea portuguesa numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

Reagindo à entrevista dada à Lusa pelo comissário europeu da Justiça, Didier Reynders, na qual o responsável solicitou uma investigação das autoridades portuguesas à TAP sobre o cumprimento das normas comunitárias para proteção dos passageiros, a transportadora aérea assegura que "os reembolsos em numerário estão disponíveis quando solicitados, como aliás consta na página de internet".

Nos restantes casos, "a TAP entregou `vouchers` majorados em 20% com validade alargada aos passageiros, quando pedidos e aceites pelos próprios", ressalva a transportadora.

14h05 - Quase 646.000 mortos e mais de 16 milhões infetados em todo o mundo

A pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus já provocou a morte de 645.715 pessoas em todo o mundo e infetou 16.072.290, em 196 países, estando 9.061.300 dadas como curadas, segundo o último balanço feito pela Agência France-Presse (AFP).

A pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus já provocou a morte de 645.715 pessoas em todo o mundo e infetou 16.072.290, em 196 países, estando 9.061.300 dadas como curadas, segundo o último balanço feito pela Agência France-Presse (AFP).

13h55 - Voos cancelados. Comissão Europeia quer investigação à TAP

A Comissão Europeia quer que a TAP seja investigada. Está em causa o direito dos passageiros a receberem reembolsos em detrimento de vouchers por causa de viagens canceladas.

É também por causa dos vouchers que Bruxelas pode avançar para o Tribunal Europeu da Justiça.

13h45 - Mais 207 recuperados

O total de recuperados subiu em 207 em comparação com o dia anterior, completando um total de 35.217 pessoas que recuperaram da doença. No sábado, o total de recuperados tinha sido de 323.

13h25 - Lisboa e Vale do Tejo com mais 155 infetados

Lisboa e Vale do Tejo, onde tem havido mais surtos ativos, soma hoje 25.448 casos, mais 155 infetados do que na véspera, e mais um morto, o único registado no país em 24 horas.

13h15 - Mais um morto e 209 novos casos em Portugal

Os últimos dados do boletim epidemiológico referem que Portugal registou mais um morto nas últimas 24 horas, elevando para 1.717 o total de óbitos desde o início da pandemia. Os casos de infeção pelo novo coronavírus aumentaram em 209 e Portugal ultrapassa, assim, a barreira dos 50 mil casos de Covid-19.

13h00 - Presidente do Grupo Pestana defende "lay-off" simplificado até primeiro trimestre de 2021

O presidente do Conselho de Administração do Grupo Pestana, o maior grupo hoteleiro em Portugal, defende a continuidade do "lay-off" simplificado até ao primeiro trimestre do próximo ano.

Em entrevista à Antena1 e ao Jornal de Negócios, José Theotónio diz que é isso que o setor precisa, porque as empresas vão conseguir trabalhar durante o mês de agosto e setembro, mas depois dessa altura o turismo nacional acaba e se o internacional não vier, os hotéis voltam a estar vazios e a ter de encerrar. Defende que o regime de "lay-off" simplificado deve manter-se até ao primeiro trimestre do próximo ano.

12h50 - Açores sem registo de novos infetados nas últimas 24 horas

A Autoridade de Saúde dos Açores informou hoje que, nas últimas 24 horas, não houve registo de novos casos de covid-19 na região, tendo recuperado da doença um homem que estava infetado na ilha das Flores.

De acordo com nota de imprensa daquela autoridade, foram realizadas 1.058 análises nas últimas 24 horas nos dois laboratórios de referência da região - nas ilhas de São Miguel e Terceira -, não tendo sido registados casos positivos de covid-19.

Relativamente aos casos positivos, há a registar um caso de recuperação de um homem, de 39 anos de idade, residente em território continental, diagnosticado na ilha das Flores e que cumpriu um período de isolamento até à sua recuperação.

Assim, a região possui um total de 163 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, verificando-se, atualmente, oito casos positivos ativos – sete na ilha de São Miguel e um na ilha Terceira.

12h30 - Ministro inglês de férias em Espanha obrigado a quarentena quando regressar ao seu país

O ministro dos Transportes do Reino Unido, Grant Shapps, de férias em Espanha, vai ter de cumprir um período de quarentena quando regressar ao seu país, depois de o Governo britânico ter excluído Espanha da lista de países seguros.

A decisão do executivo britânico foi tomada devido ao aumento de casos de coronavírus em várias cidades espanholas e, segundo o ministro de Assuntos Exteriores, Dominic Raab, foi tomada já depois de Grant Shapps e a família estar de férias em Espanha.

