Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Reuters

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações



23h55 - O Brasil contabilizou 2.311 mortes devido à covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 496.004 óbitos desde o início da pandemia.

23h35 - Medidas para Área Metropolitana de Lisboa "são inconstitucionais"

O bastonário da Ordem dos Advogados (OA), Luís Menezes Leitão, considerou hoje "claramente inconstitucionais" as medidas sanitárias anunciadas pelo Governo para a Área Metropolitana de Lisboa para conter a pandemia de covid-19.

Numa resposta enviada à Lusa, o bastonário da OA afirma que são "claramente inconstitucionais as medidas anunciadas pelo Governo, no que toca à proibição de circulação de cidadãos sem estar em vigor o estado de emergência".

"Não estando em vigor qualquer estado de emergência, não parece que o art. 19.º, n.º1, da Constituição permita qualquer suspensão dos direitos constitucionais, ainda mais através de um simples regulamento, como o são as referidas Resoluções do Conselho de Ministros", diz Luís Menezes Leitão.

O bastonário refere que em novembro, a OA manifestava em comunicado "muita preocupação" com a "emissão de sucessivas Resoluções do Conselho de Ministros que constituem atos de natureza meramente regulamentar, sem controlo do Parlamento nem promulgação pelo Presidente da República, mas que apesar disso têm vindo a restringir consideravelmente ou mesmo a suspender os direitos fundamentais dos cidadãos".

O Conselho de Ministros anunciou hoje que, para conter o aumento de incidência de covid-19, fica proibida a circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa ao fim de semana, entre as 15h00 de dia 18 de junho e as 6h00 de 21 de junho.

O Governo defendeu que a proibição "tem enquadramento na lei de proteção civil e na lei de saúde pública" devido à situação de calamidade.

"Obviamente que é difícil a explicação e a tomada destas medidas, mas é uma condição que nos pareceu fundamental neste momento para não fazer alastrar a todo o país a situação que se vive em Lisboa", respondeu aos jornalistas a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, no final do Conselho de Ministros.

De acordo com Mariana Vieira da Silva, esta proibição de circulação, no entender do Governo, "tem enquadramento na lei de proteção civil e na lei de saúde pública, estando o país em estado de calamidade como está".

23h18 - EUA apoiam países africanos com 76,4 milhões de euros para ajuda humanitária

Os Estados Unidos da América vão apoiar com 91 milhões de dólares (76,4 milhões de euros) vários países em África, entre os quais Moçambique, para satisfazer as necessidades humanitárias causadas pela pandemia de covid-19.

O diretor-executivo do grupo de trabalho para a covid-19 da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID, em inglês), Jeremy Konyndyk, anunciou hoje, num comunicado, o apoio de 91 milhões de dólares que pretende "fornecer assistência alimentar urgente, cuidados de saúde, água e apoio psicossocial por África, de modo a satisfazer as necessidades urgentes provocadas pela devastadora pandemia de covid-19".

21h39 - Câmara de Lisboa proíbe instalação de écrans no espaço público durante Euro2020

A instalação de écrans no espaço público durante o período do Euro2020 não será autorizada pela Câmara Municipal de Lisboa, tendo em conta a situação pandémica, anunciou hoje o município.

"A Câmara Municipal de Lisboa, tendo em conta a situação pandémica, atenta ao esforço para manter controlados os números de infeções [de covid-19], sobretudo em situações de festejos, e para evitar aglomerações, não autoriza nem autorizará durante o período do Euro 2020 a instalação de écrans no espaço público", lê-se numa nota divulgada pela autarquia.

Segundo o município, esta posição está articulada com as juntas de freguesia da cidade.

No comunicado, a Câmara de Lisboa apela ainda ao "dever de recolhimento de todos" e ao cumprimento das regras sanitárias emanadas pela Direção-Geral da Saúde.

21h23 - Vice-presidente da Comissão Europeia para vacinação em entrevista à RTP

O responsável pela pasta da Saúde e Vacinação reafirma que 14 de julho será a data em que a Europa pode alcançar a imunidade de grupo. Em entrevista à RTP, Margaritis Schinas admite também que vai ser necessário dar uma terceira dose da vacina.

21h20 - Hospitais de Lisboa colocados de prevenção

A ministra da Saúde, Marta Temido, disse hoje que os hospitais da região de Lisboa já foram colocados de prevenção, face ao aumento do número de casos de infeção com o novo coronavírus na região da capital.

"A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo colocou os hospitais de prevenção, para a eventual necessidade de aumentar o número de camas de cuidados intensivos nos próximos dias", disse a ministra aos jornalistas, depois de assistir à apresentação de um estudo sobre serviços farmacêuticos hospitalares, na Ordem dos Farmacêuticos, em Lisboa.

Marta Temido salientou que o aumento de infeções acontece sobretudo em pessoas mais jovens, nas quais a doença de covid-19 tende a ser menos agressiva, mas acrescentou que há agora uma variante da doença "muito mais transmissível", pelo que é natural que "o número desses casos que precise de internamento e que possa ter um desfecho fatal também possa crescer".

A ministra frisou que não é neste momento "grande fator de preocupação" a pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde, sendo sim a saúde individual e da população mais afetada, até porque não se conhecem ainda totalmente as consequências da doença no médio e longo prazo.

"Este é um momento difícil, a pandemia [de covid-19] não acabou e temos mais uma vez que fazer face àquilo que estamos a enfrentar", disse Marta Temido.

21h17 - Lisboa. Número de internamentos por covid-19 quase duplicou em três semanas

Em apenas três semanas o número de internamentos por covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo quase que duplicou.

