Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Pedro Nunes - Reuters

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações



22h59 - Líder da Iniciativa Liberal diz-se "prisioneiro de cerca sanitária" imposta por "estado policial"

O líder da Iniciativa Liberal (IL) disse hoje estar "prisioneiro da cerca sanitária" imposta pelo "estado policial" na Área Metropolitana de Lisboa devido à pandemia de covid-19, considerando a medida "inconstitucional e absolutamente inútil".

O presidente da IL considerou a restrição às entradas e saídas da Área Metropolitana de Lisboa "inconstitucional e absolutamente inútil".

"Fechar três milhões e 200 mil pessoas numa área metropolitana, pessoas essas que na segunda-feira podem circular pelo país todo... Palavra de honra, ainda estou para que me expliquem para que é que isto serve. Mas é o Governo que temos e são as situações a que estamos sujeitos".

21h43 - Pandemia já fez mais de quatro milhões de vítimas mortais

O número global de mortos por covid-19 no mundo ultrapassou já os 4 milhões. Estados Unidos, Brasil, Índia e Rússia são alguns dos países mais atingidos pela pandemia.

20h58 - Fiscalização na AML. Maioria dos automobilistas tem cumprido regras de proibição de circulação

A GNR intensificou as ações de patrulhamento na Área Metropolitana de Lisboa. O objetivo é fazer cumprir a proibição de circulação de e para fora desta zona.
A grande maioria dos automobilistas tem estado a respeitar as regras.

20h48 - Autoagendamento da vacina para maiores de 35 anos começa segunda-feira

O autoagendamento para maiores de 35 anos começa na próxima segunda-feira. Uma decisão integrada na estratégia de começar a vacinar várias faixas etárias por semana.
A prioridade continua a ser dada às idades mais avançadas.

Com o autoagendamento é possível escolher o ponto de vacinação e escolher as datas.

20h42 - PM fala em consequências inevitáveis caso Portugal passe para zona vermelha da pandemia

António Costa diz que as consequências são inevitáveis, caso Portugal passe para a zona vermelha nesta pandemia.
O primeiro-ministro reforçou que as limitações impostas à Área Metropolitana de Lisboa têm por objectivo evitar um cenário pior e dar mais tranquilidade a todos.

19h50 - Brasil ultrapassa marca de meio milhão de mortes por Covid-19

O Brasil registou este sábado 1401 óbitos e 20.483 novos casos, elevando o total de mortes para 500.022 e o de infeções para 17.722.659. O Brasil é, assim, o segundo país do mundo, depois dos EUA, a ultrapassar o meio milhão de mortes por Covid-19.

O país continua a registar mais de 2000 vítimas mortais diariamente e apenas 11,4 por cento da população completou a vacinação.

19h33 - Itália contabiliza mais 28 mortes e 1.197 infeções

Itália registou hoje mais 28 mortes por covid-19 e mais 1.197 infeções com o novo coronavírus, segundo o balanço diário do Ministério da Saúde do país.

Face a sexta-feira, há mais 50 infeções diárias, mas menos sete mortes.

Desde o início da pandemia, o país totaliza 4.252.095 infetados, 127.253 mortos e 4.035.692 doentes recuperados.

De acordo com as estatísticas oficiais, 15.286.319 pessoas (28,18% da população com mais de 12 anos) têm a vacinação completa. Ao todo, já foram administradas em Itália 45.022.254 doses.

O ministro da Saúde italiano, Roberto Speranza, pediu hoje ao comité científico que assessora o Governo um parecer sobre o fim do uso de máscaras em espaços ao ar livre, estando previsto o anúncio de uma decisão para a próxima semana.

19h05 - Madeira regista cinco novos casos e um total de 69 infeções ativas

A Madeira registou hoje cinco novos casos de covid-19, quatro recuperações e 24 situações suspeitas, indicou a Direção Regional da Saúde, referindo que o total de infeções ativas no arquipélago é agora de 69, com quatro pessoas hospitalizadas.

18h42 - França regista hoje mais 2.624 infeções e mais 22 mortes

França registou hoje mais 22 mortes por covid-19 e mais 2.624 infeções, segundo o balanço diário divulgado no portal da agência de saúde pública do país.

Comparativamente a sexta-feira, há mais 185 casos de infeção diários, mas menos 46 mortes.

Desde o início da pandemia, o país totaliza 5.755.496 infetados e 110.753 mortos.

Na sexta-feira, 31.757.287 pessoas estavam vacinadas com pelo menos uma dose.

