Reportagem

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Lusa

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações


22h46 - Brasil tem mais 592 novas mortes e 28.323 novos casos de infeção

O Brasil registou 592 novos óbitos devido à covid-19, informou o Ministério da Saúde este domingo, elevando o total de vítimas para 217.037 pessoas.

Há ainda mais 28.323 casos de coronavírus, com quase 8,9 milhões de pessoas infetadas desde o início do surto, segundo os dados oficiais.

22h31 - Grécia detetou 32 casos da nova variante britânica

A Grécia detetou 32 casos da variante britânica da Covid-19, anunciaram as autoridades de saúde.

Testes laboratoriais de 235 amostras colhidas em pontos de entrada de fronteira, hospitais e pessoas em contato próximo com casos confirmados revelaram que 33 eram positivas para a mutação Β117 do vírus SARS-CoV-2.

As autoridades de saúde disseram que 17 das amostras positivas foram detetadas em Atenas.

22h13 - Noruega estende bloqueio e restrições à região da capital para combater pandemia

O governo norueguês vai estender as restrições e o confinamento na região da capital a partir de segunda-feira, aumentando o número de municípios afetados para 25 dos 10 que foram inicialmente incluídos, disse o ministro da Saúde, Bent Hoeie, este domingo.

Oslo e nove municípios vizinhos impuseram algumas medidas de bloqueio mais duras no sábado, após um surto de uma variante mais contagiosa, identificada pela primeira vez no Reino Unido, fechando todas as lojas não essenciais.

Os 15 municípios que foram adicionados este domingo terão medidas um pouco menos rígidas, no entanto, já que estão localizados mais longe do surto, fechando menos lojas, mantendo o tamanho das turmas das escolas e restaurantes abertos.

"Acreditamos que seja possível impedir a disseminação dessa variante do vírus", disse Hoeie numa conferência de imprensa.

21h56 - Equador aprova o uso da vacina AstraZeneca

O Equador aprovou o uso da vacina contra a Covid-19, desenvolvida pela AstraZeneca Plc e pela Universidade de Oxford, anunciou o Ministério da Saúde.

A vacina da AstraZeneca é a segunda que a Agência Nacional de Regulação, Controlo e Vigilância Sanitária regista. Um programa piloto de vacinação com o medicamento da Pfizer Inc para equipas médicas e em lares de idosos começou na semana passada, quando as primeiras doses chegaram.

"A agência autorizou a importação de aproximadamente cinco milhões de doses da vacina AstraZeneca COVID-19, que serão aplicadas a 2,5 milhões de equatorianos", acrescentou o Ministério em nota. "Isso permitirá ao Equador fortalecer o processo de contenção da doença para obter imunidade de grupo".

21h45 - Joe Biden proibe viagens de e para a África do Sul

O presidente norte-americano vai impor uma proibição à maioria dos cidadãos não americanos que entraram no país vindos recentemente da África do Sul, a partir de sábado, numa tentativa de conter a disseminação da nova variante detetada neste país africano.

21h30 - França com maior aumento de internamentos desde novembro

A França registou o maior aumento no número de internamentos hospitalares por Covid-19 desde de novembro, com o número de pessoas hospitalizadas infetadas aumentando em mais 493 nas últimas 24 horas, revelam dados do Ministério da Saúde.

O número de pessoas em cuidados intensivos também aumentou novamente, de 69 para 2.965, o maior aumento desde o início de novembro.

A França também registou 18.436 novos casos nas últimas 24 horas e 172 novas mortes.

21h09 - Ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, está infetado com novo coronavírus

O Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, "testou positivo à covid-19", informou o Ministério da Defesa Nacional este domingo.

O ministro está "em confinamento, mantendo-se a trabalhar à distância", refere o comunicado.

Gomes Cravinhi é o sétimo ministro português a contrair o vírus.

20h56 - Administração de Biden preocupada com distribuição da vacina para atingir meta

Responsáveis da nova administração norte-americana admitiram hoje que a distribuição da vacina contra a covid-19 será um dos desafios a superar para atingir a meta de 100 milhões doses administradas nos primeiros 100 dias de governo de Joe Biden.

O chefe de gabinete da Casa Branca, Ron Klain, chamou a atenção para a ausência de um plano de distribuição de doses por parte da anterior administração de Donald Trump, que deixou o cargo na última quarta-feira, refere a agência noticiosa espanhola EFE.

"O processo de distribuição da vacina, principalmente fora de lares de idosos e dos hospitais, na comunidade como um todo, não existia realmente quando chegámos à Casa Branca", alertou Ron Klain, em entrevista ao programa "Meet the Press", da estação televisiva norte-americana NBC News.

Segundo o chefe de gabinete de Joe Biden, a forma como os norte-americanos estão a ser vacinados é "caótica e muito limitada" e reconheceu que fornecer doses a toda a população "é um processo difícil".

“Vamos fazer esse trabalho nós mesmos. Vamos montar esses centros federais de vacinação para garantir que, nos estados que não têm postos de vacinação suficientes, serão preenchidas essas lacunas”, acrescentou.

Também a diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, Rochelle Walensky, apontou o fornecimento da vacina como “a restrição mais limitativa desde o início” do processo de vacinação nos Estados Unidos.

"Não temos tantas doses quanto gostaríamos de ter agora para estados como Nova Iorque ou outros estados que afirmam ter ficado sem vacinas", adiantou a especialista no programa "Fox News Sunday" da cadeia Fox News.

Rochelle Walensky manifestou-se confiante de que a produção do fármaco contra a covid-19 "aumentará drasticamente" no final de março e que as autoridades terão mais oferta do que a existente agora no país.

Sobre a meta de 100 milhões de pessoas vacinadas nos primeiros 100 dias do governo de Biden, o responsável da saúde pública, Vivek Murthy, adiantou que "vacinar o maior número possível de americanos" exigirá "muito trabalho".