21h10 - Especialistas acreditam que Lisboa está a passar pela quarta vaga da pandemia

Alguns especialistas garantem que Lisboa está a passar por uma quarta vaga da pandemia e que, em poucas semanas, terá efeitos no resto país.

20h26 - Ministro francês da Saúde pondera vacinação obrigatória de pessoal médico

O ministro francês da Saúde, Olivier Véran, disse hoje que os profissionais de saúde, especialmente os que trabalham em lares de idoso, podem ser obrigados a ser vacinados caso a taxa de vacinação não aumente.

"Não há nada que justifique que sendo profissional da saúde nos lares, uma pessoa não se vacine. Acho que é indispensável e ético vacinar-se quando se trabalha num lar", disse o ministro em entrevista a um canal de televisão francês.

Cerca de 80% do pessoal médico nos hospitais está vacinado, mas apenas 50% dos profissionais de saúde nos lares optaram pela vacina.

20h17 - Consequências da proibição de circulação de e para AML já se fazem sentir

Em Lisboa temem-se consequências da decisão do Conselho de Ministros desta quinta-feira, que já se fazem sentir, principalmente entre os proprietários de restaurantes.

A proibição de circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa é vista como uma medida necessária, mas que vai prejudicar o negócio da restauração este fim-de-semana.

20h12 - "Não é de medidas incoerentes que o país precisa", diz Jerónimo de Sousa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou hoje as medidas sanitárias anunciadas pelo Governo para a Área Metropolitana de Lisboa para conter a pandemia, defendendo que "não é de medidas incoerentes que o país precisa".

"O Governo insiste em fazer das restrições e de confinamentos a sua resposta aos problemas da epidemia. Não é de medidas incoerentes que o país precisa", disse Jerónimo de Sousa no início da sua intervenção num seminário do PCP, em Lisboa, sobre os impactos das políticas da União Europeia.

Para o secretário-geral do PCP, "o que se exige e é indispensável, quer para a retoma da atividade, quer para a defesa da saúde, são medidas que acelerem a vacinação, incluindo com o reforço de meios, o rastreio e a testagem".

"Isso sim, as pessoas perceberiam", reforçou Jerónimo de Sousa.

19h54 - CDS quer debater pandemia no pós-estado de emergência e situação em Lisboa

O CDS-PP leva sexta-feira a debate no parlamento a gestão do combate à pandemia no pós-estado de emergência, para fazer um ponto da situação sobre a vacinação e o agravamento da situação em Lisboa.

No debate, que contará com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Economia, João Neves, Adjunto e da Saúde, António Sales e da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes, o CDS-PP visa fazer uma "avaliação do pós-estado de emergência", passando pelos certificados de vacinação e a recuperação nas áreas da saúde, social e económica.

"Do que é que foi feito de então para cá, do que é que está a acontecer, do que é que correu mal e está a correr muito mal e também de um ou outro aspeto que esteja a correr bem, como é evidente. Desde o fim do estado de emergência não temos este tipo de debates e achamos que este debate faz todo o sentido, designadamente no fecho do ano parlamentar", sustentou, em declarações à Lusa o líder parlamentar do CDS-PP, Telmo Correia.

O grupo parlamentar centrista quer perceber, junto do Governo, "o que é que está a acontecer no país e particularmente em Lisboa", região onde atualmente se concentram a maior parte de novos casos covid-19.

19h26 - Restrições nos Açores sem agravamento apesar de subida de casos na Lagoa

As medidas restritivas de combate à covid-19 nos Açores não serão agravadas na próxima semana apesar do aumento de casos de infeção no concelho da Lagoa (ilha de São Miguel), foi hoje divulgado.

"São alterados apenas os concelhos que baixam o nível de risco", explicou o diretor regional da Saúde, Berto Cabral, numa conferência de imprensa em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, em que foi explicado que as medidas de alto risco se limitam a um concelho do arquipélago (Ribeira Grande).

18h39 - Espanha regista 4.197 novos casos e 19 mortes nas últimas 24 horas

A Espanha registou 4.197 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 3.753.228 o total de infetados até agora, segundo o Ministério da Saúde espanhol.

Os serviços sanitários também notificaram mais 19 mortes atribuídas à pandemia desde quarta-feira, havendo agora um total de 80.634 óbitos.

A incidência acumulada (contágios) continua a sua trajetória descendente, passando de 99 (quarta-feira) para 97 casos diagnosticados por cada 100.000 habitantes.

As comunidades autónomas com os níveis mais elevados são as de Andaluzia (177), La Rioja (155), País Basco (127), Navarra (108), Catalunha (99), Aragão (95) e Madrid (92).

Nas últimas 24 horas, deram entrada nos hospitais de todo o país 313 pessoas com a doença (337 na quarta-feira), das quais 80 na Andaluzia, 58 em Madrid e 53 na Catalunha.

Por outro lado, desceu para 2.959 o número de hospitalizados com covid-19 (3.089), o que corresponde a 2,4% das camas, dos quais 835 pacientes estão em unidades de cuidados intensivos (853), 8,9% das camas desses serviços.

Os serviços do Ministério da Saúde também anunciaram hoje que 13,6 milhões de pessoas já estão completamente vacinadas contra a covid-19 (28,7% da população total), e 22,4 milhões têm pelo menos uma das doses (47,1%), em cerca de 47,3 milhões de habitantes que tem o país.

18h23 - Itália regista 1.325 novos casos e ultrapassa 44 milhões de vacinas administradas

A Itália registou 1.325 novas infeções de covid-19 e 37 mortes nas últimas 24 horas, indicou o Ministério da Saúde, no mesmo dia em que ultrapassou as 44 milhões de doses de vacinas administradas no país.

