Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

"O padrão em que os novos casos aparecem em pessoas jovens é, de certa forma, protetora em relação à mortalidade", afirmou esta segunda-feira Graça Freitas António Pedro Santos - Lusa

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações

VEJA A INFOGRAFIA COM TODOS OS DADOS ATUALIZADOS DA SITUAÇÃO EM PORTUGAL. CLIQUE AQUI


23h20 - Juiz federal considera medidas de confinamento "inconstitucionais"

O governador democrata da Pensilvânia, Estados Unidos da América, decretou medidas "inconstitucionais" na contenção da pandemia, concluiu um juiz federal daquele Estado norte-americano.

Para o juiz William Stickam, as limitações ao direito de reunião e a declaração de "não essenciais" aplicada a diversos pequenos comércios, violam direitos consagrados na Constituição do país.

As medidas de confinamento impostas da Pensilvânia têm sido contestadas na Justiça, desde maio, por diversos políticos estaduais do Partido Republicano, assim como por proprietários de salões de beleza ou cabeleireiros e por um dono de uma coudelaria de cavalos de corrida, que as consideram uma ameaça à viabilidade dos seus negócios.

Desde a primavera que o Estado, onde Donald Trump ganhou por uma pequena margem em 2016 e que é considerado uma possível vitória para o Partido Democrata, tem sido palco de manifestações contra as restrições impostas devido à pandemia.

Stickam deu razão a quem se queixou. Apesar de ter "boas intenções", isso não autoriza o governador a suspender "liberdades fundamentais" da população.

O juiz federal considerou "arbitrárias" as distinções feitas entre atividades económicas consideradas "essenciais" e "não essenciais", sublinhando que nenhuma "justificação objetiva" a justifica-las foi alguma vez avançada.

"A Constituição fixa certos limites que não podem ser violados, mesmo em caso de urgência", escreveu no seu acórdão de 66 páginas o juiz. "A Constituição não pode aceitar uma nova normalidade onde as liberdades básicas da população são subordinadas a medidas de duração ilimitada para controlar uma situação de emergência", acrescentou Stickam.

A propagação do novo coronavírus parece estar atualmente sob controlo no Estado, e o governador Tom Wolf já levantou grande parte das medidas de confinamento agora criminalizadas. A capacidade de bares e de restaurantes permanece reduzida e as reuniões de mais de 25 pessoas no interior ou de 250 pessoas ao ar livre continuam proibidas.

Em maio, em resposta a múltiplas queixas e denúncias contra a pandemia, um juiz do Wisconsin considerou inválido o prolongamento do confinamento, enquanto um outro do Michigan o aprovou.

23h10 - Brasil com mais de 15 mil novos casos desde domingo

Em 24h, o Brasil registou mais 15.115 casos de infeção com SARS-CoV-2, anunciou o Ministério da Saúde. O país soma assim 4.345.610 contágios desde o início da pandemia.

Esta segunda-feira mais 381 óbitos aumentaram para 131.625 o total de mortos devido à Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

A taxa de incidência da covid-19 no Brasil, país lusófono mais afetado pela pandemia, é hoje de 62,8 mortes e de 2.067,9 casos por cada 100 mil habitantes, e a taxa de letalidade mantém-se em 3,0%.

De acordo com o Ministério da Saúde brasileiro, ainda está a ser investigada a possível relação de 2.498 óbitos com a covid-19.

Os estados de São Paulo (893.349), Bahia (283.235), Minas Gerais (253.997) e Rio de Janeiro (242.810) são os que apresentam o maior número de casos confirmados do novo coronavírus até agora no Brasil.

Considerando o número de óbitos, os estados mais afetados são os de São Paulo (32.642), Rio de Janeiro (17.003), Ceará (8.698) e Pernambuco (7.888).

Todas as 27 unidades federativas do Brasil já ultrapassaram os 20 mil casos de infeção cada uma e 23 já registam mais de mil óbitos.

22h53 - Dúvidas e apreensão no regresso às escolas na Europa

A Covid-19 teve esta segunda-feira um número recorde de novos casos diários a nível mundial.
Foi neste ambiente que se fez o regresso de milhões de crianças da Europa às escolas.

22h38 - "Medo é palavra que domina"

Entrevistado no 360, da RTP3, o professor Rui Correia, vencedor do Global Teacher Prize Portugal, admitiu haver apreensão nas escolas portuguesas, mas afirmou também não acreditar que outros países tenham feito melhor trabalho.

Rui Correia falou ainda das dificuldades que podem surgir para substituir professores e funcionários afetados, acrescentando que há escolas que sem condições para assegurar a denominada "bolha" nas turmas.
O docente sustentou, por último, que o país está perante a oportunidade de mudar o paradigma do ensino, acrescentando que não é aceitável haver professores que não se sentem protegidos para trabalhar no contexto da pandemia da Covid-19.

22h11 - "Intensificação da transmissão" em Moçambique

Moçambique registou, nas últimas duas semanas, o maior aumento de infeções pelo novo coronavírus e de percentagem de testes positivos até ao momento, segundo o Ministério da Saúde daquele país africano.

"Nas últimas duas semanas registou-se o maior crescimento no número de casos e na taxa de positividade, sugerindo uma tendência de intensificação da transmissão em vários locais geográficos", indica a análise epidemiológica semanal.

Moçambique atingiu esta segunda-feira o total acumulado de 5482 casos declarados após 115.588 testes, o que eleva a taxa de resultados positivos para 4,74 por cento desde o início da pandemia.

O número de mortes, 35, equivale a 0,6 por cento dos casos registados.

21h51 - Campeonato começa sexta-feira. Sem público

O presidente da Liga, Pedro Proença, e o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, confirmaram esta segunda-feira que a I Liga de futebol vai arrancar na sexta-feira. As partidas continuam sem público até outubro.
"Recebemos, por parte da tutela, a garantia de que as coisas se vão resolver. Temos a certeza hoje que a I Liga se vai iniciar na sexta-feira, assim o caso epidemiológico o permita e, por isso, estamos confiantes", declarou Pedro Proença à saída de uma reunião de quase três horas no Ministério da Saúde, em Lisboa.

