Covid-19. Explosão de novos casos na Europa de Leste. Rússia manda para casa milhões

por Alexandre Brito - RTP
Estação de Leningradsky, em Moscovo, a ser desinfetada Reuters

Nos hospitais de Moscovo a fila de corpos é interminável, conta a AFP. Nas últimas semanas, o aumento de novos casos de Covid-19 tem sido constante. Esta quinta-feira morreram mais de mil pessoas. A situação atingiu tal dimensão que Putin viu-se obrigado a mandar todos os trabalhadores para casa durante uma semana, com ordenado pago. Um problema que se sente também na Lituânia e na Roménia. Países, todos eles, onde há uma baixa aceitação à vacinação.

Há 20 meses que o Dr. Evguéni Riabkov observa a constante de doentes com Covid-19 a morreram no seu hospital de Moscovo, diz a AFP. A situação piorou nos últimos dias.

Nos momentos finais, são muitos os que se arrependem por não terem sido vacinados. "Normalmente dão desculpas, dizem que queriam fazer isso amanhã", diz este médico da unidade de Covid do Instituto Sklifossovsky, no centro da capital russa. Já é tarde. 

O aumento de novos casos na Rússia, e de vítimas mortais, é dramático. Esta quinta-feira morreram 1.036 pessoas devido a este vírus. Um novo recorde. E foram registados mais 36.339 casos. Nas ruas de Moscovo, bares e restaurantes continuam abertos. E o uso de máscara é esporádico.

No total, já morreram no país 230 mil pessoas, de acordo com dados governamentais. Sendo que a agência de estatísticas russa Rosstat contabilizou mais de 400 mil mortes.

A reação russa à variante Delta foi tardia. E a rejeição dos cidadãos à vacina Sputnik é grande.

Para combater este aumento de novos casos, esta quarta-feira Vladimir Putin ordenou uma semana de folga para todos os trabalhadores, no início de novembro, para tentar conter a pandemia.

Mas pouco mais está a ser feito. Há receio que outras medidas restritivas afetem a economia. Por isso, nas ruas de Moscovo, bares e restaurantes continuam abertos. E o uso de máscara é esporádico.Roménia. Morre uma pessoa a cada cinco minutos
Na Europa Oriental são vários os países que estão a sentir o aumento de casos. A Lituânia voltou a impor o confinamento por um mês. E na Roménia, conta a Reuters, as casas funerárias estão a ficar sem caixões.
São países onde a rejeição à vacina é elevada. De acordo com a União Europeia, os países com a taxa de vacinação mais baixa estão no ex-bloco comunista: Bulgária, Roménia, Croácia, Polónia, Lituânia e Estónia.

Na Roménia, está a morrer uma pessoa por Covid-19 a cada cinco minutos. Na Bulgária a situação também é semelhante. Apenas 36 por cento dos romenos adultos estão vacinados
Regulador Europeu não vai aprovar vacina russa tão cedo
A Agência Europeia de Medicamentos não deve tomar qualquer decisão sobre a vacina russa Sputnik V antes do primeiro trimestre de 2022.

Há informação que precisa ser revista, e que falta, disse à Reuters fonte conhecedora do processo.

A EMA lançou a avaliação formal a esta vacina em março, sendo que era esperada uma decisão em maio ou junho. 

Moscovo diz que a Sputnik V é eficaz em cerca de 83% contra a variante Delta. A vacina é usada na Rússia e em outros 70 países. 
Tópicos
pub