“Trabalhar para dissipar a desinformação, trabalhar no abastecimento, aumentar os canais de distribuição”, concluiu Murthy, para quem deveriam ser estabelecidos “canais de distribuição”, com unidades móveis ou postos de vacinação com objetivo de mais facilmente chegar a todos os cidadãos.

20h44 - Bruxelas promete braço de ferro para obrigar farmacêuticas a cumprir com entregas

O Presidente do Conselho Europeu garante que a Comissão Europeia vai desencadear todos os mecanismos legais para obrigar as farmacêuticas a cumprir os prazos de entrega de vacinas contra a covid-19. Esta semana registaram-se quebras de distribuição em vários Estados-Membros, incluindo Portugal, que esperavam doses da vacina da Pfizer. A Astrazeneca também já avisou que não vai conseguir cumprir os prazos inicialmente definidos.


20h30 - Ex-Presidente boliviano Evo Morales termina tratamento de duas semanas

O antigo Presidente boliviano Evo Morales foi autorizado a deixar hoje a clínica privada onde esteve em tratamento duas semanas depois de ter sido infetado com o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

"Sinto-me bem mas ainda tenho um pouco de tosse", disse Evo Morales numa conferência de imprensa, na qual também apelou à população para respeitar as medidas preventivas para evitar o contágio.

Um dos médicos que o acompanhou disse que o antigo Presidente não tem "nem complicações graves nem sequelas pulmonares", mas recomendou uma convalescença de duas semanas para assegurar uma recuperação total.

20h14 - Restrições pandemia. Detidos manifestantes na Dinamarca e Países Baixos

Pelo menos 30 pessoas foram detidas na Dinamarca e nos Países Baixos. Manifestavam-se contra as restrições aplicadas pelos dois países devido à pandemia.


19h52 - Cabo Verde com mais 75 infetados e três mortos em 24 horas

As autoridades sanitárias cabo-verdianas diagnosticaram mais 75 infetados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, e três mortos, elevando para 13.489 os casos acumulados desde 19 de março, segundo dados divulgados hoje pelo Ministério da Saúde.

Em comunicado, aquele ministério referiu que os laboratórios de virologia do arquipélago processaram 665 amostras desde sábado, com o concelho da Praia, capital do país, a confirmar 34 infetados (em 284 amostras), contando agora com 235 casos ativos.

19h41 - Ordem dos Médicos acusa Governo de passar "mensagem mentirosa"

A secção regional do centro da Ordem dos Médicos acusa o Ministério da Saúde de estar a passar uma "mensagem mentirosa". Na fase mais crítica da pandemia em Portugal, os números atuais só mostram a ponta do icebergue, avisam os especialistas.
Entretanto, a RTP sabe que foi adiada a reunião no Infarmed entre os especialistas em saúde e o Governo prevista para a próxima terça-feira.

19h25 - Madeira reporta 85 novos casos e um total de 1.903 ativos

A Madeira registou hoje 85 novos casos de covid-19, totalizando 1.903 situações ativas, 95 doentes recuperados e 78 pessoas internadas no hospital do Funchal, informou a Direção Regional de Saúde.

“Hoje há 85 novos casos positivos a reportar, pelo que a Região Autónoma da Madeira passa a contabilizar 4.395 casos confirmados de covid-19 no território regional” desde o inicio da pandemia, menciona o boletim epidemiológico divulgado pela autoridade regional de saúde.

18h55 - Israel proíbe voos internacionais para conter a disseminação do vírus

Israel vai proibir voos de passageiros dentro e fora do país na a prtir de segunda-feira, com o objetivo de impedir a disseminação das novas variantes do coronavírus.

18h46 - A Itália tem mais 299 mortes e 11.629 casos de infeção

A Itália relatou mais 299 mortes devido à covid-19 este domingo e mais 11.629 novas infeções.

18h41 - Angola regista 32 novos casos e duas mortes

Angola registou 32 novos casos positivos de covid-19, totalizando 19.339 casos desde março passado, mais dois óbitos e 17 pessoas recuperadas, todas em Luanda, anunciaram hoje as autoridades sanitárias.

O boletim epidemiológico da Direção Nacional de Saúde Pública angolana, hoje divulgado, refere que os novos casos positivos foram registados nas províncias de Luanda, Cabinda, Lunda Sul, Benguela, Zaire, Uíge e Cuanza Norte.

De acordo com as autoridades sanitárias angolanas, os laboratórios processaram, nas últimas 24 hroas, 1.903 amostras por RT-PCR e o cumulativo aponta para 350.822 amostras processadas com uma taxa de positividade de 5,5 por cento.

18h32 - Sérvia relata primeiro caso de nova variante do coronavírus

Foi detetado na Sérvia a nova variante britânico da covid-19 numa mulher que chegou de Londres, disse o presidente Aleksandar Vucic no domingo.

18h20 - Vacinação em alguns corpos de bombeiros do distrito de Coimbra motiva duras críticas

O presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Coimbra (FBDC) considerou hoje "uma vergonha" que já existam bombeiros vacinados no distrito, quando a maioria das corporações não sabe a data da vacinação dos seus operacionais.

"Isto é uma verdadeira vergonha e um escândalo o que está a acontecer. Infelizmente, mais uma vez, se vem provar que o sistema das cunhas funciona e que não há uma política a nível distrital para resolver estas coisas", criticou Fernando Carvalho.

O dirigente diz que não tem "mais adjetivos para qualificar aquilo que se está a passar a nível distrital".

18h00 - Estados Unidos ultrapasam os 25 milhões de infetados

Os Estados Unidos ultrapassaram hoje a barreira dos 25 milhões de pessoas infetadas com o vírus da covid-19 e chegaram aos 417.538 mortos, continuando a ser o país mais afetado pela pandemia a nível global.

De acordo com a Efe, que cita os números da Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos registaram até hoje 25.003.695 casos confirmados de covid-19 pelas 16:00 de Lisboa, o que representa 25,2 por cento do total mundial.