21h49 - São Paulo espera que vacina Coronavac chegue a toda a América do Sul

O governador do Estado brasileiro de São Paulo, João Doria, estimou esta segunda-feira que a chinesa Coronavac, uma das vacinas mais avançadas contra a Covid-19 e em processo de produção no Brasil, venha também a ser administrada nos demais países sul-americanos.

"Numa primeira fase, queremos vacinar primeiro todos os brasileiros e, numa segunda fase, outros países", afirmou João Doria em conferência de imprensa.

"Quanto mais rápido formos, melhor e, assim, seremos capazes de administrá-la aos nossos irmãos na América do Sul", acrescentou o governador do Estado foco da pandemia da Covid-19 no Brasil.

A Coronavac, produto da cooperação do laboratório privado chinês Sinovac e do Instituto Brasileiro Butantan, com sede em São Paulo, já tem 46 milhões de doses asseguradas até dezembro, assim como outros 16 milhões para o primeiro trimestre de 2021.

21h03 - Novas regras para cumprir no arranque do ano letivo

Arrancou esta segunda-feira, oficialmente, o novo ano letivo. Todas as pessoas que entrarem na escola terão de usar máscara. Para os alunos a obrigação é só a partir do quinto ano.

A higienização das mãos à entrada e durante o dia é obrigatória.

Os percursos dentro das escolas têm de estar bem definidos, para evitar aglomerados

As turmas devem funcionar como uma bolha dentro e fora das salas de aula e respeitar o distanciamento físico de um metro.

Todos os espaços têm de ser arejados, mantendo as portas e janelas abertas sempre que possível.
Às refeições os horários são desfasados e os refeitórios podem ter serviço de takeaway.

Se houver um caso suspeito, a escola deve de imediato isolar o profissional ou estudante e contactar a linha SNS24.

De acordo com o que for decidido pela autoridade de saúde local, pode ser determinado o encerramento de uma ou mais turmas, de espaços concretos dentro do estabelecimento ou de toda a escola.

Segundo as autoridades de saúde, é declarado um surto numa instituição de ensino sempre que se registem dois casos ligados.

20h43 - Novo padrão de infeções atinge adultos em idade ativa

Esta segunda-feira há mais 613 infetados em Portugal pelo novo coronavírus. É preciso recuar a 20 abril para encontrar um início de semana com valores acima dos 600 novos casos diários.

Cinquenta e um por cento dos infetados têm entre 20 a 49 anos e dez por cento mais de 70 anos. Perante estes números, as autoridades falam de um novo padrão das infeções em Portugal.
Lisboa e Vale do Tejo tem 338 dos novos casos, ou seja, 55 por cento. E o Norte tem 178, 29 por cento do total dos casos confirmados desde domingo.

Assim, no total, os casos ativos subiram para 18.540, ou seja, há agora mais 493 pessoas com Covid-19.

Morreram quatro pessoas, três no Norte e uma em Lisboa.

19h52 - Comércio no Porto fecha até às 23h00 a partir de terça-feira

A Câmara Municipal do Porto determinou esta segunda-feira que os estabelecimentos comerciais têm de encerrar até às 23h00, tendo a decisão sido tomada com base em pareceres favoráveis da autoridade local de saúde e das forças de segurança.

Em nota na sua página oficial, a autarquia refere que o despacho agora assinado pelo presidente do município, o independente Rui Moreira, entra em vigor a partir das 0h00 de dia 15.

A medida municipal surge na sequência do regresso da situação de contingência a Portugal Continental, entre terça-feira e o dia 30 de setembro, que definiu regras mais apertadas para as áreas metropolitana do Porto e Lisboa.

19h41 - O "novo normal" no regresso às aulas por todo o mundo


19h21 - Governo exclui adiamento do fim do banco de horas individual

O Governo colocou esta segunda-feira de parte um adiamento do fim dos bancos de horas individuais, medida reclamada pelas empresas face à crise da Covid-19. O regime deixará de existir em outubro.

"As empresas que pretendam implementar bancos de horas poderão mobilizar esse recurso nos termos já previstos na lei em vigor", adiantou o gabinete do secretário de Estado adjunto, do Trabalho e da Formação Profissional, Miguel Cabrita, auscultado pela Lusa.

Os bancos de horas passam a ter de ser acordados em grupo e aplicados ao conjunto de trabalhadores de uma equipa, secção ou unidade económica, desde que seja aprovado em referendo pelos trabalhadores.

18h56 - Mais de seis mil casos em França desde domingo

As autoridades francesas de saúde registaram 6158 novos casos de contágio pelo novo coronavirus nas últimas 24 horas e 34 mortes causadas pela Covid-19.

O número total de casos confirmados no país é agora de 387.252. A taxa de testes positivos desceu para os 5,3 por cento. Na semana passada era de 5,4.

Nas últimas 24 horas foram registados 34 mortos devido ao novo coronavírus, elevando o número total de óbitos para 30.950 desde o início da pandemia. Deste total, 20.435 pessoas morreram no hospital.

Esta semana foram hospitalizadas 2561 pessoas em França e houve 448 novas admissões nos cuidados intensivos.

O número de focos de contaminação está também a aumentar, com 39 novos focos a serem identificados nas últimas 24 horas, havendo atualmente 852 focos ativos em França - 115 ocorrem em lares.

18h46 - Uma em cinco empresas prevê despedir trabalhadores até final do ano

Uma em cada cinco empresas prevê reduzir o número de trabalhadores até final do ano devido à crise causada pela pandemia da Covid-19, segundo um inquérito apresentado esta segunda-feira pela CIP - Confederação Empresarial de Portugal.

Os resultados tiveram em conta a resposta de 658 empresas maioritariamente dos setores da indústria e energia, serviços e comércio, sendo 75 por cento micro ou pequenas empresas.

Sobre a evolução de recursos humanos até final do ano, 21 por cento das empresas responderam que preveem diminuir o número de trabalhadores, numa média de 27 por cento, enquanto a maioria (69 por cento) espera manter os postos de trabalho e dez por cento estimam aumentar o número de trabalhadores em 14 por cento em média.

A CIP sublinha que a percentagem de empresas que pensa manter trabalhadores "é bem melhor do que a previsão de quebra de vendas, o que significará um esforço das empresas em manter postos de trabalho face à quebra de vendas".