Por seu turno, o Partido Trabalhista, que lidera a oposição ao atual executivo britânico, considerou "caótica" a abordagem do Governo no assunto, lembrando que a entrada em vigor da nova quarentena surge após o ministro dos transportes ter chegado "ao destino proibido".

O Reino Unido excluiu Espanha da lista de países seguros por causa da evolução da pandemia, numa medida que entrou em vigor este sábado, desaconselhando as viagens para aquele país, com exceção de Baleares e Canárias.

12h05 - Surto no Vimieiro com dez casos confirmados

Subiu para 10, o número de casos de Covid-19, no Vimieiro, no concelho de Arraiolos. Os infetados pelo novo coronavírus são todos da mesma família.

Entre os 10 elementos, três estão internados.
Há quase 30 pessoas em quarentena na sequência deste surto.

As autoridades sanitárias continuam a fazer testes.

11h50 - África com mais 18 mil casos nas últimas 24 horas, num total de 828.214

África registou nas últimas 24 horas mais 18.206 casos do novo coronavírus, totalizando 828.214 pessoas infetadas e 17.509 mortos (mais 421), segundo o mais recente balanço do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

De acordo com estes dados, África tem agora 21.664 doentes recuperados.

O África CDC indica que o maior número de casos de covid-19 continua a atingir a África Austral: 451.981 infetados e 7.017 mortos.

A África do Sul reúne o maior número de infetados (434.200) e mais mortos (6.651) de todo o continente.

A África do Norte contabiliza 147.495 infetados e 6.265 mortos, seguindo-se a África Ocidental: 118.413 infetados e 1.827 mortos.

Os casos na África Oriental são agora de 64.987, com 1.511 mortes, e na África Central registam-se 45.338 infetados e 889 mortes.

O Egito é o segundo país com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, contabilizando 91.583 casos e 4.558 mortos. Segue-se a Argélia com 26.157 infetados e 1.137 mortos.

Entre os cinco países mais afetados, está também a Nigéria, com 39.977 infetados e 856 mortos, e o Sudão com 11.302 infetados e 706 mortos.

Em relação aos países africanos lusófonos e segundo dados das autoridades locais, Cabo Verde é o que tem mais infeções (2.258, dos quais 22 mortes), enquanto Angola lidera em termos de vítimas mortais – 39 mortos entre os 916 casos diagnosticados.

A Guiné-Bissau regista 1.981 casos positivos, que resultaram em 26 mortes, enquanto Moçambique contabiliza 1.616 casos e 11 vítimas mortais.

São Tomé e Príncipe tem 749 casos de infeção pelo novo coronavírus, que causou 14 mortos.

A Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mantém há várias semanas 3.071 casos e 51 mortos, segundo o África CDC, embora as autoridades equato-guineenses relatem menos casos positivos (2.350) e o mesmo número de falecimentos.

10h06 - Coreia do Norte declara “emergência sanitária máxima”

A Coreia do Norte declarou hoje “emergência sanitária máxima” devido à pandemia de covid-19, decretando o isolamento da cidade de Kaesong, na sua fronteira com o Sul, após detetar um caso suspeito, o primeiro anunciado pelo regime.

Trata-se de um cidadão norte-coreano que se havia mudado para a Coreia do Sul há três anos e que terá regressado ao país depois de “atravessar ilegalmente”, na semana passada, a fronteira militarizada que separa os dois países, anunciou hoje a agência estatal norte-coreana KCNA.

Este cidadão foi, entretanto, colocado em “quarentena rigorosa”, após os testes médicos realizados terem tido “resultados incertos”, segundo a agência estatal, que revela que as pessoas em contacto com esta pessoa também foram isoladas e testadas.

Após a deteção deste caso suspeito, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, presidiu a uma reunião da direção do Partido dos Trabalhadores no sábado, na qual foi decidido “bloquear completamente” a cidade de Kaesong e colocar em isolamento os diferentes distritos da província limítrofe do sul.

Nesse encontro, Kim Jong-un decidiu, também, decretar “emergência máxima” devido à pandemia de covid-19, após o “estado de emergência contra a epidemia” na Coreia do Norte.

Na ocasião, Kim Jong-un vincou que “apesar das intensas medidas de combate à pandemia implementadas em todas as áreas e do encerramento rigoroso de todas as entradas durante os últimos seis meses, registou-se uma situação crítica em que o vírus agressivo poderá ter sido introduzido no país”.