No que diz respeito ao número de mortos, os Estados Unidos registam praticamente o dobro dos óbitos no Brasil, que com 216.445 mortes ocupa o segundo lugar das estatísticas.

17h53 - Polícia e manifestantes em confronto na Holanda devido ao confinamento

A polícia holandesa entrou hoje em confronto com manifestantes que protestavam nas cidades de Amesterdão e Eindhoven contra o confinamento do país, um dia depois de jovens terem incendiado um centro de testes de despiste de covid-19.

Na capital Amesterdão, a polícia recorreu a canhões de água numa das principais praças da cidade para dispersar os manifestantes que participavam no protesto que não tinha sido autorizado pelas autoridades.

Também na cidade de Eindhoven, as autoridades policiais usaram um canhão de água e gás lacrimogéneo para dispersar as centenas de manifestantes, que incluía apoiantes do grupo de extrema-direita e anti-imigração PEGIDA.

A polícia de Eindhoven adiantou, ao final da tarde, ter feito pelo menos trinta detenções e alertou a população para não se deslocar para o centro da cidade, onde decorreram os confrontos.

Não há, até agora, relatos de feridos.

Este foi o segundo domingo consecutivo em que a polícia entrou em confronto com os manifestantes em Amesterdão, que protestam contra as medidas de confinamento e o recolher obrigatório em vigor para conter a pandemia de covid-19.

17h45 - Itália vai processar farmacêuticas por atraso nas entregas das vacinas

Itália vai entrar com ações judiciais contra as farmacêuticas Pfizer Inc e a AstraZeneca por atrasos nas entregas das vacinas para garantir as doses acordados, anunciou o chanceler Luigi Di Maio no domingo.

"Estamos a trabalhar para que o nosso plano de vacinas não mude", disse Di Maio à televisão estatal RAI.

Já no sábado, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, disse que os atrasos no fornecimento das vacinas eram "inaceitáveis" e representavam uma grave violação das obrigações contratuais, acrescentando que a Itália usaria todas as ferramentas legais disponíveis.

17h26 - Mais oito mortes em Moçambique

O Ministério da Saúde (Misau) de Moçambique anunciou hoje mais oito mortes por covid-19 e mais 790 casos de infeção pelo novo coronavírus.

As mortes anunciadas, todas de pessoas de nacionalidade moçambicana, aconteceram entre sexta-feira e hoje, esclareceu o Misau. Moçambique passa a ter um total acumulado de 305 mortes e 32.418 casos, dos quais 63 por cento recuperados.

O número de internados continua a subir, colocando pressão sobre os serviços de saúde, com um total de 232 doentes em centros de internamento de covid-19 e noutras unidades hospitalares (78 por cento destes pacientes encontram-se em Maputo).

17h18 - Sobe para 17 total de óbitos na Misericórdia de Viana do Alentejo

O número de óbitos no surto de covid-19 num dos edifícios do Lar da Misericórdia de Viana do Alentejo (Évora) aumentou para 17, disse hoje à agência Lusa o provedor da instituição, Rui Pão Mole.

O responsável explicou hoje que, desde o anterior balanço, no dia 20, o total de mortes de utentes neste surto, que está ativo no Edifício Rossio desta santa casa da misericórdia, passou de oito para 17.

Só nos últimos dias, morreram quatro utentes devido à doença provocada pelo novo coronavírus, um na sexta-feira e três no sábado. Além dos 17 óbitos diretamente relacionados com o surto, o provedor indicou que um "outro utente que tinha estado infetado com covid-19 e já tinha recuperado acabou por falecer, devido a outras patologias".

Este surto de covid-19 na Misericórdia de Viana do Alentejo infetou um total de 62 idosos, incluindo os que morreram, e 20 funcionárias.

17h09 - Pessoas vacinadas também podem transmitir Covid-19, alerta médico do governo britânico

As pessoas que já foram vacinadas contra a Covid-19 ainda podem transmitir o vírus para outras e devem continuar a seguir as regras de distanciamento social, advertiu o médico da Jonathan Van-Tam.

Num artigo no jornal Sunday Telegraph, Van-Tam enfatizou que os cientistas "ainda não sabem qual é o impacto da vacina na transmissão".

Segundo o conselheiro do governo de Boris Johnson, as vacinas oferecem "esperança". Mas, "nenhuma vacina nunca foi" 100 por cento eficaz. Portanto, segundo o especialista, não há garantia de proteção.

É possível contrair o vírus no período entre duas a três semanas após receber a inoculação, disse. Além disso o médico considera que é "melhor" esperar "pelo menos três semanas" para que uma resposta imunológica se desenvolva totalmente em pessoas mais velhas.

"Mesmo depois de receber as duas doses da vacina, ainda pode transmitir a Covid-19 a outra pessoa e as cadeias de transmissão vão continuar a existir", continuou o professor Van-Tam.

"Se mudarem o comportamento, ainda podem espalhar o vírus, manter o número de casos elevado e colocar em risco outras pessoas que também precisam da vacina, mas estão mais atrás na fila".

16h54 - Egito lança campanha de vacinação com prioridade para profissionais de saúde

O Egito tornou-se hoje no primeiro grande país africano a lançar uma campanha de vacinação contra o novo coronavírus, com as primeiras vacinas da farmacêutica estatal chinesa Sinopharm a serem administradas a profissionais de saúde na cidade de Ismaília, na margem ocidental do Canal de Suez.

Segundo o ministro da Saúde, Hala Zayed, o país vai dar prioridade à vacinação de profissionais de saúde em 40 hospitais dedicados a isolar e tratar doentes da covid-19.

No Egito, a segunda prioridade na vacinação contra a covid-19 são os idosos e aqueles que sofrem de doenças crónicas, disse Zayed, sem avançar um prazo para vacinar toda a população.

O ministro da Saúde afirmou ainda que os cidadãos vão receber as duas doses da vacina em 21 dias, de acordo com a agência de notícias Associated Press.