A maioria das empresas - 79 por cento - continua a considerar que os apoios aprovados pelo Governo para combater a crise causada pela pandemia estão "aquém ou muito aquém" do que necessitam.

18h39 - Psicólogos defendem equipas de apoio para as escolas

A Ordem dos Psicólogos Portugueses veio advertir para o eventual agravamento dos problemas educativos dos alunos, aconselhando as escolas a reforçarem equipas que estejam sempre disponíveis para ajudar os estudantes.

Mais de um milhão de alunos do primeiro aos 12.º anos regressam esta semana às escolas. A Ordem sinaliza um possível agravamento de situações como o insucesso ou abandono escolar.

"As escolas devem reforçar as estruturas e recursos que dão resposta aos problemas educativos, de saúde psicológica e de inclusão mais frequentes", defende a Ordem dos Psicólogos num documento sobre o regresso às aulas, realizado em conjunto com a UNICEF.

18h22 - Espanha regista desde sexta-feira 27.404 novos casos

As autoridades de saúde de Espanha registaram, desde sexta-feira, 27.404 novos casos de Covid-19, o que faz subir o total de infetados para 593.730.

O país vizinho soma ainda 101 mortos devido à doença notificados nos últimos três dias, aumentando o total de óbitos para 29.848.

Madrid continua a ser a comunidade autónoma mais atingida, com mais de 10.864 novos positivos e 25 mortos desde sexta-feira.

Deram entrada nos hospitais, nas últimas 24 horas, 908 pessoas, das quais 284 em Madrid, 125 na Andaluzia e 91 na Catalunha.

Estão hospitalizadas em toda a Espanha 9044 pessoas com o novo coronavírus, das quais 1157 em unidades de cuidados intensivos.

18h13 - Assembleia Legislativa da Madeira retoma plenários com controlo de temperatura

A Assembleia da Madeira retoma amanhã as reuniões plenárias, ficando o início dos trabalhos marcado pelas exigências de controlo de temperatura corporal aos deputados, funcionários e visitantes, e de permanência de todos os parlamentares no edifício.

"O parlamento madeirense retoma amanhã as sessões plenárias com controlo de temperatura corporal aos deputados, aos funcionários e aos visitantes", lê-se numa nota distribuída pela assembleia, tendo por base uma circular emitida pela Secretaria-Geral deste órgão.

O regresso dos deputados aos plenários depois das férias parlamentares foi antecipado em 15 dias, em comparação com os anos anteriores, por decisão da Comissão Permanente da assembleia.

"O quórum de funcionamento dos plenários passa para 24 deputados após o período pandémico, período durante o qual o plenário funcionou apenas com um terço dos parlamentares", recorda a mesma informação.

18h02 - Sobe para 43 o número de infetados em lar de idosos de Guimarães

A Administração Regional de Saúde do Norte atualizou para 43 o número de casos positivos de Covid-19 no Centro Social Irmandade de São Torcato, em Guimarães.

Em resposta citada pela Lusa, a ARSN refere que testaram positivo 34 idosos e nove funcionários.

17h22 - Açores reportam mais um caso em São Miguel

Os Açores registam esta segunda-feira mais um caso positivo de Covid-19 na Ilha de São Miguel e uma recuperação no Pico, mantendo assim 46 casos ativos da Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Segundo o comunicado da Autoridade de Saúde Regional, as 749 análises realizadas nas últimas 24 horas detetaram um caso positivo, de uma mulher de 20 anos, "não residente, que desembarcou na região em 6 de setembro, proveniente de território continental".

Após ter obtido resultado negativo no despiste feito antes do embarque, o teste feito ao sexto dia de permanência na região deu positivo para infeção pelo novo coronavírus.

"Com historial de positividade para o vírus SARS-CoV-2 em agosto, o caso encontra-se em investigação para apuramento de eventual recuperação", indica o comunicado, acrescentando que "o caso apresenta situação clínica estável e foram já diligenciados, pela delegação de saúde concelhia, os procedimentos definidos para caso confirmado, testagem e vigilância de contactos próximos".

Há ainda a registar a recuperação de um homem de 47 anos na ilha do Pico.

Dos 46 casos ativos no arquipélago, 36 são da Ilha de São Miguel, sete na Terceira, dois no Pico e um na Graciosa.

Até ao momento foram detetados nos Açores 256 casos. Morreram 16 pessoas, todas em São Miguel, e 165 recuperaram da doença. 

16h57 - Itália soma 1808 novos contágios e 14 mortes

As autoridades sanitárias de Itália registaram 1808 infeções pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, elevando o número total de contágios para 288.761 desde o início da pandemia, havendo ainda notícia de mais 14 vítimas mortais.

O número de novas mortes causadas pela Covid-19 em Itália é esta segunda-feira o dobro do registado no domingo. No total, já morreram em Itália 35.624 pessoas com Covid-19.

Nas últimas 24 horas, 316 pessoas foram dadas como curadas, 213.950 desde fevereiro, e o número de doentes é agora de 39.187, dos quais 197 estão em unidades de cuidados intensivos.

A região do Lácio, cuja capital é Roma, foi esta segunda-feira a que registou mais casos, 181 em 24 horas, seguida da Emília-Romanha (127) e da Lombardia (125).

16h52 - Évora com seis casos na comunidade associados a surto no lar

O concelho de Évora registou seis casos de Covid-19 na comunidade associados ao surto detetado num lar ilegal na periferia da cidade, tendo vários estabelecimentos fechado as portas por precaução, adiantou o presidente do município.

"Dos testes que já foram feitos, registámos mais seis casos ativos na comunidade relacionados com este surto", indicou o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, numa conferência de imprensa realizada junto aos Paços do Concelho.

Foram também detetados em Évora "mais alguns casos" positivos de Covid-19, que "não estão relacionados com o surto" no lar, o que elevou o total de ativos no concelho para 56.

Pinto de Sá adiantou que "estão a ser feitos testes" na comunidade, a cargo da Autoridade de Saúde Pública, precisando que no domingo foram realizados "123 testes" à Covid-19 e que hoje estão a decorrer "231".

A Saúde Pública "está a fazer o acompanhamento de todos os contactos e das famílias" dos infetados para apurar "eventuais contágios e eventualmente colocar em quarentena e vigilância os casos que são necessários", apontou.

