Currículos escolares chineses vão incluir teorias do Presidente Xi Jinping

| Mundo

Os estudantes chineses vão passar a estudar a teoria política do Presidente da China, Xi Jinping, após a inclusão desta na constituição do Partido Comunista (PCC), na próxima semana, segundo o jornal South China Morning Post (SCMP).

O diário de Hong Kong cita o ministro da Educação chinês, Chen Baosheng, que afirma que a nova ideologia, expressa no discurso inaugural do XIX Congresso do PCC, será incorporada nos currículos escolares.

"[O pensamento de Xi] vai ser introduzido nos manuais escolares, aulas e cérebro [dos estudantes]", afirmou o ministro.

"Vamos elaborar métodos de ensino específicos que combinem textos de diferentes graus e tópicos", acrescentou.

No discurso inaugural do mais importante evento da agenda política chinesa, proferido perante centenas de delegados do PCC, Xi anunciou o início de uma "nova era", em que a China "erguer-se-á entre todas as nações do mundo".

O secretário-geral do PCC prometeu uma China moderna e próspera, em que o partido não abdicará do controlo sobre economia e sociedade.

"Governo, exército, sociedade e escolas - norte, sul, este e oeste - o Partido é líder de tudo", afirmou.

O título formal da ideologia de Xi será conhecido no encerramento do Congresso, na terça-feira, quando a constituição do Partido for alterada.

Chen afirmou que o ministério irá começar a introduzir o pensamento de Xi, o mais forte líder chinês das últimas décadas, nos manuais escolares, e a treinar professores, como parte da "tarefa histórica" que do ensino.

Tradicionalmente, o partido exerce apertado controlo sobre os currículos escolares, com os livros a enaltecer os feitos do Partido Comunista e a omitir eventos como a sangrenta repressão do movimento pró-democracia de Tiananmen, em 1989.

Desde a ascensão ao poder de Xi, em 2012, as autoridades reforçaram também o controlo sobre o meio acadêmico, advertindo contra a difusão de "conceitos ocidentais" nas salas de aulas.

Em junho, várias universidades chinesas foram publicamente reprendidas pelos inspetores de disciplina do Partido, pelos seus "insuficientes esforços na frente ideológica".

 

Tópicos:

Tiananmen,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.