Criança australiana ameaçada de expulsão da escola por recusar cantar hino nacional

| Mundo

|

Harper Nielsen, de apenas nove anos, tem as atenções viradas para si na Austrália, depois de se tornar notícia por ter recusado entoar o hino nacional australiano, cuja letra, em sua opinião, desrespeita a história do povo aborígene. Num episódio que se tornou rapidamente político, os pais defendem a ação da menina, enquanto o setor político do país fala de desrespeito pelo país e pede a expulsão de Nielsen da escola.

É um dos temas quentes na Austrália. Harper Nielsen, de apenas nove anos, tornou-se num assunto nacional quando se recusou a cantar o hino nacional por acreditar que o mesmo desconsidera os povos aborígenes, habitantes originários do território que hoje é a Austrália.

Os pais defendem a ação de Harper, destacando a bravura do gesto da menina e por defender aquilo que acredita ser o mais justo. A criança recusou-se, depois de não entoar o hino, a sair da sala da escola de Brisbane, onde está no quarto ano. A escola tentou que Nielsen escrevesse um pedido de desculpas escrito mas a menina de nove anos recusou-se.

"A razão pela qual eu não canto ou não me levanto [durante o hino] é porque o Advance Australia Fair dá apenas ênfase ao progresso da Austrália branca. Quando diz que somos novos, ignora completamente o facto de a cultura indígena estar aqui há mais de 50 mil anos antes de se iniciar a colonização", revelou a rapariga aos meios de comunicação locais.
Classe política critica menina mimada

Uma das primeira reações ao sucedido partiu de Pauline Hanson, líder do partido One Nation (Uma Nação) e senadora da região de Queensland.

Num vídeo publicado no Facebook, a senadora critica uma alegada lavagem cerebral às crianças e o sugerir-se que o hino nacional não represente toda a nação.



Num discurso algo inflamado, Pauline Hanson chega mesmo a dizer que a criança está a ser mal informada e que merece um "pontapé no traseiro (...) Não tem ideia da nossa história e não faz ideia do que precisamos", declarou.

A senadora lembrou que o país gasta 30 mil milhões de dólares todos os anos para a inclusão dos povos aborígenes e que este tipo de atitudes só mostra uma Austrália desunida. Pauline Hanson acusa que os pais de Harper Nielsen querem inclusão mas que não estão a levar a filha pelo melhor caminho.


Já Jarrod Bleijie, membro do Partido Liberal Nacional da Austrália, criticou os pais por utilizarem a filha como uma arma política e pediu respeito e orgulho pelo hino nacional do país.

"Recusar levantar-se desrespeita o nosso país e os nossos veteranos. A suspensão é o que se deve seguir se ela continuar a comportar-se como uma criança mimada", declarou Bleijie na rede social Twitter.

Tópicos:

Advance Australia Fair, Criança, Harper Nielsen, Hino, Austrália,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Girl Move Academy existe há quatro anos com o objetivo de criar uma geração de mulheres líderes.

    Em entrevista à RTP, o paquistanês Ahmad Nawaz recorda o ataque de 2014 a uma escola de Peshawar.

    Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.