16h48 - Médicos do Centro advertem para comportamentos de risco em "semana sensível"

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos apelou esta segunda-feira para que sejam evitados "comportamentos que coloquem em risco a saúde pública no âmbito da atual situação pandémica" e que sejam adotadas boas práticas de saúde pública.

A Ordem classifica como "muito sensível" a semana que agora se inicia, por causa do retorno à atividade escolar, do fim das férias e da aproximação do outono e do inverno, com aumento gradual das infeções respiratórias.

"Tem de haver responsabilidade no comportamento das pessoas e das instituições, para que todos, de forma irrepreensível, possam cumprir as recomendações básicas na vida quotidiana - designadamente distanciamento social, proteção individual e higienização", declara o presidente da Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos.

Carlos Cortes enfatiza que hospitais, centros de saúde e respetivos profissionais estão "afincadamente", desde março, na linha da frente dando resposta à pandemia.

"Muitos já estão exaustos. Por isso, os comportamentos que têm vindo a público e que são potenciadores de surtos e de disseminação do vírus são inaceitáveis, desrespeitam quem está a lutar contra o vírus e todas as pessoas, sobretudo, as mais debilitadas e as mais vulneráveis", acentua. 

16h30 - Fechadas três salas de creche e infantário no Lar do Comércio em Matosinhos

Vinte e seis crianças que frequentam a creche e o jardim-de-infância do Lar do Comércio, no concelho de Matosinhos, estão a confinadas em casa depois de terem sido detetados dois casos de infeção pelo novo coronavírus, indicou a instituição.

Entre as 26 crianças, de um total de três salas, estão dois irmãos de sete meses e dois anos de idade que testaram positivo.

Em comunicado, a direção do Lar do Comércio adianta ter sido contactada no domingo pela mãe de duas crianças que frequentam o seu equipamento infantil, as quais, submetidas ao teste da Covid-19, testaram positivo, razão pela qual decidiu contactar todos os pais e colaboradores deste equipamento, aos quais foram transmitidas as instruções da Direcção-Geral da Saúde.

"Os irmãos terão sido infetados no fim de semana de 6 de setembro durante uma visita aos avós, em Viseu - que só posteriormente, a 10 de setembro, terão testado positivo. Sabendo do resultado do avô, a mãe das crianças retirou-as do equipamento infantil, logo no próprio dia 10 de setembro, a fim de serem também elas testadas. O resultado positivo foi do conhecimento da instituição, ontem, dia 13 de setembro, ao início da tarde", explica o Lar do Comércio em nota enviada às redações.

Recorde-se que a instituição esteve envolvida em polémica em maio devido a casos de infeção na valência dedicada à terceira idade.

16h24 - Lar em Guimarães com 32 utentes e nove funcionários infetados

Estão infetados com o novo coronavírus 33 dos 34 utentes do Lar de São Torcato, em Guimarães.

Um dos utentes encontra-se internado. Os demais 32 estão assintomáticos e em isolamento nas instalações do lar.

Além dos 33 utentes, estão também infetados nove funcionários, apurou a RTP.

16h02 - Supremo Tribunal Administrativo dá luz verde a "medidas de contro da pandemia"


O Executivo adianta ter sido notificado, esta segunda-feira, de "um Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo que considerou que as medidas de controlo da pandemia aprovadas pelo Governo são conformes à Constituição".

"Estava em causa um pedido de declaração de inconstitucionalidade das normas que proíbem ajuntamentos de mais de dez ou 20 pessoas em espaço público, as quais, alegadamente, violariam o direito fundamental a organizar e participar em reuniões de amigos e família, corporizadas em jantares, tertúlias, sessões lúdicas ou piqueniques", lê-se na mesma nota remetida às redações.

"O Supremo Tribunal Administrativo considerou que, além de o Governo ser competente para a sua aprovação, as medidas adotadas são conformes à Constituição, por um lado, pela natureza de excecionalidade da situação que atualmente se vive e pelo seu caráter temporário e, por outro lado, pela existência de uma concreta cadeia ininterrupta de legitimação democrática para as mesmas", prossegue o texto.

O Supremo Tribunal Administrativo confirmou, ainda segundo o comunicado do Governo, que o país dispõe de um "quadro legislativo parlamentar adequado e necessário a um Estado de Direito de emergência sanitária, ou seja, um quadro legislativo de habilitação das medidas administrativas de emergência" E que este é “compaginável com a dinâmica de uma situação de crise de saúde pública e com a adoção das medidas adequadas para a sua contenção e mitigação".

"Afirmou igualmente que as medidas em causa correspondem à implementação em Portugal das recomendações da Organização Mundial da Saúde, sendo que a eficácia do combate a um fenómeno como uma pandemia, num mundo globalizado e onde existe uma rápida e ampla mobilidade de pessoas, [impõe] a adoção de medidas ágeis por todos os Estados-membros e em «quase simultaneidade”.

"Por outro lado, o Supremo Tribunal Administrativo considerou ter razão o Governo em todos os fundamentos que apresenta para sustentar a conformidade constitucional da medida administrativa de proibição de ajuntamentos em espaço público de mais de dez ou 20 pessoas, consoante a situação em vigor em cada local. Considera, assim, que a medida é adequada, necessária e proporcional, bem como que respeita as exigências impostas pelo princípio da igualdade", remata o comunicado.
A ação
Um empresário residente no Algarve apresentou na semana passada uma ação judicial urgente de intimação para proteção de direitos, liberdades e garantias, alegando que as limitações de reuniões impostas devido à pandemia violavam a Constituição Portuguesa e os Direitos Humanos.

O empresário Oren Avital, da área informática de software, afirmou ter ficado "desiludido" com a democracia portuguesa - cuja "qualidade" fora uma das razões para escolher Portugal para residir há cerca de dois anos - após o Governo ter tomado decisões para limitar o número de pessoas participantes em reuniões, numa "violação dos Direitos, Liberdades e Garantias previstos na Constituição".

15h47 - Guiné-Bissau com mais 28 casos aumenta total acumulado para 2.303

A Guiné-Bissau registou na última semana mais 28 casos de covid-19, aumentando o total acumulado para 2.303, segundo o Alto Comissariado para a Covid-19.