Com o alerta a subir de tom, o regime deu, ainda, instruções sobre as “ações e medidas organizacionais” a serem implementadas nos vários organismos do Partido e instituições de saúde e segurança nacional, de acordo com a KCNA.

Além disso, as forças militares estão a investigar os detalhes do incidente.

9h40 - Autarquia de Leiria tem viaturas a patrulhar o concelho recomendando uso de máscara

A iniciativa, da responsabilidade da autarquia, serve para recomendar à população o uso de máscara, numa altura em que há o registo de aumento de casos no concelho.


9h16 - Bruxelas vigia restrições a Portugal para garantir “tratamento igual” na União Europeia

A Comissão Europeia garante que vai monitorizar as restrições à livre circulação na União Europeia (UE) devido à covid-19, visando assegurar um “tratamento igual” entre os Estados-membros, e admite que Portugal é dos mais afetados pelas ‘listas vermelhas’.

“Temos conhecimento de que alguns Estados-membros estão a colocar restrições às viagens a partir de Portugal e isso deve-se, obviamente, ao elevado número de casos dos últimos dias e semanas, nomeadamente [na região de] Lisboa”, defendeu em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas, o comissário europeu da Justiça, Didier Reynders.

Numa altura em que Portugal está na ‘lista vermelha’ de muitos países da UE devido à evolução da pandemia, essencialmente por causa da subida no número de infeções em Lisboa e Vale do Tejo, o responsável belga argumentou que “o que os outros Estados-membros estão a pedir mais em relação a Portugal é a realização de testes e de quarentena”.

Apontando que “não existe uma situação difícil em todos os locais de Portugal”, Didier Reynders apelou à adoção de “medidas específicas e direcionadas para determinado local, onde exista um aumento do número de casos” e que se evite uma “total interdição” ao país.

“As restrições têm de ser necessárias e proporcionais”, bem como baseadas “numa abordagem científica, análise científica e na situação epidemiológica”, salientou o comissário europeu da Justiça.

Didier Reynders assinalou que a Comissão Europeia vai “continuar a discutir com os Estados-membros”, garantindo que, “se for necessário, [a instituição] irá atuar se entender que certa medida não é necessária ou proporcional”.

“Relativamente [às restrições] à livre circulação, vamos estar novamente muito atentos em agosto. […] Se existe uma situação pior num Estado-membro ou numa região, é normal que estas decisões sejam adotadas, mas vamos monitorizar isso porque temos de ter a certeza que existe um tratamento igual para todas as diferentes situações”, assegurou.

Além disso, “se os países forem mais além e decidirem não deixar que [portugueses] entrem no país isso é demasiado”, adiantou Didier Reynders.

9h00 - Estado australiano com recorde diário de mortes desde início de surto em Melbourne

As autoridades do estado australiano de Victoria contabilizaram dez mortos por covid-19 nas últimas 24 horas, um novo recorde diário desde o início do surto na capital regional, Melbourne, foi hoje anunciado.

Entre os dez óbitos conta-se um homem na casa dos 40, a vítima mais jovem na Austrália desde o início da pandemia, segundo as autoridades australianas.

Além disso, nas últimas 24 horas foram ainda diagnosticados 459 novos casos.

No estado de Victoria, há agora 228 doentes hospitalizados, 42 dos quais nos cuidados intensivos.

A Austrália iniciou na segunda-feira uma investigação judicial ao novo surto de covid-19 em Melbourne, para apurar se houve violações das regras de segurança nos hotéis designados para realizar a quarentena obrigatória de viajantes vindos do estrangeiro.

8h45 - China com 46 novos casos, valor diário mais alto em mais de um mês

A China diagnosticou 46 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, valor diário mais alto em mais de um mês, 22 dos quais na região de Xinjiang e 13 na de Liaoning, indicaram hoje as autoridades chinesas.

O país asiático registou 11 casos em viajantes oriundos do exterior, os chamados casos importados, cinco na região da Mongólia Interior, três na província de Cantão, e um também em Fujian, Shandong e Tianjin.

Urumqi, a capital da região autónoma de Xinjiang, no extremo noroeste da China, detetou um surto há mais de uma semana, interrompendo um período de quase duas semanas sem novos casos por contágio local na China.

Xinjiang implementou medidas de prevenção, incluindo a suspensão do metropolitano local e o cancelamento de centenas de voos, e iniciou uma campanha maciça de testes para tentar conter o surto o mais rapidamente possível, noticiou a imprensa local.