18h22 - Reino Unido reporta 10.321 novos casos e 14 mortes

Nesta semana, entre domingo passado e hoje, o país somou 63.764 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, o que representa um aumento de 33,2% de casos face à semana anterior.

O número de mortes na mesma semana aumentou 23,3%, para 74 óbitos.

Os dados do Governo Britânico revelam ainda que 81 por cento da população já recebeu uma dose da vacina contra a Covid-19 e 59 por cento está totalmente imunizada com as duas doses.

16h54 - Moçambique regista três mortes e 244 novos casos

Moçambique registou três mortes e 244 novos casos de covid-19, nas últimas 24 horas, anunciou hoje o Ministério da Saúde, na atualização diária de dados sobre a pandemia.

Moçambique tem um total acumulado de 847 mortes e 72.367 casos de covid-19, dos quais 97% recuperados e 43 internados.

16h32 - Mais 364 mortes em África nas últimas 24 horas

Mais 364 mortes associadas à covid-19 foram registadas em África em 24 horas, um número muito inferior ao dos novos casos, de acordo com os dados oficiais mais recentes hoje divulgados.

Segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de mortes no continente desde o início da pandemia é agora 136.810.

Nas últimas 24 horas registaram-se 22.228 novos casos, elevando o total a 5.160.473, enquanto os recuperados da doença foram 17.101, dos 4.590.617 contabilizados.

16h12 - Governo quer travar cadeias de transmissão com limitações na AML

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde salientou hoje que as limitações de circulação impostas à Área Metropolitana de Lisboa (AML), devido à pandemia, visam inibir as atuais cadeias de transmissão, numa zona de muita população e mobilidade.

“Lisboa tem uma zona de grande densidade populacional, grande mobilidade e grandes movimentos pendulares que, de alguma forma, contribuem para uma maior dispersão do próprio vírus e, por isso, o que o Governo fez foi tentar contrariar essa situação através de uma forma proativa, preventiva e articulada entre si de forma a que pudesse inibir essa cadeia de transmissão”, disse secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, à margem do encerramento do AQUAFORUM – Fórum Europeu de Investigação, Inovação e Valorização da Água Mineral Natural, em Chaves, no distrito de Vila Real.

O governante assumiu que, neste momento, a decisão foi “sensata e correta”, falando num processo que se ajusta à própria evolução epidemiológica.

“O tempo de atuação em pandemia é sempre muito importante e repare-se que os decisores políticos têm que ajustar as estratégias e tem que ajustar tempos de reação o mais rapidamente possível para poderem fazer a prevenção da disseminação das cadeias de transmissão”, sublinhou.

15h20 - Internamentos são "preocupantes", mas estão longe das linhas vermelhas, diz Governo

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales assumiu sábado que o aumento do número de internamentos por covid-19 é uma "situação preocupante", embora o país ainda esteja "longe das linhas vermelhas".

"O número de internamentos é sempre, obviamente, uma situação preocupante muito embora ainda estejamos longe das linhas vermelhas", referiu António Lacerda Sales à margem do encerramento AQUAFORUM - Fórum Europeu de Investigação, Inovação e Valorização da Água Mineral Natural, a decorrer em Chaves, no distrito de Vila Real.

O governante salientou que o Ministério da Saúde está "de prevenção", quer em termos de enfermarias, quer em termos de unidades de cuidados intensivos na região de Lisboa, onde se concentram grande parte dos casos atuais reportado.

15h07 - Limitações na AML. Governo diz que medida está protegida por Lei de Bases

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde afirmou este sábado que a medida que impõe limites à circulação na Área Metropolitana de Lisboa está "bem protegida e consolidada" naquilo que é a Lei de Bases da Proteção Civil.

"Como sabe não sou jurista, muito menos constitucionalista. De qualquer forma, como tem sido dito, parece que esta decisão está protegida e bem consolidada naquilo que é a Lei de Bases da Proteção Civil", disse o secretário de Estado António Lacerda Sales aos jornalistas.

14h08 - Mais 1.183 casos e um óbito em Portugal

Em 24 horas Portugal registou mais 1.183 casos de Covid-19 e um óbito associado à pandemia. Dos novos casos, 761 foram registados na região de Lisboa e Vale do Tejo, representando mais de 64 por cento do total de casos.

Houve ainda registo de 884 casos recuperados. Nos hospitais, estão internadas menos duas pessoas. No entanto, mais cinco utentes estão agora nos cuidados intensivos. No total, há 389 pessoas internadas, das quais 99 em UCI.

