Covid-19. África Austral cada vez mais isolada devido à variante Omicron

por RTP
Nos Países Baixos, foram confirmados 61 casos positivos de Covid-19 entre passageiros que chegaram da África do Sul Reuters

De Angola ao Kuwait, passando por vários países europeus incluindo Portugal, mais de uma dezena de países anunciaram a suspensão de voos oriundos de países da África Austral ou a imposição de restrições aos seus passageiros, para tentar conter a disseminação da variante Omicron do SARS-CoV-2, recém-identificada na África do Sul e que será potencialmente mais contagiosa do que a Delta.

África-do-Sul, Namíbia, Botswana, Moçambique, Lesoto, Eswatini, Zâmbia e Malawi são os países mais afetados pelas restrições às viagens. Israel decretou mesmo no final do dia de sábado a interdição de entrada no país a todos os estrangeiros e reintroduziu a vigilância contra-terrorista de chamadas móveis, para controlar a Omicron. O Centro para o Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e o Departamento de Estado recomendaram aos cidadãos norte-americanos que não viagem para estes destinos, depois da Casa Branca ter anunciado novas restrições de viagem em resposta à ameaça da Omicron.

O Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC) alertou na quinta-feira que a nova variante do vírus SARS-CoV-2 suscita "sérias preocupações de que possa reduzir significativamente a eficácia das vacinas e aumentar o risco de reinfeções".

Num comunicado sobre a avaliação da ameaça da nova variante, e com base na informação genética atualmente disponível, o ECDC disse que a nova variante detetada na África Austral é a mais divergente (em relação ao vírus original) detetada até hoje.

Vários países europeus identificaram já nos seus territórios casos de infeção com a Omicro e Portugal tem algumas pessoas “sob vigilância” devido a esta nova variante, referiu este sábado a diretora-geral de Saúde, Graça Freitas.


Os 260 passageiros de um voo proveniente de Moçambique que aterrou em Lisboa foram submetidos massivamente a testes numa operação coordenada pelo gabinete de crise do INEM, como confirmou aos jornalistas o coordenador Bruno Borges.

Na Austrália a tensão aumentou, depois de dois passageiros oriundos da África do Sul terem desembarcado sendo depois revelado que estavam infetados com o SARS-CoV-2. A hipótese de que se trate da Omicron assusta as autoridades.

A Alemanha e o Reino Unido confirmaram este sábado dois casos cada uma e a Itália um caso, depois da Bélgica ter identificado uma ocorrência sexta-feira.

"Dois casos suspeitos da nova variante do coronavírus Ómicron, classificado como variante preocupante pela Organização Mundial de Saúde (OMS), foram confirmados na Baviera", anunciou num comunicado o ministro da Saúde deste estado regional do sul da Alemanha.

Quanto à Itália, o primeiro caso da variante Ómicron foi detetado num doente proveniente de Moçambique, anunciou ao início da noite o Instituto Superior de Saúde (ISS), tutelado pelo executivo italiano.

Nos Países Baixos, foram confirmados 61 casos positivos de Covid-19 entre passageiros que chegaram da África do Sul e que aguardam confirmação da estirpe com que estão infectados.

Também hoje o Reino Unido após a confirmação dos primeiros dois casos da variante Ómicron, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou em conferência de imprensa a reintrodução de restrições para tentar travar os contágios.

Com agências
pub