Entre os dias 06 e 12 foram registados mais 28 casos e realizados 1.828 testes no país, segundo o balanço semanal sobre a evolução da pandemia provocada pelo novo coronavírus na Guiné-Bissau.

Segundo os dados disponibilizados pelo Alto Comissariado, permanecem ativos no país 786 casos e há 1.472 pessoas recuperadas da covid-19.

O número de vítimas mortais permanece nos 39 à semelhança da semana passada.

Por regiões, o Setor Autónomo de Bissau continua a ser o que regista mais casos com um total acumulado de 1.993 casos, seguido de Biombo com 135 casos, Bafatá com 52, Cacheu com 42, Quinara com 37, Oio com 20, Farim com 11, Tombali com nove, Gabu com três e Bolama com um.

15h37 - Maioria das escolas com falta de profissionais e sem distanciamento

O ano letivo vai arrancar com falta de funcionários e docentes na maioria das escolas portuguesas, segundo um levantamento feito pela Federação Nacional de Professores (Fenprof), que aponta que mais de metade também não consegue assegurar distanciamento físico.

Segundo os resultados apresentados hoje pelo secretário-geral da Fenprof, 91% dos 321 agrupamentos e escolas não agrupadas inquiridos na semana passada revelaram ter falta de assistentes operacionais (AO), um problema que, lembra Mário Nogueira, é antigo.

Em cerca de 20% das escolas, os diretores revelaram ter uma carência superior a 10 trabalhadores e em 42,8% o número de AO em falta é de entre cinco a uma dezena.

"São problemas estruturais que as escolas já tinham e a que este, como governos anteriores, não deram resposta, mas que agora, na fase em que vivemos de pandemia e de cuidados acrescidos, ganhou ainda maior importância", referiu o dirigente sindical.

Segundo o dirigente sindical, que falava aos jornalistas junta à entrada da Escola EB 2,3 Marquesa de Alorna, em Lisboa, no total, as escolas públicas precisam de ser reforçadas com mais cerca de 5 mil AO e o reforço do Governo de 500 trabalhadores é insuficiente.

O problema, acrescenta, é ainda mais preocupante, tendo em conta as exigências acrescidas de higiene impostas à escola para o próximo ano, devido à pandemia da covid-19.

"Lembremo-nos que, quando o [ensino] secundário abriu, aquilo que foi dito foi que a limpeza era de tal ordem exigente que os AO tiveram formação com membros das forças armadas. Agora chegamos ao momento em que dizemos que podem ser os professores a ter de fazer essa limpeza", lamentou.

Por outro lado, a falta de profissionais nas escolas estende-se também aos professores e 75% dos diretores inquiridos pela Fenprof revelaram que na semana anterior ao início do ano letivo continuavam a faltar docentes.

"Este é um problema que pode ser ainda mais grave do que no ano passado", alertou, referindo que no próximo ano muitos professores não poderão dar aulas por fazerem parte de grupos de risco para a covid-19.

Os resultados revelam ainda que em 61% dos agrupamentos o reforço de recursos humanos direcionado aos alunos com necessidades educativas especiais não se verificou, bem como o reforço anunciado de professores para apoiar na recuperação de aprendizagens, que não chegou a 85% das escolas.

15h27 - PR falou com comandante e soube que militares na RCA estão assintomáticos

O Presidente da República falou por telefone com o comandante da força nacional destacada na República Centro-Africana (RCA) e soube que os 88 militares infetados com o novo coronavírus estão assintomáticos.

Esta informação consta de uma nota hoje publicada pela Presidência da República após o Estado-Maior-General das Forças Armadas ter divulgado que pelo menos 88 dos 180 militares portugueses que integram a missão da ONU na RCA estão infetados com o novo coronavírus, mas encontram-se bem.

Segunda a nota hoje publicada no portal da Presidência da República na Internet, o chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas, Marcelo Rebelo de Sousa, "contatou via telefone com o comandante da força para se inteirar da situação no terreno", após ter sido "informado no sábado" desta situação.

"Os militares encontram-se a cumprir a quarentena e estão assintomáticos", lê-se na mesma nota.

No comunicado do Estado-Maior-General das Forças Armadas refere-se que os militares infetados "estão bem e apresentam bom prognóstico, permanecendo dentro da sua base em Bangui (Campo M`Poko) em isolamento", com "acompanhamento da equipa médica da força e em estreita articulação com as estruturas da saúde militar" em Portugal.

Todo o contingente português fez testes e os restantes 92 efetivos apresentaram resultado negativo, segundo o comunicado.

Portugal tem presença militar na RCA desde o início de 2017. Neste momento, está naquele país a 7.ª força nacional destacada, constituída por 180 militares, integrada na Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA).

15h10 - Cientistas britânicos testam vacinas que podem ser inaladas e não injetadas

Cientistas britânicos iniciaram um estudo com duas vacinas experimentais contra o vírus que provoca a covid-19, admitindo-se a hipótese que possam funcionar melhor quando inaladas por pessoas em vez de injetadas.

Em comunicado, investigadores do Imperial College de Londres e da Universidade de Oxford revelaram que o ensaio, envolvendo 30 pessoas, vai testar vacinas desenvolvidas por ambas as instituições e em que os participantes inalam as gotas nas suas bocas, tendo como alvo direto os seus sistemas respiratórios.

Outros estudos das vacinas do Imperial Colege e da Universidade de Oxford já estão em curso, mas este visa verificar se as vacinas podem ser mais eficazes caso sejam inaladas.

"Temos evidências de que a administração de vacinas contra a gripe por meio de um ‘spray’ nasal pode proteger as pessoas contra a gripe e também ajudar a reduzir a transmissão da doença", declarou Chris Chiu, do Imperial College, que está a liderar a pesquisa.

O mesmo responsável sugeriu que esse também pode ser o caso a utilizar contra o coronavírus.

"É fundamental explorarmos se o direcionamento direto às vias aéreas pode fornecer uma resposta eficaz em comparação com uma vacina injetada no músculo", disse Chris Chiu.

O estudo está a recrutar participantes com idades entre os 18 e os 55 anos e pretende começar a vacinar pessoas em Londres nas próximas semanas.