16h47 - Israel inclui adolescentes em campanha de vacinação

Israel expandiu a campanha de vacinação este domingo para incluir jovens dos 16 aos 18 anos, iniciativa o governo descreveu como um esforço para permitir a participação nos exames escolares.

16h35 - Suécia proíbe entrada de pessoas que viajam da Noruega

A Suécia anunciou hoje que vai interromper temporariamente todas as entradas de estrangeiros que chegassem da Noruega a partir da meia-noite, numa tentativa de impedir a propagação da nova variante do coronavírus detetada pela primeira vez no Reino Unido.

O ministro do Interior, Mikael Damberg, disse numa conferência de imprensa que a proibição de entrada, com isenções para passageiros e alguns outros grupos, duraria até 14 de fevereiro.

A decisão surge um dia depois de a Noruega ter imposto algumas de medidas mais duras em vários municípios, após um surto da nova variante do coronavírus.

16h20 - Hospital Garcia de Orta apela à população para recorrer ao centro de saúde em caso de doença

O Hospital Garcia de Orta (HGO), num comunicado enviado este domingo, apelou à população dos Concelhos de Almada e Seixal, para, que em caso de doença, "recorra em primeiro lugar ao Médico de Família/Centro de Saúde".

"Em caso de sinais e sintomas, compatíveis com doença respiratória, a população deve dirigir-se primeiro às áreas dedicadas para doentes respiratórios – ADR - dos Centros de Saúde - reservando as situações mais complexas, graves, agudas e urgentes para serem assistidas no hospital".

A nível local, dos concelhos de Almada e Seixal, este hospital "conta beneficiar com o prolongamento de horário das áreas dedicadas a doentes respiratórios – ADR – dos ACES, nomeadamente do Laranjeiro e do Seixal, com disponibilidade atual até às 20h00, de segunda a domingo".

O Hospital Garcia de Orta sublinha ainda que foi verificado, novamente, "um crescimento dos doentes internados em enfermaria, positivos para a infeção por SARS-COV-2, ajustando uma vez mais a lotação afeta à COVID-19, de modo a acomodar a necessidade do número de doentes internados positivos por infeção por SARS-COV-2".

"O Hospital Garcia de Orta regista hoje, dia 24 de janeiro de 2021, um total de 204 doentes positivos por infeção por SARS-COV-2, dos quais 177 estão internados em enfermaria, 19 doentes em Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e 8 doentes internados em Unidade de Hospitalização Domiciliária (UHD)".

A taxa de ocupação deste hospital é de 309 por cento, este domingo, relativamente ao que previa o Plano de Contingência, nomeadamente de 66 camas em enfermaria e 9 de cuidados intensivos, destinadas a doentes positivos para SARS-CoV-2.

16h05 - Pandemia já matou quatro ministros no Zimbabué

O número de ministros do Zimbabué que morreu devido à pandemia de covid-19 subiu hoje para quatro, três deles nas últimas duas semanas, informaram as autoridades deste país africano que faz fronteira com Moçambique.

"A pandemia não faz distinção, não há espetadores nem juízes, ninguém está mais a salvo que outros, não há super-homens nem super-mulheres, estamos todos expostos", disse o Presidente, Emmerson Mnangagwa, num discurso feito na televisão nacional, no qual anunciou a morte do ministro.

Na semana passada, Mnangagwa presidiu ao funeral de outro ministro, que se seguiu ao ministro dos Negócios Estrangeiros e dos Transportes, numa "colheita sangrenta" que levou também vários membros do Parlamento e mostra a aceleração dos contágios neste país, segundo relata a AP.

16h00 - Mais de 5.000 pessoas em quarentena em Taiwan depois de identificado surto num hospital

Mais de 5.000 pessoas vão ter de ficar em isolamento profilático em Taiwan, na China, para conter um surto identificado num hospital, anunciou o ministro da Saúde este domingo.

Embora Taiwan tenha mantido a pandemia cntrolada graças à prevenção precoce e eficaz, sendo a grande maioria dos seus 890 casos de infeções importados, desde 12 de janeiro tem tentado gerir uma pequena cadeia de transmissões que começaram num hospital.

15h47 - Ministério da Educação já divulgou lista de escolas para acolher filhos de trabalhadores de serviços essenciais

De norte a sul do país há cerca de 700 escolas que vão estar abertas para acolher os filhos ou outros dependentes de trabalhadores de serviços essenciais.

Em comunicado, a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares a divulgou a lista das escolas de acolhimento "para filhos e outros dependentes dos trabalhadores de serviços essenciais e que servirão refeições aos alunos abrangidos por apoios no âmbito da Ação Social Escolar".

A partir de segunda-feira, dia 25 de janeiro, "as escolas continuam assim a cumprir uma função social imprescindível, em todo o território, garantindo diariamente às crianças e jovens que o necessitem acolhimento ou uma resposta alimentar adequada", esclarece a nota.

15h41 - Guiné-Bissau regista mais dois casos positivos

A Guiné-Bissau registou no sábado mais dois casos positivos de covid-19 e diminuiu o número de casos ativos no país para 62, depois de ter registado 14 recuperados, anunciou hoje o Alto Comissariado para a Covid-19.

Segundo dados divulgados no boletim diário, no sábado foram detetados mais dois casos positivos. O boletim diário indica também que há 62 casos ativos no país e o registo de mais de 14 recuperados, elevando o total para 2.420.

O número de vítimas mortais mantém-se nos 45.

15h34 - Registados mais 36 doentes nos Açores em 24 horas

O arquipélago dos Açores registou, nas últimas 24 horas, 36 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, segundo revela o comunicado da Autoridade de Saúde Regional hoje divulgado.

De acordo com a fonte, no período em causa foram feitas 1.313 análises efetuadas nos laboratórios de referência na região e nos laboratórios privados com convenção com o Serviço Regional de Saúde.

Os 36 novos casos registados dividem-se entre São Miguel (26), Terceira (cinco) e Faial (cinco).