Com esses dados, a Itália acumula um total de 4.249.755 infetados desde o início da emergência sanitária no pai, em fevereiro de 2020, dos quais 127.190 doentes morreram.

As novas infeções permanecem em mínimos, no nível de setembro de 2020, embora sejam ligeiramente superiores aos 1.325 contágios contabilizados na quarta-feira.

A pressão hospitalar continua a cair, e das 98.608 pessoas atualmente positivas, 2.888 estão hospitalizadas, menos 176 do que na quarta-feira.

Desses, 444 estão internadas em unidades de cuidados intensivos, menos 27 do que na véspera, enquanto a grande maioria está isolada em casa com sintomas ligeiros ou assintomática.

18h11 - Açores integram profissionais de turismo nos grupos prioritários de vacinação

O Governo Regional dos Açores decidiu integrar os profissionais do turismo, nomeadamente taxistas, guias, rececionistas e tripulação da SATA, nos grupos prioritários de vacinação contra a covid-19, anunciou hoje o diretor regional da Saúde, Berto Cabral.

"Decidimos proceder à vacinação de taxistas e de outras pessoas que trabalham no setor do turismo", avançou Berto Cabral, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

A totalidade dos profissionais a integrar neste grupo será identificada ainda pela direção regional de Turismo, mas Berto Cabral deu como exemplo motoristas, guias turísticos e rececionistas.

A Lusa confirmou ainda, junto de fonte oficial, que será dada prioridade também às tripulações da SATA, a companhia aérea açoriana.

"Estamos a entrar na época mais forte do turismo. É notório o aumento da atividade turística na Região Autónoma dos Açores e a exposição a que alguns dos profissionais ficam submetidos. Portanto, em articulação com a direção regional do Turismo solicitámos listas de grupos prioritários", justificou.

17h49 - Reino Unido regista recorde de novos casos desde fevereiro

O Reino Unido registou 11.007 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, um recorde desde 13 de fevereiro, e 19 mortes, de acordo os últimos dados do Governo britânico.

Na quarta-feira tinham sido notificadas nove mortes e 9.055 casos, este valor também um máximo dos últimos meses.

Nos últimos sete dias, entre 11 de junho e hoje, a média diária foi de 11 mortes e 8.404 casos, o que corresponde a uma subida de 41,8% no número de mortes e de 33,7% no número de infeções relativamente aos sete dias anteriores.

A média diária de pessoas hospitalizadas foi de 179 nos sete dias entre 07 e 13 de junho, um aumento de 43% face aos sete dias anteriores.

Estudos de monitorização da universidade Imperial College London publicados hoje mostram que as taxas de contágio estão a aumentar sobretudo em grupos etários que ainda não estão vacinados.

17h30 - Utentes vacinados com uma dose da Astrazeneca vão ser chamados para segunda toma

As pessoas já vacinadas com a primeira dose da vacina da AstraZeneca vão ser chamadas, a partir de hoje, para receber a segunda dose da vacina contra a covid-19, cujo intervalo entre as tomas foi reduzido, anunciou o Governo.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) publicou hoje uma norma em que reduz de 12 para oito semanas o intervalo da toma entre a primeira e a segunda dose desta vacina para garantir "mais rápida proteção" perante a transmissão de novas "variantes de preocupação" do vírus SARS-CoV-2 como a Delta, associada à Índia.

"A norma entrou em vigor hoje e, a partir de hoje, as pessoas serão contactadas para antecipar das 12 para as 8 semanas os seus agendamentos, o que permitirá acelerar a proteção das pessoas que ainda só tinham uma dose", avançou a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, em conferência de imprensa no final da reunião do Conselho de Ministros.

17h15 - Proibição de circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa termina às 6h00 de segunda-feira

A proibição de circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa entra em vigor às 15h00 de sexta-feira e termina às 6h00 de segunda-feira, avançou a ministra da Presidência.

Mariana Vieira da Silva anunciou ainda que está previsto um reforço da fiscalização em Lisboa, não só às deslocações, mas também aos eventos que possam ser realizados nesta região.

17h00 - Fiscalização da testagem em eventos varia conforme a entidade que o organiza

Questionada sobre quem realizará a fiscalização nos eventos para os quais passou a ser obrigatório a apresentação de um teste negativo, Mariana Vieira da Silva explicou que essa tarefa varia conforme a entidade que organiza o evento.

“Em alguns casos pode ser a ASAE, noutros casos podem ser as forças de segurança”, avançou a ministra.

16h50 - “Maior prevalência da variante Delta” pode explicar a situação de Lisboa

Questionado sobre os fatores que podem ter contribuído para a situação de maior gravidade que se vive atualmente na região de Lisboa e Vale do Tejo, a ministra da Presidência apontou a variante Delta, identificada pela primeira na Índia, que tem "uma maior prevalência" nesta região.

“Aparentemente, uma prevalência maior da variante Delta neste território e também na região do Alentejo", anunciou, sublinhando que esta é uma das razões que levou à decisão do conselho de ministros da probição de circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa.

16h45 - Certificado digital pode substituir testes em eventos

Mariana Vieira da Silva anunciou que o conselho de ministros também decidiu que o certificado digital pode ser um instrumento que substitui a apresentação de um teste nos eventos em que tal passou a ser obrigatório, quer sejam culturais, desportivos ou familiares.