Estudos científicos anteriores demonstraram que as vacinas administradas por inalação requerem doses menores do que as injetáveis, o que pode ajudar a rentabilizar os recursos limitados.

“Pode muito bem ser que um grupo tenha a vacina certa, mas o método de administração errado, e apenas testes como este poderão esclarecer isso”, disse Robin Shattock, que conduz o desenvolvimento da vacina do Imperial College.

A vacina desenvolvida pelo Imperial College utiliza cadeias sintéticas de código genético baseado no vírus. Uma vez injetadas no músculo, as células do próprio corpo são instruídas a fazer cópias de uma "proteína espinhosa" no coronavírus.

Espera-se que, desta forma, acione uma resposta imunológica para que o corpo possa lutar contra qualquer futura infeção por covid-19.

14h55 - Escolas vão fechar se medidas não forem mais exigentes, alerta Fenprof

O secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof) alertou hoje que as escolas vão voltar a encerrar se as medidas não forem mais exigentes, sublinhando que a maioria dos estabelecimentos ainda não tem condições as condições necessárias.

“Nós achamos que nada substitui o ensino presencial, mas se as medidas não forem exigentes, rigorosas, se não forem aquelas que se recomenda para a comunidade, o que vamos ter é rapidamente escolas a fecharem”, sublinhou Mário Nogueira.

O secretário-geral da Fenprof falou hoje aos jornalistas à entrada da Escola EB 2,3 Marquesa de Alorna, em Lisboa, onde apresentou os resultados de um inquérito a 321 agrupamentos escolares, que revelam que a maioria das escolas vai reabrir com falta de funcionários e docentes e não conseguiu implementar algumas das orientações do Ministério da Educação para minimizar o risco de contágio do novo coronavírus.

“As direções das escolas, os professores e quem preparou este ano letivo fez o que era possível e até o quase impossível”, sublinhou, explicando que, no entanto, as escolas não tiveram condições para muitas das medidas necessárias.

O dirigente sindical referia-se, em particular, ao distanciamento físico de, no mínimo, um metro entre alunos, medida que, segundo o levantamento feito pela Fenprof, não foi possível assegurar pela maioria das escolas (52,5%).

Além deste, o representante dos professores apontou outros problemas que ainda se verificam no primeiro dia do arranque do ano letivo, desde a falta de docentes e assistentes operacionais, à falta de verbas para a aquisição de equipamentos de proteção individual e produtos de limpeza e desinfeção.

A resolução destas questões, defendeu Mário Nogueira, é urgente para que as escolas se possam manter abertas. E acrescenta: “A exigência é de quem não quer que as escolas fechem”.

“Aquilo que ainda não está feito, e que foram perdidos dois meses sem ser feito, tem de ser feito agora”, considerou, sublinhando que as mensagens de confiança do ministro da Educação não são suficientes.

“O senhor ministro pode repetir a palavra confiança, a palavra segurança, que não é isso que torna segura a escola e que dá confiança às pessoas. São precisas as medidas que até agora não foram tomadas”, sublinhou.

Apesar da falta de condições de segurança em muitas escolas, Mário Nogueira afastou que a solução passasse por adiar o início do ano letivo, apelando, em vez disso, à responsabilidade da comunidade educativa, enquanto a tutela não acautelar a situação.

O secretário-geral referiu ainda que, da mesma forma que a decisão de encerrar uma escola em caso de surto cabe às autoridades de saúde locais, as condições na abertura também deveriam ter sido avaliadas por estas, defendendo, por outro lado, a realização de testes à covid-19 antes do regresso às aulas, uma reivindicação da estrutura sindical desde que as escolas secundárias reabriram em maio.

14h45 - Irão com forte aumento conta 156 mortes e 2.619 contágios num dia

As mortes e os contágios pelo novo coronavírus no Irão tiveram um forte aumento nas últimas 24 horas, com o registo de 156 mortes e 2.619 novos contágios, segundo dados oficiais.

Segundo dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde, o aumento, desde domingo, foi de 22% nas mortes e 25% nos contágios, contando até agora o Irão 23.313 pessoas mortas por covid-19 e 404.648 casos confirmados da doença.

A porta-voz do Ministério da Saúde, Sima Sadat Lari, também informou que, nas últimas 24 horas, 1.382 pacientes tiveram de ser hospitalizados e 3.798 estão em estado crítico, admitidos em unidades de cuidados intensivos.

Do total de casos de covid-19 desde o início da pandemia no Irão, em fevereiro passado, 86% já recuperaram.

Treze das 31 províncias estão em estado de alerta, sendo as situações mais graves em Teerão, Isfahan e Qom, esta última a que mais preocupa o Ministério da Saúde.

14h33 - Algarve apresenta dos mais baixos índices de transmissão no continente

O Algarve apresenta um dos mais baixos índices de transmissão (Rt) da covid-19 no conjunto das regiões no continente, apesar do aumento de novos casos nos últimos dias, disse hoje o presidente da Administração Regional de Saúde (ARS).

Na conferência de imprensa quinzenal da Proteção Civil Distrital, em Loulé, Paulo Morgado adiantou que o Rt na região do Algarve é de 1,07, o que significa que cada pessoa infetada contagia, em média, 1,07.

"O Rt do Algarve é um dos mais baixos de todas as regiões do continente", sublinhou, notando que a situação "está relativamente controlada" na região, mesmo apesar de se verificar um aumento diário de novos casos.

Também a delegada de Saúde regional de Faro, Ana Cristina Guerreiro, considerou que a situação no Algarve "é confortável, dadas as circunstâncias", nomeadamente, o facto de ter havido muita mobilidade durante as férias de verão.

Segundo aquela responsável, a mobilidade, a realização de atividades e reencontros familiares -- sobretudo com emigrantes ou pessoas de outras regiões -, são os fatores que mais têm contribuído para o aumento do número de casos.

Atualmente, o maior surto ativo no Algarve está relacionado com a equipa de futebol sénior do Louletano Desportos Clube, detetado no final de agosto e que provocou um total de 47 casos, entre elementos do clube e familiares.

Relativamente a um balanço do número de casos detetados durante o verão no Algarve, Ana Cristina Guerreiro disse que está prevista uma "análise técnica mais aprofundada", mas, no entanto, numa "apreciação inicial", a situação "correu o melhor possível".