Em Dalian, cidade portuária no nordeste do país, as autoridades declararam "estado de guerra", para evitarem novo surto do coronavírus.

As autoridades ordenaram o encerramento de mercados de frutos do mar, após terem detetado os primeiros casos numa fábrica de processamento, segundo o jornal estatal Global Times.

Para impedir que o aglomerado de casos dê origem a um novo surto, o governo local tomou várias medidas, incluindo exigir testes de ácido nucleico a quem usar a linha 3 do metropolitano local, que passa pela planta de processamento afetada.

O governo local ordenou ainda o encerramento de jardins de infância e exigiu a "desinfeção generalizada" de centros comerciais e mercados.

As autoridades de saúde acrescentaram que, até à meia-noite (17:00 de sábado em Lisboa), tiveram alta 19 pacientes, fixando o número total de casos ativos no país asiático em 288.

De acordo com os dados oficiais, desde o início da epidemia a China registou 83.784 infetados e 4.634 mortos devido à covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

8h30 - México regista 729 mortos e 6.751 novos casos nas últimas 24 horas

O México registou 729 mortos e 6.751 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 43.374 óbitos e 385.036 infeções desde o início da epidemia, indicou o Ministério da Saúde mexicano.

Há ainda 93.433 casos suspeitos à espera de resultados clínicos, de acordo com as autoridades mexicanas.

A Cidade do México e os estados do México, Tabasco, Veracruz e Puebla são as zonas com mais infeções registadas desde o início da pandemia, em fevereiro, representando em conjunto 45 % de todos os contágios no país.

O México é o sexto país do mundo com mais casos de covid-19, ficando apenas atrás dos Estados Unidos, Brasil, Índia, Rússia e África do Sul.

Em número de mortes globais e por milhão de habitantes, o México está em quarto lugar a nível mundial, atrás dos Estados Unidos, Brasil e Reino Unido.

8h10 - Coreia do Norte regista primeiro caso suspeito de coronavírus

Um primeiro caso "suspeito" de coronavírus foi hoje identificado na Coreia do Norte, que entrou em um estado de "emergência máxima", avançou hoje a agência oficial do regime de Pyongyang, KCNA.

Em causa está uma pessoa que "retornou em 19 de julho depois de cruzar ilegalmente a linha de demarcação", que serve de fronteira com a Coreia do Sul, segundo a KCNA.

Pyongyang garantiu que não há nenhum caso de coronavírus e que as fronteiras do país permaneciam fechadas.

No início do mês, os jornais da Coreia do Norte referiam que o líder Kim Jong Un tinha apelado à cúpula do partido para se manter alerta contra o coronavírus, avisando que a complacência poderia conduzir a "riscos inimagináveis e a uma crise irrecuperável".

Apesar do apelo, Kim reafirmou que a Coreia do Norte não registava um único caso de covid-19 acrescentando que o país "impediu completamente a invasão do vírus maligno" apesar da crise sanitária que se regista em todo o mundo.

A nível global, muitos especialistas já demonstraram sérias dúvidas sobre a situação da pandemia na Coreia do Norte devido à proximidade da República Popular da China, onde a doença teve origem, e por causa das infraestruturas sanitárias precárias do país.

A Coreia do Norte encerrou as fronteiras no princípio do ano, proibiu a entrada de turistas e mobilizou os profissionais de saúde a imporem quarentena (14 dias) a todos os cidadãos que apresentassem sintomas da doença.

Ponto da Situação

Mais de 16 milhões de casos do novo coronavírus foram contabilizados a nível mundial desde o início da pandemia, de acordo com um balanço efectuado hoje pela pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Segundo dados oficiais da AFP, até às 06:10 de hoje foram comunicados 16.050.223 casos de covid-19 e 645.184 mortes a nível mundial.

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado do mundo, com 4.178.021 casos, incluindo 146.460 mortes, enquanto a América Latina e Caraíbas registaram 4.328.915 casos e 182.501 mortes desde o início da pandemia.

Juntos, Estados Unidos e América Latina e Caraíbas representam mais de metade das infeções mundiais.

Na Europa, desde o início da pandemia, registaram-se 3.052.108 casos e 207.734 mortes.

O ritmo da pandemia continua a acelerar em todo o mundo, com mais de 5 milhões de novos casos detetados desde 1 de julho, o que representa mais de um terço do total de casos de covid-19 contabilizados desde o início da epidemia.

O número de infeções poderá no entanto refletir apenas parte do total real de casos, já que muitos países não têm recursos suficientes para realizar campanhas de testes extensivas.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.