15h30 - Madeira. Diretor regional da saúde apela a mudança de comportamentos

O diretor regional da saúde da Madeira diz que os atuais números da pandemia no arquipélago são preocupantes e que só a mudança de comportamentos pode ajudar a vencer o vírus.
Herberto Jesus garantiu à RTP que há um reforço de meios humanos nas equipas que seguem as cadeias de transmissão.

15h24 - Presidente do Conselho Europeu pede "transparência" a empresas farmacêuticas

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, pediu hoje que as empresas farmacêuticas sejam "transparentes" sobre os motivos dos atrasos na entrega das vacinas contra a covid-19 anunciados pela AstraZeneca e Pfizer.

"O que pedimos a estas empresas é um diálogo transparente", declarou Charles Michel no programa "Le Grand Rendez-vous" da rádio francesa Europe 1.

"É certo (…), que pretendemos fazer cumprir os contratos que foram validados pelas empresas farmacêuticas", afirmou, acrescentando: "Vemos que temos de arregaçar as mangas e lutar para ter clareza sobre as razões pelas quais foram anunciados atrasos".

"Mas quando os atrasos de várias semanas foram anunciados pela Pfizer, reagimos com firmeza, batemos com os punhos na mesa e, finalmente, os atrasos anunciados de várias semanas foram reduzidos", disse.

Charles Michel, no entanto, mostrou compreensão das dificuldades industriais encontradas pelos laboratórios.

15h15 - Hospital de Évora apela com urgência a reforço de profissionais de saúde

O Hospital de Évora precisa com urgência de mais profissionais de saúde.
O apelo é feito a médicos e assistentes operacionais, mas sobretudo aos enfermeiros.

O número de doentes internados com covid 19 já chegou à centena.

14h55 - Especialistas. Números só mostram ponta do iceberg


14h40 - Portugal com mais 275 mortos e 11.721 casos de infeção

Portugal volta a registar um novo máximo de óbitos devido à Covid-19, 275. O número de novos casos de contágio com o SARS-CoV-2 também aumenta mas é ligeiramente inferior ao dos últimos dias, 11.721 em 24h00.

Na sexta-feira, o país tinha registado novos máximos de casos e mortes, com 274 óbitos e 15.333 novas infecções por SARS-CoV-2.

O país conta, assim, com um total de 636.190 infecções confirmadas e 10.469 óbitos.

Segundo boletim epidemiológico deste domingo da Direção-Geral da Saúde (DGS), estão internadas 6.117 pessoas (mais 195), das quais 742 em unidades de cuidados intensivos (22mais).

Nos cuidados intensivos estão 742 doentes, mais 22 do que no boletim de ontem, e recuperaram da doença nas últimas 24 horas, 5.167 pessoas.

Portugal tem, neste momento, 169 mil 230 casos ativos, mais 6.279 em relação ao boletim de ontem.

14h30 - Ordem dos Médicos. "O SNS precisa de ajuda" e de mais profissionais
14h00 - Reunião do Infarmed prevista para terça-feira foi adiada
13h15 - Ordem dos Advogados denuncia indefinição nos tribunais

A Ordem dos Advogados (OA) denunciou hoje a indefinição que se vive nos tribunais depois do anúncio da suspensão dos prazos processuais não urgentes ter sido feito antes da lei que o permite estar aprovada.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a OA frisa que o anúncio levou alguns magistrados a cancelarem imediatamente as diligências e outros a recusarem fazê-lo, pelo que apela à rápida aprovação da legislação necessária.

Aquele organismo, que tem como bastonário Luís Menezes Leitão, frisa que o anúncio realizado na quinta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, apontava que a suspensão dos prazos processuais nos processos não urgentes teria início no dia 23 de janeiro, enquanto o comunicado do Conselho de Ministros referia a aprovação de uma proposta de lei, a submeter à Assembleia da República.

Lembrando que, efetivamente a organização judiciária é matéria da competência do parlamento e que a suspensão dos prazos e diligências não pode ser decretada sem lei que a estabeleça, a OA garante que o anúncio governamental "suscitou bastante perturbação no funcionamento dos tribunais".

"Alguns magistrados cancelaram imediatamente as diligências marcadas para esse dia, enquanto outros se recusaram a fazê-lo, devido à falta de previsão legal, nem sequer aceitando pedidos de suspensão da instância apresentados conjuntamente pelas partes", refere.

Por outro lado, diz a OA, "esse anúncio suscitou dúvidas aos advogados relativamente a uma futura suspensão de prazos, cuja data ainda se desconhece, o que perturbou consideravelmente a organização do seu trabalho".

12h40 - Pandemia já matou 2.121.070 pessoas no mundo

A pandemia do novo coronavírus matou pelo menos 2.121.070 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um levantamento realizado pela agência de notícias AFP a partir de fontes oficiais até às 11:00.

No mundo, pelo menos 98.689.590 casos de infeção devido ao SARS-CoV-2 foram oficialmente diagnosticados desde o início da epidemia.

Os números são baseados em levantamentos diários das autoridades de saúde de cada país e excluem revisões de institutos de estatísticas, como a Rússia, a Espanha e o Reino Unido.

No sábado, 14.364 novos óbitos e 579.278 novos casos foram registados em todo o mundo.

Os países que registaram o maior número de novas mortes em seus levantamentos mais recentes são os Estados Unidos com 3.519 novas mortes, México (1.470) e Reino Unido (1.348).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 417.441 mortes em 24.995.419 casos, de acordo com o levantamento realizado pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 216.445 mortes e 8.816.254 casos, a Índia com 153.339 óbitos (10.654.533 casos), o México com 149.084 mortes (1.752.347 casos) e o Reino Unido com 97.329 óbitos (3.617.459 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 179 mortes por 100.000 habitantes, seguida da Eslovénia (160), da República Checa (144), do Reino United (143) e da Itália (141).