16h35 - Portugal regista 1233 novos casos e dois óbitos

Do total de novos casos, 804 foram reportados em Lisboa e Vale do Tejo, 196 na região norte, 81 no centro, 73 no Algarve e 47 no Alentejo. Os dois óbitos foram registados em Lisboa e Vale do Tejo e no norte do país.

Os internamentos voltaram a aumentar. Há hoje 364 doentes internados (mais 13 do que na véspera) e 88 em unidades de cuidados intensivos (mais cinco do que no dia anterior).

O boletim reporta ainda mais 662 recuperados, para um total de 817. 754. Portugal tem hoje mais 569 casos ativos e mais 1445 contactos em vigilância.

16h30 - 20 concelhos em alerta

A ministra da Presidência anunciou ainda que existe “um número muito alargado de concelhos em situação de alerta”, maioritariamente lozalizados na Área Metropolitana de Lisboa. Estes concelhos são: Alcochete, Águeda, Almada, Amadora, Barreiro, Grândola, Lagos, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Sardoal, Seixal, Setúbal, Sines, Sobral de Monte Agraço e Vila Franca de Xira.

16h16 - Dez concelhos não avançam no desconfinamento

Mariana Vieira da Silva anunciou que existem dez concelhos “em situação diferente do que estará o resto do país” e que, por isso, não avançam no desconfinamento. Entre estes concelhos, a ministra destaca o de Sesimbra, que por ter registado, pela segunda semana consecutiva, mais de 240 casos por 100 mil habitantes, ficará num nível de "maior restrição". Assim, em Sesimbra, voltam a ser impostas regras como o encerramento dos restaurantes às 15h30 durante o fim-de-semana.

Os restantes não avançam nem recuam, estando em risco de recuar na próxima semana. São eles Albufeira, Arruda dos Vinhos, Braga, Cascais, Lisboa, Loulé, Odemira, Sertã e Sintra. Nestes concelhos, estarão em vigor as medidas referentes à última fase de desconfinamento, como o encerramento de cafés e restaurantes às 22h30.

16h10 - Proibido circular de e para a Área Metropolitana de Lisboa durante o fim-de-semana

O Governo anunciou ainda a decisão de “proibir a circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa ao fim-de-semana”.

"As restrições de circulação dizem respeito à área metropolitana como um todo e não à circulação entre concelhos", esclareceu a ministra, o que significa que a circulação entre concelhos na Área Metropolitana de Lisboa continua a ser permitida.

Esta medida entrará em vigor a partir das 15h00 de sexta-feira. "Esta é uma medida adicional que o Governo decide tomar para procurar conter o aumento da incidência que se tem verificado na Área Metropolitana de Lisboa", explicou a ministra, acrescentando que "tem como principal propósito fazer com que elevada incidência que se regista nesta região não se transporte para fora dela".

16h07 - Quatro concelhos recuperaram

Alcanena, Paredes de Coura, Santarém e Vale de Cambra "recuperaram das suas situações de incidências mais elevadas e estão hoje fora desse quatro dos 120 casos por 100 mil habitantes", anunciou Mariana Vieira da Silva.

16h03 - “Dificilmente se poderá verificar” a próxima fase de desconfinamento

No final do conselho de ministros, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, anunciou que a “situação epidemiológica tem-se vindo a deteriorar e Portugal”, que tem hoje uma incidência de 90,5 e um R(t) de 1,13 no continente.

“Estamos hoje claramente numa situação bastante longe da zona verde e o país está numa situação mais preocupante do que estava há uma semana”, revela a ministra

Por esta razão, para a semana, quando estava prevista uma nova fase de desconfinamento, “ela muito dificilmente se poderá verificar”.

15h35 - Moscovo decreta vacinação obrigatória para funcionários do setor dos serviços

As autoridades de Moscovo decretaram que a vacinação passa a ser obrigatória para todos os funcionários do setor dos serviços.
Os profissionais dos transportes, comércio, restauração, cultura, saúde, educação e banca têm de ser vacinados contra a covid-19. Uma medida que se aplica à região da capital russa.

No país, apenas 13 por cento da população recebeu pelo menos uma dose de uma vacina.

14h54 - Maiores de 55 anos podem ser vacinados sem marcação prévia a partir de hoje

O programa "Casa Aberta", para as pessoas com 55 anos ou mais, fica disponível a partir desta quinta-feira. A informação foi avançada à RTP pela task-force para a vacinação.

Assim sendo, as pessoas com mais de 55 anos já se podem dirigir a um centro de vacinação para receber a sua inoculação contra a Covid-19, sem necessidade de qualquer marcação prévia.

Regra geral, o centro de vacinação é também aquele onde estão inscritas e o da sua zona de residência.

A modalidade "Casa Aberta" foi criada pela task-force para abranger bolsas de pessoas que, por vários motivos, terão ficado à margem da vacinação. Até ao momento estava disponível apenas para os maiores de 60 anos.

14h46 - OMS alerta para aceleração da pandemia em África e pede mais vacinas

A terceira vaga de infeções pelo novo coronavírus "está a crescer e a acelerar" em África com as variantes, advertiu hoje o escritório da Organização Mundial de Saúde (OMS) no continente, apelando a um aumento da oferta de vacinas.

O número de casos "está a aumentar 22% por semana" em todo o continente, afirmou Matshidiso Moeti, diretora da OMS para África, numa conferência de imprensa virtual a partir da sede, na capital da República do Congo, Brazaville.

A responsável apelou a que sejam entregues ao continente mais vacinas: "África precisa destas doses aqui e agora para conter a terceira vaga", disse.

"Quase 12 milhões de pessoas estão agora totalmente vacinadas, mas isto representa menos de 1% da população do continente", afirmou a OMS numa declaração citada pela agência France-Presse (AFP).