Para além da situação preocupante em Lisboa e Vale do Tejo, destaque ainda para a região Norte, que contabiliza 181 novos casos. Há registo de 87 novos casos na região Centro e mais 36 casos no Alentejo. Na região do Algarve, onde se registou o único óbito de hoje, houve mais 71 casos.

Nas regiões autónomas, os Açores contabilizam 37 novos casos e a Madeira mais dez casos.

13h59 - Mais de 1.000 inquéritos epidemiológicos atrasados em Lisboa e Vale do Tejo

Quase duplicaram os concelhos com uma incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes. São 40, mais 18 em apenas uma semana.

A região de Lisboa e Vale do Tejo regista mais de 240 sendo que a capital já 306 por 100 mil habitantes. O R(t) subiu aqui para 1.20 enquanto no território nacional é de 1.14.

No relatório das linhas vermelhas da Direção Geral da Saúde e Instituto Nacional dr Ricardo Jorge assume-se um atraso nos inquéritos epidemiológicos em Lisboa.

Serão já mais de 1.000, admite a Saúde Pública, que face ao aumento de casos reconhece que existem dificuldades em identificar e isolar as cadeias de contágios.

13h52 - Controlo apertado na AML. Autoridades passaram 25 multas

As autoridades policiais passaram 25 multas no primeiro dia de proibição de circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa.
Desde as 15h00 de sexta-feira que é proibido entrar ou sair da região, composta por 18 municípios, embora existam algumas exceções.

Para além dos autos, durante o primeiro dia de fiscalização, a Guarda Nacional Republicana detetou 40 situações de incumprimento por parte de condutores que tentavam entrar ou a sair da AML sem justificação.

13h21 - Braga faz testes gratuitos a quem trabalhou em Lisboa

As autoridades de Braga estão a proporcionar testes gratuitos de despistagem da covid-19 a trabalhadores do concelho que tenham estado a trabalhar na Área Metropolitana de Lisboa, indicaram hoje os promotores da iniciativa.

Os testes realizam-se hoje e no próximo sábado, segundo um comunicado da InvestBraga, uma agência municipal para a modernização económica, que já contactou 300 empresas locais para o efeito.

Dessa primeira leva de contactos resultou, até ao final da tarde de sexta-feira, a marcação de cerca de meia centena de testes, acrescenta.

Durante a próxima semana serão realizados novos agendamentos para 26 de junho.

12h34 - Terceira vaga a caminho do Reino Unido

Com os contágios diários a ultrapassarem de novo os 10.000 casos,o assessor do Governo no Comité Conjunto de Vacinação e Imunização do Reino Unido considera que a terceira vaga vai atingir o país.

Em declarações à BBC Rádio 4, Adam Finn, afirmou que os contágios de Covid-19 “estão a subir” e que “uma terceira onda de contágios está definitivamente a caminho” daquele país.

12h28 - ASAE instaura 40 contraordenações a espaços de diversão noturna

A ASAE instaurou 40 processos de contraordenação durante uma fiscalização sobre o cumprimento das regras em contexto da pandemia da covid-19 que decorreu em dezenas de espaços de diversão noturna de Lisboa, Coimbra e Porto.

No comunicado citado pela agência Lusa, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) adianta que a Operação Convívio Seguro, que contou com o apoio da PSP, foi direcionada para as zonas e espaços de diversão noturna mais frequentados face aos ajuntamentos de jovens para convívio e consumo de álcool nas ruas das grandes cidades.

No total foram fiscalizados 48 operadores económicos e 26 clientes dos estabelecimentos, tendo sido instaurados 40 processos de contraordenação, 26 dos quais a clientes.

Em Lisboa foram fiscalizados 27 espaços, localizados essencialmente no Bairro Alto, e foram instaurados seis processos de contraordenação dos quais dois por incumprimento de regras de ocupação e distanciamento e um por falta de aviso de restrição de venda de bebidas alcoólicas.

Em Coimbra, a fiscalização abrangeu 11 operadores económicos e foram instaurados sete processos de contraordenação, dos quais se destacam dois por venda de álcool depois das 21:00 e dois por permanência de clientes em esplanadas em grupos superiores a 10 pessoas sem a distância obrigatória.

Foram ainda identificadas 26 pessoas, às quais foi instaurado processo de contraordenação por permanência em grupos em esplanadas em número superior a 10.

No Porto, a ASAE fiscalizou 10 estabelecimentos localizados na zona do Jardim da Cordoaria e Galerias de Paris, tendo sido instaurado um processo de contraordenação por falta de entrega de duplicado do Livro de Reclamações.