12h30 - IPG com aulas à distância e meios digitais à disposição dos alunos

As quatro escolas do Instituto Politécnico da Guarda (IPG) regressaram ao ensino à distância para garantir a segurança de estudantes, professores, investigadores e funcionários em relação à covid-19, foi hoje anunciado.

A forma como as escolas do IPG irão funcionar nas próximas semanas foi definida na sexta-feira, pelo presidente da instituição, Joaquim Brigas, através do Regulamento de Medidas de Contenção e Minimização do Risco de Infeções pelo Vírus SARS-CoV-2.

Segundo o documento, "os órgãos e os serviços do IPG e as suas unidades orgânicas devem iniciar de imediato a adaptação das suas atividades letivas, não letivas e de investigação, incluindo as avaliações académicas de qualquer natureza e para todos os cursos (CTeSP, licenciaturas, mestrados e pós-graduações), à gravidade da situação pandémica atual", utilizando os métodos, ferramentas tecnológicas e procedimentos já conhecidos e testados anteriormente no ensino à distância.

"Aproveitámos os meses de ensino presencial do final de 2020 e do início de 2021 para alargar e melhorar os equipamentos e as tecnologias digitais de todas as unidades do IPG, única forma de garantir o bom acesso de todos os estudantes às aulas e uma verdadeira equidade de oportunidades educativas", afirma Joaquim Brigas num comunicado hoje enviado à agência Lusa.

12h20 - Novos incidentes na Dinamarca em manifestação contra restrições

Uma manifestação contra as restrições impostas para conter a pandemia, organizada por um grupo radical, em Copenhaga, originou novos incidentes na noite de sábado e resultou em cinco detenções, relataram a polícia e os meios de comunicação locais.

No protesto foi ainda queimado um manequim com a imagem do rosto da primeira-ministra, Mette Frederiksen.

Várias centenas de pessoas reuniram-se ao início da noite antes de marcharem com tochas pela capital dinamarquesa, gritando "liberdade para a Dinamarca, já chega", contra as medidas tomadas para evitar a propagação da covid-19.

O grupo no Facebook chamado "Homens de Negro Dinamarca" organiza, há mais de um mês, manifestações contra a "coerção" e a "ditadura" do semiconfinamento no país.

Apesar do tom radical dos manifestantes, a maior parte da marcha decorreu de forma pacífica, com um forte dispositivo policial. As tensões surgiram à medida que os manifestantes começaram a dispersar, quando foram arremessadas garrafas às forças de segurança.

"Fizemos cinco detenções relacionadas com a manifestação e a desordem que se seguiu", informou a polícia de Copenhaga, no Twitter. Os detidos foram hoje libertados.

11h35 - Reino Unido já vacinou quase seis milhões de pessoas

O Reino Unido já administrou a primeira das duas doses da vacina contra o novo coronavírus em cerca de seis milhões de pessoas, quando o número de mortes no país devido à pandemia está perto dos 100.000.

O ministro de Saúde britânico, Matt Hancock, disse hoje que três quartos dos maiores de 80 anos do Reino Unido receberam uma vacina.

Hancock disse que três quartos dos residentes de lares de idosos também receberam a sua primeira vacina.

Até sábado, quase 5,9 milhões de doses da vacina foram administradas no Reino Unido.

As autoridades de saúde britânicas pretendem vacinar 15 milhões de pessoas, incluindo todas as pessoas com mais de 70 anos, até 15 de fevereiro.

11H15 - Ordem diz que morreram mais três médicos nos últimos dias

A Ordem dos Médicos (OM) informou hoje que morreram mais três médicos vítimas de covid-19, nos últimos dias, e voltou a apelar ao Governo para que melhore as condições de trabalho para reduzir o risco de infeção.

Depois de expressar uma homenagem pública aos colegas, o bastonário da OM, Miguel Guimarães, também critica que o plano de vacinação contra a covid-19 em Portugal "continue a deixar milhares de médicos de fora desta fase, prejudicando quem está no terreno a salvar vidas".

"Vivemos tempos de grande pesar nacional, com muitos portugueses a perderem a vida todos os dias por causa da pandemia, sejam doentes covid ou não covid, e isso não nos pode nunca sossegar", frisa num comunicado, onde reitera a homenagem aos colegas e dirige "uma palavra especial de gratidão e de solidariedade", às famílias.

O bastonário explica que, no total, chegaram ao conhecimento da Ordem dos Médicos seis óbitos de médicos com covid-19, mas ressalva que só a tutela tem na sua posse dados a nível nacional que permitam saber efetivamente quantos médicos morreram no combate à pandemia.

"Como temos vindo a dizer desde o início, era muito importante que o Ministério da Saúde divulgasse com mais regularidade os números relacionados com o impacto da pandemia nos profissionais de saúde, tanto em termos de infeções como de óbitos ou doentes recuperados", reforça.

Miguel Guimarães também reivindica "medidas mais eficazes que permitam que os serviços de saúde tenham menos pressão e que os médicos e restantes profissionais trabalhem com mais segurança, mais meios e mais equipamentos de proteção, por eles e pelos doentes".

10H57 - Alemanha regista 12.257 novas infeções e aumenta controlo nas fronteiras

A Alemanha registou 12.257 infeções e 349 mortes devido ao novo coronavírus nas últimas 24 horas, quando o Governo aperta o controlo nas suas fronteiras a países com alta incidência de contágios, incluindo Portugal.

Segundo dados atualizados na madrugada de hoje pelo Instituto Robert Koch (RKI), o número de casos positivos desde o anúncio da primeira infeção no país, no final de janeiro de 2020, é de 2.134.936 e o número total de mortes é de 51.870.

O número máximo de infeções foi registado em 18 de dezembro, com 33.777 novas infeções, e o de óbitos, em 14 de janeiro, com 1.244 em 24 horas.

Cerca de 1.807.500 pessoas foram consideradas curadas e o número de casos ativos no país é de cerca de 275.700, segundo o RKI.