14h24 - Franceses deixam de estar obrigados a usar máscara na rua

A partir de hoje, os franceses deixam de estar obrigados a usar máscara na rua. O governo também antecipou para domingo o fim do recolher obrigatório.


14h14 - ECDC. Vacinados e recuperados não devem ser obrigados a teste e quarentena

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) e o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) recomendaram hoje que viajantes europeus vacinados e recuperados da covid-19 não sejam obrigados a testes e quarentenas.

Em causa estão orientações hoje divulgadas pela EASA e o ECDC (siglas em inglês) para viagens aéreas seguras em termos de saúde na União Europeia (UE), numa altura em que está quase a entrar em vigor o certificado covid-19 comprovativo da vacinação, recuperação ou testagem e que mais de metade da população recebeu pelo menos uma dose da vacina anticovid-19.

"Os países devem considerar que as pessoas vacinadas e as pessoas que recuperaram da covid-19 nos 180 dias anteriores [à viagem], que não estão a chegar de países ou áreas de muito alto risco com circulação comunitária de variantes de preocupação e que podem fornecer provas disso utilizando o certificado da UE, ou nacionais de países terceiros utilizando meios de certificação semelhantes, não devem ser sujeitos a testes ou quarentena", aconselham as agências europeias nas diretrizes hoje divulgadas.

Segundo estas duas agências europeias, "excecionalmente, para os passageiros que chegam de países ou zonas de muito alto risco com circulação comunitária de variantes de preocupação, o teste de deteção rápida de antigénios poderia ser considerado antes da partida ou à chegada", além dos já solicitados testes PCR.

13h57 - Lisboa alarga horário de funcionamento dos centros de vacinação

De forma a aumentar a capacidade de vacinação, a Câmara Municipal de Lisboa alargará, a partir de segunda-feira, o horário de funcionamento dos centros municipais de vacinação. Assim, a partir de 21 de junho, o horário de funcionamento aumentará uma hora, passando de nove para dez horas. A partir da primeira semana de julho, estes centros passarão a funcionar durante 14 horas diárias, das 8h00 às 22h, incluindo fins-de-semana.

Dada a situação alarmante em Lisboa e Vale do Tejo, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) explica em comunicado que o objetivo é mais do que triplicar o ritmo de vacinação na região, aumentando para 65 mil o total de vacinas administradas por semana nos Centros de Vacinação de Lisboa.

A CML informa que têm sido administradas nestes centros de vacinação cerca de 20 mil doses por dia, um número que já duplicou na última semana, passando para 39 mil.

Na nota enviada aos meios de comunicação, a CML informa que "será ainda operacionalizado um processo especial de vacinação para as comunidades migrantes". "Com mais de 12.000 migrantes a aguardar atribuição de número de utente do SNS, a CML reforçará as equipas do SNS para atender a esta necessidade e, por esta via, concretizar a elegibilidade desta população para o processo de vacinação", explica a autarquia.

13h27 - Antecipação é a palavra de ordem no Hospital de Santa Maria

13h26 - Vacina alemã CureVac contra a Covid-19 demonstrou eficácia de apenas 47%

13h25 - Pandemia já matou mais de 3 milhões e 800 mil pessoas

A pandemia de covid-19 matou, até hoje, pelo menos 3.835.238 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um levantamento realizado pela agência de notícias francesa AFP com base em fontes oficiais.

Mais de 176.966.040 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

13h22 - Portugal é o país da UE com mais confiança nas vacinas - Eurobarómetro

Portugal é o país da União Europeia (UE) onde a população tem mais confiança nas vacinas contra a covid-19, com 95% dos inquiridos a considerarem as vacinas seguras, segundo um Eurobarómetro hoje publicado pela Comissão Europeia.

Interrogados se concordam com a afirmação "as vacinas são seguras", 46% dos inquiridos portugueses dizem "concordar totalmente" e 49% "tendem a concordar", colocando Portugal no pelotão da frente em termos de confiança nas vacinas, seguido pela Espanha, com 92%, e ambos acima da média europeia, que se situa nos 81%.

No mesmo registo, 86% dos portugueses dizem considerar que as vacinas aprovadas na UE são seguras -- o número mais elevado, novamente seguido por Espanha, com 83% --, e 70% dizem "não perceber porque é que as pessoas têm relutância em serem vacinadas", colocando Portugal no segundo lugar, ultrapassado por Espanha.

Noventa e cinco por cento dos portugueses consideram também que as "vacinas são eficazes", com 45% a "concordarem totalmente" com a afirmação, e 50% a tenderem a concordar, tornando Portugal no país da UE que mais acredita na eficácia das vacinas.

Em termos de obrigatoriedade da vacinação, Portugal aparece novamente no primeiro lugar, com 82% dos portugueses a concordarem com a afirmação que "toda a gente deve ser vacinada contra a covid-19, é um dever cívico", e 62% a considerarem que a vacinação deve ser obrigatória.

No entanto, Portugal é também o país onde mais pessoas concordam com a afirmação "pode-se evitar ser infetado com covid-19 sem ser vacinado", com 17% a "concordarem muito" com a afirmação e 41% a "tenderem a concordar", correspondendo a um total de 58%.

No mesmo sentido, os portugueses são também a população que mais suspeita que as vacinas contra a covid-19 poderão ter efeitos a longo prazo, com 24% a dizerem "concordar totalmente" com a afirmação e 53% a tenderem a concordar, perfazendo um total de 77%.

Apesar disso, os portugueses são também o país que mais considera que "os benefícios das vacinas ultrapassam os seus possíveis riscos", com 47% a "concordarem totalmente com a afirmação" e 40% a tenderem a concordar.