"Os nossos casos nos meses de julho e agosto estiveram bastante controlados", frisou, notando que uma das preocupações das autoridades era um aumento de casos pela eventual transmissão do vírus nas praias, o que não se verificou.

Para a época de outono e inverno, a ARS/Algarve está a preparar um reforço das equipas, com a contratação de médicos, enfermeiros, técnicos de diagnóstico e assistentes técnicos e operacionais.

O Algarve tem hoje dez novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

14h22- A mortalidade está sobretudo associada a pessoas com mais de 70 anos

"O padrão em que os novos casos aparecem em pessoas jovens é, de certa forma, protetora em relação à mortalidade", disse Graça Freitas.

14h21 - Secretário de Estado garante que nesta altura não há "pressão sobre o sistema de sáude"

14h19 - Aglomerado de pessoas em Fátima: "a instituição não estaria à espera de ter tanta gente e quando se apercebeu bloqueou as entradas", disse o Secretário de Estado da Saúde.

"Importante é que a 13 de outubro a instituição esteja devidamente prevenida e preparada para garantir a segurança da comunidade e a respeitar as regras da DGS", acrescentou.

14h11 - Segunda vaga? Estamos a ter um aumento do número de novos casos. É difícil dizer se estamos numa segunda vaga, explica Graça Freitas.

14h10 - Guimarães e Vila Nova de Gaia são os concelhos com maior incidência por 100 mil habitantes, disse a Diretora-geral da Saúde

14h09 - Colégio St. Julian's, em Carcavelos, manda alunos para casa após quatro casos positivos

"Há aqui graus de liberdade que podem ser tomados desde que não ponham em causa a saúde pública", disse a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas

14h03 - As autoridades de saúde não abdicam de usar todos os meios legais para evitar a propagação do vírus, disse o secretário de Estado sobre o regresso de público ao futebol.

"Quando o país passa para o estado de contingência, o futebol não pode dar sinais contrários", acrescentou .

14h01 - Sexta-feira foi o dia em que foi realizado o maior número de testes desde o início da pandemia. Foram 21.700 testes em apenas um dia, segundo o secretário de Estado da Saúde.

13h59 - Apenas dez por cento dos novos casos têm idade superior a 70 anos

Mais de 51 por cento ocorrem em pessoas entre os 20 e os 49 anos, indica secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales.


13h42 - Portugal regista 613 novos casos e quatro óbitos

O boletim epidemiológico desta segunda-feira contabiliza 613 novos casos de infeção, quatro óbitos e 116 recuperados. Há ainda mais 493 casos ativos no país, para um total de 18.540.

Três óbitos foram registados na região Norte e um em Lisboa e Vale do Tejo.

O boletim indica também que nas últimas 24 horas foram registados mais 25 doentes internados e quatro nos cuidados intensivos.

A região de Lisboa e Vale do Tejo detém o maior aumento diário de casos confirmados (mais 338 casos), seguindo-se o Norte do país (mais 178).

No total, Portugal conta agora com 64.596 casos confirmados, 1.871 óbitos e 44.185 doentes recuperados.

13h31 - Governo prolonga interdição aos cruzeiros até 30 de setembro

O Governou prolongou hoje, até 30 de setembro, a interdição do desembarque e licenças para terra de passageiros e tripulações dos navios de cruzeiro nos portos nacionais devido à pandemia de covid-19.

12h55 - Covid-19 nas Forças Armadas. 88 militares portugueses infetados

88 militares portugueses integrados na missão das Nações Unidas na República Centro-Africana testaram positivo à Covid-19.

12h37 - 32 pessoas infetados em lar de Guimarães

O lar Irmandade São Torcato, em Guimarães, tem 32 casos positivos de Covid-19, nove dos quais são funcionários. Duas pessoas estão internadas.

O surto terá começado na passada sexta-feira, com uma pessoa a testar positivo.

12h25 - Sporting com sete jogadores infetados com Covid-19

O Sporting tem sete jogadores e um elemento do staff infetados com Covid-19.

12h03 - Costa: "Não podemos continuar a pagar o preço de ter as escolas encerradas"

No dia de arranque do novo ano letivo, o primeiro-ministro visitou a Escola Secundária de Benavente.

O primeiro-ministro sublinhou que a reabertura do ano letivo é fundamental para retomar a normalidade dentro do possível e para prosseguir a vida em "convivência com o vírus", situação que se vai manter até que haja vacina.

António Costa frisou ainda que o país não pode continuar a "pagar o preço" de ter as escolas encerradas, tendo em conta as desigualdades geradas pela ausência do ensino presencial.

11h42 - Número de utentes de lar em Évora internados no hospital sobe para oito

Todos os utentes de um lar ilegal em Évora infetados com covid-19 foram já avaliados no serviço de urgência do hospital da cidade e o número de internados subiu para oito, disse hoje fonte da unidade de saúde.

Fonte do Gabinete de Comunicação do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) indicou à agência Lusa que deram entrada na área dedicada à covid-19 (ADC) do serviço de urgência "todos os 29 utentes e uma funcionária do Lar da Quinta da Sizuda".

A mesma fonte adiantou que já "todos foram avaliados" e que estão agora internados na enfermaria 'covid' oito utentes do lar (mais quatro do que no domingo), nomeadamente dois homens de 87 e 80 anos e seis mulheres de 88, 80, 89, 91, 78 e 80 anos.

Os restantes 21 utentes do lar infetados com covid-19 não têm critério de internamento, pelo que regressaram à instituição, tendo a funcionária também já tido alta hospitalar.

A fonte do Gabinete de Comunicação do HESE assinalou que a unidade hospitalar abriu, durante o passado fim de semana, "um segunda enfermaria 'covid' para dar resposta" ao aumento dos internamentos por covid-19.

Os utentes começaram a ser transportados para o hospital de Évora no sábado à noite para "confirmação de eventuais critérios de internamento" nesta unidade, segundo a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo.

Fonte da ARS do Alentejo indicou à Lusa que os utentes que não necessitam de internamento regressaram temporariamente à instituição e vão ser instalados numa residência de estudantes da Universidade de Évora quando estiverem asseguradas as "condições para a sua transferência".