10h45 - Detetado sexto surto em lares de Torres Vedras com 40 infetados nos Campelos

Um surto de covid-19 foi detetado no Lar de Santo António, nos Campelos, em Torres Vedras, onde 40 pessoas estão infetadas, sendo este o sexto surto ativo em lares do concelho, informou o município.

O boletim epidemiológico deste concelho do distrito de Lisboa refere que surgiu um surto no Lar de Santo António, nos Campelos, com 40 infetados, dos quais 34 são utentes (dos 40 testados) e seis são funcionários (foram testados 36).

Ao todo, mais de três centenas e meia de infetados continuam ativos e 28 utentes morreram até agora desde que os surtos estão ativos.

10h20 - África regista 778 mortes e 27.316 novos casos em 24 horas

A África registou nas últimas 24 horas mais 778 mortes por covid-19 para um total de 84.637 óbitos, e 27.316 novos casos de infeção, segundo os últimos dados oficiais da pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de infetados é de 3.418.514 e o de recuperados nos 55 Estados-membros da organização nas últimas 24 horas foi de 26.308, para um total de 2.878.234 desde o início da pandemia.

A África Austral continua como a região mais afetada, com 1.623.725 infetados e 44.402 mortos. Só a África do Sul, o país mais atingido pela covid-19 no continente, regista 1.404.839 casos e 40.574 mortes.

O Norte de África é a segunda zona mais afetada pela pandemia, com 1.056.428 infetados e 28.204 vítimas mortais.

A África Oriental contabiliza 351.256 infeções e 6.634 mortos, enquanto na África Ocidental o número de infeções é de 301.565 e o de mortes ascende a 3.814. Na África Central, estão contabilizados 85.540 casos e 1.583 óbitos.

09h50 - Profissionais de saúde começam a ser vacinados no Brasil

O início da vacinação contra a covid-19 no estado de São Paulo, um dos mais atingido pela doença no Brasil, provocou um misto de alívio e gratidão entre os profissionais da área da saúde que estão a ser imunizados.

No Hospital das Clínicas, um complexo hospitalar que tem mais de 20 mil funcionários e faz parte da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), médicos, enfermeiros e outros profissionais da área da saúde relataram alívio e gratidão após receberem a primeira dose da CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, usado para iniciar imunizar os brasileiros.

09h30 - México regista 1.470 novas mortes e 20.057 novos casos de coronavírus

O México registou 1.470 novas mortes pelo coronavírus nas últimas 24 horas, um novo máximo diário no país que contabiliza agora 149.084 óbitos desde o início da pandemia.

Além disso, foram comunicados 20.057 novos casos de coronavírus nas últimas 24 horas.

No total, o México já registou 1.752.347 casos confirmados.

O país, que está a atravessar o segundo pico da pandemia, passou uma semana em que o número recorde de infeções e mortes por covid-19 foi ultrapassado três vezes.

09h20 - Investigador que sequenciou estirpe brasileira alerta para risco de novas mutações

O investigador brasileiro Felipe Naveca, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) na Amazónia, alertou que o novo coronavírus continuará a evoluir se não existir controlo das contaminações, que facilitam novas estirpes mais infecciosas.

"Quando deixamos o vírus circulando livremente com muitos casos acontecendo, você deixa o vírus evoluir mais, você tem mais chance de o vírus continuar evoluindo", disse Naveca à Lusa.

Segundo o microbiologista, que coordenou o sequenciamento genético de uma nova estirpe do SARS-CoV-2 na região amazónica, chamada B.1.1.28 (K417N / E484K / N501Y), que apresenta as mesmas características de mutações mais infeciosas registadas no Reino Unidos e na África do Sul, é urgente conter a transmissão da covid-19.

"Nós tínhamos sequenciado [as estirpes do novo corovírus] até novembro e esta nova variante [estirpe] da Amazónia não tinha aparecido (...) Quando os cientistas japoneses alertaram em 10 de dezembro, comparamos as sequências [genéticas do vírus] deles com as nossas e conseguimos estabelecer que a variante tem origem no Amazonas só que o ancestral [do vírus] que tínhamos sequenciado era muito distante", explicou.

"A diferença da variante que nós conhecíamos para esta variante nova é muito grande. Em algum momento aconteceu uma aceleração da evolução do vírus que não conseguimos identificar exatamente", completou.

09h00 - Apelo de António Costa em dia de eleições

O primeiro ministro apelou esta manhã aos portugueses para respeitarem as regras sanitárias de segurança quando forem votar.

Na rede social Twitter, António Costa lembrou que há quatro regras essenciais a cumprir.

08h55 - Detetados 327 Casos de infeção com SARS-CoV-2 nas cadeias portuguesas
08h40 - Índia com 155 mortes e mais de 14 mil casos nas últimas 24 horas

A Índia registou 155 mortes por covid-19 e 14.894 casos nas últimas 24 horas, informaram hoje as autoridades indianas.

Desde o início da pandemia, a Índia contabilizou mais de 10,6 milhões de casos do novo coronavírus (10.316.786), mantendo-se como o segundo país com mais infeções, atrás dos Estados Unidos.

Com um total de 153.339 mortes, a Índia é o terceiro país do mundo com mais óbitos, a seguir aos Estados Unidos e ao Brasil, de acordo com a contagem da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

08h30 - Timor-Leste regista três novos casos para um total de 17 ativos

As autoridades de saúde timorenses anunciaram hoje mais três casos positivos de covid-19, três cidadãos estrangeiros que entraram em Timor-Leste pela fronteira terrestre no passado dia 20 de janeiro.

Nilton da Silva, um dos coordenadores da equipa de resposta à covid-19 do Ministério da Saúde, disse que se trata de três membros da mesma família.

"Registamos três novos casos positivos nas últimos 24 horas que foram transferidos para o centro de isolamento de Vera Cruz, em Díli onde estão atualmente um total de 17 pessoas", disse.