No que se refere à atuação das instituições europeias, Portugal é o país que mais considera que a UE "está a ter um papel crucial em garantir que se consegue ter acesso às vacinas", com 35% dos portugueses a "concordarem muito" com a afirmação, e 54% a "tenderem a concordar", correspondendo a um total de 89%.

Já no que toca à maneira como a vacinação está a ser gerida pelo Governo português, 12% tendem a estar "muito satisfeitos" com a gestão do executivo, e 61% mostram-se "algo satisfeitos", perfazendo um total de 73%, o que coloca Portugal no terceiro lugar da UE em termos de satisfação com a atuação do Governo nacional.

Em termos gerais, 75% da população europeia considera que a vacina contra a covid-19 é a única maneira de acabar com a atual pandemia e 79% têm a intenção de ser vacinadas até ao final do ano.

O Eurobarómetro hoje publicado, intitulado "Atitudes sobre a vacinação contra a covid-19", foi elaborado entre 21 de maio e 26 de maio, e recenseou cerca de 26 mil europeus, mil por cada Estado-membro (com a exceção do Luxemburgo, Malta e Chipre, onde foram inquiridos 500 cidadãos).

13h21 - Atividade económica e consumo privado continuam recuperação em maio - BdP

Os indicadores coincidentes mensais para a atividade económica e para o consumo privado voltaram a aumentar em maio, face ao mês anterior, mantendo a trajetória ascendente iniciada em agosto do ano passado, informou hoje o Banco de Portugal (BdP).

Em maio, a taxa de variação homóloga do indicador para a atividade económica foi negativa em 0,5%, recuperando face aos -1,7% de abril, enquanto a variação homóloga do indicador para o consumo privado passou de 0,5% em abril para 1,6% em maio.

Os indicadores coincidentes são indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico, pelo que não refletem em cada momento a taxa de variação homóloga do respetivo agregado de Contas Nacionais.

13h18 - Número de internados em Santa Maria a subir desde maio

13h16 - Especialistas falam já de quarta vaga em Lisboa

13h15 - Mecanismo europeu antecipa "ambiente operacional difícil" na banca em Portugal

O Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) considera que os bancos em Portugal ainda terão de enfrentar um "ambiente operacional difícil" devido aos "desafios" criados pela crise da covid-19, atenuados agora pelas moratórias e pelo alívio na supervisão.

"O uso extensivo de medidas de apoio governamental e de tolerância na supervisão, a grande percentagem de empréstimos sob moratória -- especialmente para empresas não financeiras --, bem como os esforços continuados para diminuir o nível de crédito malparado reduziram o rácio" destes empréstimos, indica o MEE no capítulo sobre Portugal do seu relatório anual de 2020.

12h27 - Casos de Covid-19 aumentam 20 por cento à semana em vários países africanos

12h23 - Sindicato alerta para acréscimo de trabalho dos enfermeiros devido à pandemia

O Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) pediu uma reunião com a Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro por causa das dificuldades e acréscimo de trabalho provocados a estes profissionais pela covid-19, foi hoje anunciado.

Depois de uma ronda pelos centros de saúde de Coimbra, o sindicato recebeu várias queixas, onde a principal "prende-se com cansaço e desmotivação, potenciados pelo acréscimo de trabalho gerado pela campanha de vacinação em curso contra a covid-19", afirma o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal numa nota enviada hoje à agência Lusa.

12h15 - Euro 2020. Jogador da Eslováquia e elemento da equipa técnica positivos para a Covid-19 e estão em isolamento

11h44  - "O que acontece em Lisboa tem repercussão nacional"

Lisboa continua a ser um dos concelhos mais preocupantes em Portugal continental. São já quase 300 casos de infeção pelo novo coronavírus por cada 100 mil habitantes.

Tem vindo a aumentar a pressão de especialistas para que o Governo tome novas medidas.
Na RTP3, o pneumologista Carlos Robalo Cordeiro alertou para este aumento significativo da taxa de transmissibilidade e do número de novos casos.

Para este especialista, é urgente que o Governo tome as medidas necessárias o mais rápido possível, ou corre-se o risco de estar a começar uma quarta vaga.

11h26 - Dinamarca prepara-se para vacinar menores

A Dinamarca deverá começar a administrar, a breve trecho, vacinas contra a Covid-19 a menores entre os 12 e os 15 anos, noticia a TV2.

As autoridades de saúde locais farão ainda esta quinta-feira uma conferência de imprensa.

11h00 - Intervalo da segunda dose da vacina da AstraZeneca reduzido para oito semanas

O intervalo da toma da segunda dose da vacina da AstraZeneca foi reduzido de 12 para oito semanas, tendo em vista garantir "mais rápida proteção" perante a transmissão de novas "variantes de preocupação", segundo a Direção-Geral da Saúde.

A recomendação consta da norma da Direção-Geral da Saúde "Campanha de Vacinação contra a COVID-19 Vacina VAXZEVRIA", agora divulgada.

O esquema vacinal da VAXZEVRIA é de duas doses com intervalo de oito a 12 semanas, "sendo atualmente recomendado o intervalo de oito semanas de forma a garantir a mais rápida proteção" conferida pela vacinação completa "perante a transmissão de novas variantes de preocupação (VoC) de SARS-CoV-2", como a variante Delta, com origem na Índia.

10h49 - África com mais 380 mortes

África registou mais 380 mortes associadas à Covid-19 nas últimas 24 horas, o que faz subir o total de óbitos desde o início da pandemia para 136.030. No mesmo período, foram registados 24.251 novos infetados.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana, o total de casos no continente é de 5.108.888 e o de recuperados é de 4.558.432, mais 9777 nas últimas 24 horas.