10h59 - Novo recorde de casos em Moscovo

Nas últimas 24 horas, a capital russa registou um recorde de 9.120 novas infeções. No total, a Rússia registou 17.906 casos e 466 mortes por Covid-19.

10h43 - Federação dos Médicos denuncia apatia do Governo no combate à pandemia

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) critica a "apatia" no planeamento da resposta à Covid-19 e responsabiliza o Governo pelas consequências do agravamento da pandemia na área metropolitana de Lisboa sobre o SNS.

Num comunicado enviado às redações, a comissão executiva da FNAM lembrou a "necessidade urgente de reforço dos recursos do SNS" e disse ser "incompreensível" que o Ministério da Saúde não tenha avançado com medidas ou respostas às propostas da entidade sobre a recuperação da atividade assistencial e a valorização dos profissionais, condenando "a total ausência de medidas de planeamento e prevenção".

"O Governo é o único responsável pelas consequências que o agravamento da situação pandémica no país venha a ter sobre o SNS e a vida dos cidadãos", pode ler-se na nota divulgada, na qual a FNAM revela ainda que as "equipas de saúde pública, médicos de família, médicos hospitalares ou intensivistas não só não foram reforçados, como em muitos locais estas equipas contam com menos elementos" face ao período entre janeiro e março de 2021.

9h51 - Incidência semanal na Alemanha atinge melhores níveis desde setembro

A incidência semanal de covid-19 na Alemanha caiu abaixo de 10 infeções por 100.000 habitantes, pela primeira vez desde 13 de setembro de 2020.

A incidência semanal foi de 9,3 por 100.000 habitantes. O pico ocorreu em 22 de dezembro de 2020, com 197,6 infeções por 100.000 habitantes. Em 14 de maio, a incidência tinha caído para menos de 100 infeções por 100.000 habitantes.

8h28 - "É preciso não descartar capacidade das farmácias" na vacinação

Em declarações à agência Lusa, o ex-presidente de Infarmed, Helder Mota Filipe, considera que o mais importante para travar a pandemia é garantir a rápida vacinação do maior número de pessoas no menor espaço de tempo e que é preciso não descartar a capacidade das farmácias.

"É um aspeto importante. Não é de descartar, por princípio, e os farmacêuticos estarão com certeza preparados para entrar no processo", afirmou.

8h10 - China com mais 30 casos, seis deles por contágio local

A China registou 30 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, seis deles por contágio local na província chinesa de Guangdong, que faz fronteira com Macau e Hong Kong, anunciou a Comissão de Saúde da China.
Marcha do Orgulho LGBTI+ de Lisboa cancelada
A Comissão Organizadora da Marcha do Orgulho LGBTI+ de Lisboa anunciou este sábado o cancelamento da iniciativa e criticou a Direção-Geral da Saúde (DGS), que emitira parecer desfavorável. A marcha estava prevista para hoje.

"Apesar das tentativas de contacto continuadas ao longo de dois meses, no sentido de preparar este evento com as melhores condições, recomendações e segurança possíveis, apenas na véspera a Direção-Geral da Saúde remeteu (...) um parecer desfavorável", o que impossibilitou "a implementação de medidas de segurança adicionais ou modelos alternativos de marcha, além de não permitir uma desconvocação responsável da mesma", adianta a organização.

Os organizadores criticam ainda algumas das recomendações concretas da Direção-Geral da Saúde, nomeadamente a de medição de temperatura corporal, a existência de instalações sanitárias de isolamento e um registo de todas as pessoas participantes.

"Algumas recomendações levantam questões quanto à sua constitucionalidade e legalidade, merecendo uma enorme preocupação por parte da Comissão Organizadora da Marcha de Orgulho LGBTI+ de Lisboa", salientou.

"Consideramos este parecer e o tempo em que chegou um desrespeito e erro político", concluiu a organização.
Restrições em vigor na Área Metropolitana de Lisboa

A GNR anunciou na sexta-feira a intensificação das ações de patrulhamento e fiscalização na Área Metropolitana de Lisboa para fazer cumprir a proibição de circulação de e para esta zona, devido à subida dos casos da covid-19.

Na quinta-feira, o Conselho de Ministros anunciou a proibição da circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa (AML) aos fins de semana, a partir das 15h00 de sexta-feira e até às 6h00 de segunda.

"A fiscalização visa garantir que a população cumpre com as normas em vigor e se abstenha de deslocações desnecessárias numa área em que os números resultantes da covid-19 impõem uma preocupação acrescida", justifica.

As ações irão incidir nas principais vias de acesso à AML, como é o caso das autoestradas 1 (A1) e 2 (A2) ou as estradas nacionais 5 e 10.