A Autoridade de Saúde Pública e o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) revelaram no sábado que, do total de 39 pessoas testadas no lar, estavam confirmados os 29 utentes e sete funcionários positivos para a doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2.

O primeiro caso positivo detetado neste lar foi o de um idoso que foi transportado, na quinta-feira, para o HESE, onde fez o teste à doença.

11h22 - Regresso às aulas. Ministério da Educação podia ter feito "melhor preparação"

João Dias da Silva, secretário-geral da FNE, sublinha que há várias escolas em que não vai ser possível manter o distanciamento entre os alunos e que não houve reforço dos operacionais.


11h15 - Registado maior aumento diário de novos casos a nível mundial

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registou, no domingo, um novo recorde diário. Em 24 horas, o número de novos casos de infeção pelo novo coronavírus a nível mundial aumentou em 307.930.

De acordo com a OMS, a Índia foi a principal responsável para este aumento, com o diagnóstico de 94.372 novos casos de Covid-19. Seguem-se os EUA com 45.523 novas infeções e o Brasil, com 43.718.

Tanto os EUA como a Índia reportaram mais de mil óbitos nas últimas 24 horas e o Brasil 874. O número de óbitos a nível mundial aumentou em 5.537, para um total de 917.417.

11h05 - Infantário da Covilhã encerrado "por prevenção"

O jardim-de-infância do Rodrigo, na Covilhã, foi encerrado "por prevenção" na sequência de uma situação de covid-19 que envolve quatro pessoas da mesma família, entre as quais uma criança que frequenta aquele espaço, disse à agência Lusa o presidente da Câmara.

"O jardim-de-infância foi encerrado por cautela e prevenção e, entretanto, os serviços da proteção civil municipal já procederam à desinfeção e higienização das duas salas", referiu Vítor Pereira.

O autarca deste município do distrito de Castelo Branco indicou que a medida vai manter-se até nova reavaliação das entidades de saúde e foi determinada no fim de semana, depois de quatro pessoas da mesma família terem testado positivo para a covid-19.

Segundo adiantou, estão em causa um casal e dois filhos menores, que se encontram estáveis e a cumprir isolamento em casa.

A situação está a ser acompanhada pelas entidades de saúde e a rede de contactos desta família já começou a ser testada, aguardando-se os respetivos resultados.

10h04 - Indonésia com mais 3.141 novos casos

09h50 - Reunião do Grupo de Arraiolos adiada e Festa do Livro em Belém não se realiza este ano. Saiba mais aqui.

08h30 - OMS espera aumento do número de mortes na Europa em outubro e novembro

A Organização Mundial da Saúde (OMS) espera um aumento no número de mortes por covid-19 na Europa durante os meses de outubro e novembro, que serão "mais duros" por causa da pandemia, revelou o diretor regional da organização para a Europa.

"Vai ficar mais difícil. Em outubro e novembro veremos uma mortalidade maior", disse Hans Kluge em entrevista à Agência France Prece (AFP), quando o número de casos registados disparou no velho continente, mas com um número de mortos diário quase estável.

08h15 - Carcavelos. Covid-19 coloca dezenas de alunos de quarentena no colégio Saint Julians

08h10 - Covid-19. Idosos de lar ilegal em Évora foram assistidos, quatro ficaram internados

07h50 - Regresso à escola

As escolas públicas podem começar a abrir portas a partir de hoje e voltar a receber os alunos do 1.º ao 12.º ano, que regressam ao ensino presencial, interrompido em março devido à pandemia de covid-19.

No novo ano letivo, que começa entre hoje e quinta-feira, professores, estudantes e funcionários vão experienciar uma escola diferente, em relação aos anos anteriores, com um conjunto de regras e normas de funcionamento que foram implementadas para ajudar a manter a escola aberta o máximo tempo possível.

Ao contrário do que aconteceu em março, quando todas as escolas foram encerradas para conter a propagação do novo coronavírus, o ensino presencial vai ser a regra e o encerramento uma medida de último recurso, tomada apenas em situações de "elevado risco", segundo a Direção-Geral da Saúde.

Para isso, o uso de máscaras vai ser obrigatório para todos a partir do 2.º ciclo, o distanciamento físico será, sempre que possível, de pelo menos, um metro e entre os diferentes espaços da escola, que serão higienizados frequentemente, estão definidos circuitos de circulação.

Estas são algumas das principais regras que foram definidas pelo Ministério da Educação e pela Direção-Geral da Saúde, mas na organização e funcionamento das escolas, os diretores foram mais além.

07h48 - Polícia Marítima põe fim a festa privada em duas embarcações no Estoril

Uma festa privada que estava a decorrer na madrugada de hoje a bordo de duas embarcações no Estoril, foi interrompida pela Polícia Marítima por o ajuntamento de pessoas ser superior ao permitido no quadro da pandemia covid-19.

Contactada pela agência Lusa, fonte da Autoridade Marítima Nacional indicou que as duas embarcações partiram da marina de Cascais e fundearam juntas em frente ao Estoril, onde foram abordadas pelo comando-local da Polícia Marítima de Cascais.

07h45 - Brasil com mais de quatro centenas de mortos

O Brasil registou 415 mortos e 14.768 novos infetados com covid-19 nas últimas 24 horas, informaram hoje as autoridades de Saúde do país, acrescentando ainda que estão a investigar a relação de 2.474 óbitos com a doença.

O Brasil totaliza agora 131.625 vítimas mortais e 4.330.455 casos confirmados desde o início da pandemia, registada oficialmente no país no final de fevereiro.


Portugal regista mais sete óbitos

O último boletim epidemiológico da DGS revela que Portugal registou mais sete vítimas mortais devido à covid-19, contando também mais 673 casos confirmados. Assim, o país regista perto de 64 mil casos confirmados da doença e um total de 1867 óbitos.

Existem mais 175 pessoas recuperadas, num total de 44 mil pessoas, 452 pessoas estão internadas, sendo que 57 estão nos cuidados intensivos.

A DGS indica que seis mortes foram registadas na região de Lisboa e Vale do Tejo e outra na região do Norte. Em vigilância estão 36.398 contactos, mais 343 em relação a sábado.