A África Austral continua a ser a região mais atingida, com 2.237.986 casos e 67.177 óbitos. Nesta região, a África do Sul soma 1.774.312 casos e 58.223 mortes.

10h47 - Estado de emergência vai ser levantado em grande parte do Japão

O estado de emergência implementado por causa da pandemia termina domingo na maior parte do Japão, mas algumas restrições serão mantidas em determinadas áreas, entre as quais Tóquio.

A medida foi tomada pelo Governo japonês, segundo a agência de notícias AFP, a um mês da abertura dos Jogos Olímpicos, que vão decorrer de 23 de julho a 8 de agosto naquele país asiático.

Dez das 47 autarquias japonesas mais populosas do país estão abrangidas pelo estado de emergência declarado inicialmente em 25 de abril, incluindo a capital e Osaka.

10h31 - Revisto o protocolo europeu para viagens aéreas

A Agência da União Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, na sigla em inglês) e o Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) emitiram esta quinta-feira uma versão revista do protocolo de segurança sanitária para as viagens aéreas. É já levado em linha de conta o Certificado Digital Covid-19.

Esta nova versão do protocolo leva também em conta os últimos dados sobre a circulação das chamadas variantes de preocupação do SARS-CoV-2 e o andamento dos programas de vacinação nos países-membros.

“A nova versão enfatiza a necessidade de manter medidas não-farmacêuticas – tais como o uso de máscaras faciais, medidas de higiene e distância física”, afirmam, em comunicado, a EASA e o ECDC.

“Chegámos a um marco significativo na pandemia: uma verdadeira mudança na abordagem que permite aos viajantes voltarem a voar sem se preocuparem excessivamente com mudanças de regras a curto prazo, que compliquem a viagem ou a tornem impossível”, afirma o diretor executivo da EASA, Patrick Ky, citado na mesma nota.

O protocolo propõe, designadamente, que as pessoas com a vacinação completa contra a Covid-19, ou que tenham recuperado da doença nos últimos 180 dias, não sejam submetidas a testes ou isolamento, “a não ser que venham de uma área de alto risco, ou onde uma variante de preocupação esteja a circular”.

“Para as viagens a partir desses locais, deve ser considerada a exigência de um teste negativo”.

“A distância física de pelo menos um metro deve ser mantida e as máscaras médicas devem ser usadas em todas as fases da viagem”.

“Todas estas medidas são recomendadas para as viagens aéreas na UE, mas também para viagens para e de países terceiros”, lê-se ainda no comunicado.

9h45 - Adeptos sem bilhete recebem aviso da polícia britânica

Os adeptos de futebol que não disponham de bilhetes para jogos do Euro2020 não devem viajar para Londres, afirmou o vice-comissário da Polícia Metropolitana, Laurence Taylor, em declarações à rádio LBC.

"Estamos a pedir às pessoas que colaborem connosco. Sabemos que as pessoas querem vir e desfrutar, mas todos os eventos em Londres têm bilhetes e, com as atuais restrições da Covid-19, os espaços em bares serão limitados", advertiu o responsável.

9h35 - Lisboa e Vale do Tejo. "Estamos provavelmente numa nova vaga"

Perante os novos casos em Lisboa e Vale do Tejo, que representam cerca de 70 por cento dos contágios a nível nacional, o pneumologista António Diniz considera que esta região estará já a sentir o efeito de uma nova vaga.
Antena 1

O membro do gabinete de crise da Ordem dos Médicos teme que este cenário possa alastrar ao resto do território ao longo das próximas semanas.

9h24 - Os danos da pandemia no ensino moçambicano

A qualidade do ensino em Moçambique sofreu danos que podem ser irreversíveis, avisam o Instituto Nacional de Estatística e o Banco Mundial, na sequência de um inquérito ao impacto da pandemia nas famílias urbanas.

"Em termos gerais", os resultados "confirmam a preocupação de que a qualidade da educação pode ter sido muito afetada durante a pandemia", no ano de 2020, "mesmo para aqueles que puderam participar nalguma atividade de aprendizagem".

"Esta aprendizagem perdida pode ser difícil ou mesmo impossível de recuperar para algumas crianças depois da pandemia ou após a retoma das aulas presenciais para todas as classes", já este ano, acrescenta-se no relatório do Inquérito Sobre o Impacto da Covid-19 nos Agregados Familiares Urbanos em Moçambique.

9h09 - Taiwan reporta mais 175 casos

As autoridades de saúde de Taiwan reportaram 175 novos casos de infeção e 18 mortes associadas à Covid-19 nas últims 24 horas.

Estão nesta altura vacinados 1,13 milhões dos 23,5 milhões de habitantes na ilha. Mais de 170 mil têm mais de 75 anos.

8h51 - Hungria, onde mais de metade da população está vacinada

A Hungria, casa-mãe da seleção nacional neste Europeu de futebol, é um país onde a pandemia parece quase não existir.
Por lá, poucos usam máscara.

8h42 - Portugal tem de "abandonar modelo de baixos salários"

O presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do Plano de Recuperação e Resiliência diz que o plano agora aprovado por Bruxelas não é um cheque em branco, mas uma oportunidade única para a recuperação de Portugal.

António Costa Silva, que elaborou esse plano, acrescenta que o país está estagnado e considera que os vetores cruciais à transformação da economia passam, sobretudo, pela aposta na inovação tecnológica e pela transição energética.
O professor universitário alerta ainda para a necessidade de transparência na prestação das contas.