"Os três pacientes são um homem de 48, uma mulher de 46 e um jovem de 16, uma família que viajou até Kupang e Atambua. Estiveram em autoquarentena e a equipa de vigilância confirmou os testes positivos", explicou.

Os novos casos fazem parte do mesmo grupo de 118 pessoas, timorenses e estrangeiros, que entraram no país, alguns dos quais depois de esperarem até três semanas na zona de Atambua, no lado indonésio da ilha, onde têm aumentado os casos de infeção.

08h20 - Ensino de mais de metade dos alunos do mundo ainda com instabilidade diz UNESCO

Mais de metade da população estudantil mundial ainda tem perturbações significativas no ensino um ano após o eclodir da pandemia de covid-19, com escolas fechadas em 31 países e horários reduzidos em 48, indica a UNESCO.

08h10 - China regista 80  novos casos, incluindo 65 de contágio local

A China registou 80 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, 65 dos quais são contágios locais, informou hoje a Comissão de Saúde do país. 

Foram detetadas infeções locais nas províncias de Heilongjiang (29), Hebei (19) e Jilin (12 e três casos na cidade de Xangai e dois casos na capital, Pequim.

As autoridades chinesas redobraram os esforços para conter os surtos. Várias áreas foram isoladas e estão a ser efetuados testes em massa à população, numa tentativa de refrear a curva dos casos.

As autoridades estão a tentar travar o ressurgimento de surtos na véspera do período de férias do Ano Novo lunar, que decorre entre 11 e 17 de fevereiro de 2021, quando centenas de milhões chineses viajam para os locais de origem.

A Comissão de Saúde da China disse que o número de pessoas infetadas ativas no país se fixou em 1.800.

08h00 - EUA registam 3.519 mortos e 176.581 casos em 24 horas

Os Estados Unidos registaram 3.519 mortos e 176.581 infetados com o novo coronavírus em 24 horas, segundo a contagem independente da Universidade Johns Hopkins.

O país contabiliza agora 24.982.615 casos e 417.337 óbitos por covid-19 desde o início da pandemia.

O estado de Nova Iorque continua a ser o mais duramente atingido pela pandemia com 42.134 mortes, seguindo-se a Califórnia com 36.763.

Recomendações de segurança em dia de eleições

Em dia de eleições Presidenciais, as mesas abriram às 08h00 da manhã e irão encerrar às 19h00. Os eleitores deverão estar de máscara e são aconselhados a ter consigo álcool-gel assim como a sua própria caneta, e manter as distâncias relativamente a outras pessoas.

A Comissão Nacional de Eleições, CNE, apela a que sejam evitados ajuntamentos de forma a que a votação se efetue em toda a segurança e recomenda a quem tenha receios de contágio que coloque o seu documento de identificação dentro de um saco de plástico transparente.

De resto, garante que todas as precauções foram tomadas para garantir a segurança de eleitores e membros das 12.mil mesas espalhadas pelo país.

Neste fim de semana é proibido circular entre concelhos até 5h00 de segunda feira. A medida entrou em vigor às 20h00 da noite de sexta-feira e há apenas uma exceção para este domingo, dia de eleições presidenciais. Quem residir fora do concelho onde está recenseado pode deslocar-se para exercer o direito de voto.
Ponto da Situação 

E Portugal o índice de transmissão em Portugal está em crescimento e acima de 1 há 24 dias. O país continua a bater máximos de contágios e de óbitos. Sábado contabilizaram-se mais 274 mortes com Covid-19 e 15.333 novos casos de infeção com o SARS-CoV-2. Na Ilha de Corvo, Açores, registou-se também o primeiro caso de infeção ao fim de 10 meses.

Desde o inicio da pandemia, já morreram com esta doença 10.194 pessoas em Portugal.

A Região de Lisboa e Vale do Tejo, foi responsável por 40 por cento do total nacional com 6.135 infecções. A região norte registou 4.992 novos casos, correspondentes a 32 por cento do total. Ou seja, Norte e Lisboa, juntos, representam 72 por cento dos novos casos em todo o país.

No Estabelecimento Prisional de Caxias há 104 reclusos e funcionários infetados.

A Ordem dos Médicos afirma que os Hospitais na zona centro, onde a capacidade de acolhimento de doentes Covid já ultrapassou os 93,4 por cento em enfermaria e os 89,6 por cento em UCI, estão à beira da catástrofe e apela a mais meios. Em Lisboa, foi antecipada a abertura do hospital de campanha no Estádio Universitário, com capacidade para acolher 58 pacientes. Sete camas ficaram logo coupadas, com doentes covid oriundos do Hospital Amadora-Sintra e do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures.

No Porto, o Hospital de São João começou a dar a segunda dose da vacina contra a Covid-19 a centenas de profissionais e mais de 200 elementos da Polícia Municipal começaram a reforçar as equipas de fiscalização da PSP. As coimas das infrações às regras de contenção da pandemia passaram a ser pagas na hora.

Em todo o mundo contavam-se mais de 1,2 milhões de mortos com Covid-19.

Espanha registou em 15 dias um aumento de 82 por cento em internamentos e tem quase 4.000 pessoas em UCI. Os funcionários de saúde dizem estar completamente exaustos.

Em Berlim, um hospital foi colocado sob quarentena, depois de ser detetado em 20 pacientes e funcionários a variante inglesa do SARS-CoV-2. A capital da Noruega, Oslo, foi colocada em semi-confinamento e as restrições são as mais apertadas desde o início da pandemia.

O Brasil, onde milhares de pessoas saíram à rua contra a gestão da pandemia por parte do Presidente Jair Bolsonaro, contabilizou mais 1.202 mortes e 62.334 casos. França registou 24.000 novos casos e 230 óbitos com Covid-19. A Guiné-Bissau declarou o estado de emergência.

Sábado completou-se um ano desde que a cidade chinesa de Wuhan, epicentro da pandemia, foi colocada de quarentena. A situação nas ruas eram de completa normalidade, apesar de se registarem novos surtos noutros pontos do país.