8h36 - "No início da retoma"

Os representantes da hotelaria e do alojamento local dos Açores consideram que o sector está "a iniciar" a retoma, embora permaneça "longe dos números de 2019". As unidades que estavam encerradas já começaram "a reabir".

Em declarações à agência Lusa, o delegado nos Açores da Associação da Hotelaria de Portugal, Fernando Neves, adiantou que a "procura nos últimos tempos melhorou substancialmente em relação a 2020 e ultrapassou um pouco até as expetativas de há um ou dois meses", devido "à atual situação pandémica, ao aumento da vacinação e a uma maior segurança e confiança das pessoas".

8h33 - Mais de 76 mil ucranianos vacinados num dia

A Ucrânia, que tem mantido apertadas restrições em contexto pandémico, apesar de o número de infeções estar a descer, estabeleceu na quarta-feira um novo máximo de pessoas vacinadas contra a Covid-19: 76.538.

O país acumula um total de 2,23 milhões de infeções e 51.902 mortes desde o início da pandemia.

As medidas de confinamento foram prolongadas até 31 de agosto.

8h26 - Brasil aumenta taxa de juros a níveis pré-pandemia

O Banco Central brasileiro elevou a taxa básica de juros, tendo em vista controlar a inflação, em 0,75 pontos percentuais, para 4,25 por cento ao ano. É o maior nível num ano e meio e a terceira subida em 2021.

Na quarta-feira, o Comité de Política Monetária do Banco Central decidiu, por unanimidade, num contexto de descontrolo da pandemia, dar continuidade à subida da taxa de juros que se iniciou em março, ao cabo de quase seis anos de cortes que levaram o indicador ao mínimo histórico de dois por cento.

7h58 - Alemanha com mais 1330 casos

O número de casos confirmados de infeção pelo SARS-CoV-2 na Alemanha aumentou, nas últimas 24 horas, em 1330, para um total de 3.718.955 reportados desde o início da pandemia.

Morreram mais 105 pessoas no mesmo período, para um total acumulado de 90.179.

7h37 - Abu Dhabi testa vacina chinesa em crianças

As autoridades sanitárias de Abu Dhabi deram início a um programa de testes da vacina chinesa da Sinopharm em menores dos três aos 17 anos de idade.

O ensaio vai avaliar a resposta imunitária de 900 crianças.

7h28 - EUA com 361 mortes e 11.213 casos em 24 horas

Os Estados Unidos somam 33.496.627 infeções e 600.624 óbitos desde o início da pandemia.

Quanto às vacinas, cerca de 175 milhões de norte-americanos (52,7 por cento da população) receberam pelo menos uma dose, dos quais 146,4 milhões (44,1 por cento) já estão completamente inoculadas, segundo os Centros de Controlo e Prevenção de Doenças.

7h07 - Ponto de situação

O Governo reúne-se esta quinta-feira em Conselho de Ministros para definir o mapa do desconfinamento.

A Ordem dos Médicos já pediu ao Executivo que altere os critérios e não se baseie apenas na taxa de incidência.

Lisboa é um dos concelhos que está próximo da zona vermelha, em risco de recuar.
As medidas que forem decididas devem entrar em vigor na segunda-feira.

O primeiro-ministro, António Costa, afasta a hipótese de o Governo impor uma antecipação de medidas restritivas em Lisboa.
Certificados digitais
Em Portugal, começaram a ser emitidos os primeiros certificados digitais Covid-19. Trata-se de um livre-trânsito para viajar em segurança por todos os Estados-membros da União Europeia.

Os certificados podem ser usados também na Islândia, Liechtenstein, Noruega e Suíça.
Atestam que o cidadão está vacinado, tem um teste negativo ou recuperou da infeção.

O documento pode ser pedido no site SNS24.
Pandemia e ensino
A pandemia da Covid-19 revelou que mais de 90 por cento das escolas não possuíam equipamentos suficientes. Um inquérito do Conselho Nacional de Educação indica que a implementação do ensino remoto foi dificultada pelo número insuficiente de dispositivos digitais e de uma ligação à internet de qualidade.

Noventa e seis por cento dos docentes utilizaram computador ou tablet pessoal. E 99 por cento tiveram de usar internet própria. Uma situação que afetou o trabalho de todos.
Especialistas defendem atualizações constantes das vacinas
As vacinas Pfizer e AstraZeneca continuam a ter um alto grau de eficácia na prevenção de hospitalizações de doentes com a variante indiana da Covid-19.
Já a proteção contra novas infeções ou doença com sintomas ligeiros é mais baixa em relação à variante do Reino Unido.
O quadro em Portugal
Em 24 horas, morreram seis pessoas e houve registo de 1350 novos casos confirmados de infeção, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde, divulgado ao início da tarde de quarta-feira.

É o maio número de casos num só dia desde fevereiro .

O número de internamentos também voltou a aumentar. Estão internadas 351 pessoas. Nos cuidados intensivos estão 83.
O quadro internacional
A pandemia provocou pelo menos 3.824.885 mortes, resultantes de mais de 176,5 milhões de casos de infeção, de acordo com o balanço em permanente atualização por parte da agência France Presse.

O Brasil volta a acercar-se das três mil mortes diárias associadas à Covid-19 (2997). É o maior número de óbitos desde 29 de abril. O país sul-americano somou, nas últimas 24 horas, 95.367 infeções.

O número de novos casos supera apenas o de 25 de março, quando o Brasil somou 100.158 diagnósticos positivos e o do dia 2 deste mês, quando foram registadas 95.601 infeções em 24 horas.