Dados dos políticos alemães: Hacker identifica-se com a extrema-direita

| Mundo

|

O hacker detido pela polícia por ter divulgado os dados pessoais de um milhar de políticos e outras personalidades alemãs tem manifestado na internet uma virulenta islamofobia e outras convicções de extrema-direita.

O estudante, identificado como Johannes S., vive com os pais no Land de Hesse e já terá confessado a infracção.

Segundo a polícia, o jovem mostra-se frustrado com o comportamento dos políticos. Mas numa primeira busca à sua residência não foram encontrados materiais de propaganda ou outros da extrema-direita.

Contudo, a investigação descobriu também que ele faz parte de uma comunidade autodesignada como "hack-tivists", claramente conotada com a extrema-direita.

A revista semanal Der Spiegel, desde ontem nas bancas, refere que o estudante de 20 anos de idade classifica o Islão como "lixo", e acrescenta: "Não vivemos no século VI". Manifesta, além disso, a sua simpatia por Adolf Hitler e pelo partido nazi.

O autor confesso da massiva devassa aos dados pessoais considera além disso a "Alternativa para a Alemanha" (AfD) como demasiado frouxa para livrar a Alemanha dos imigrantes, e a direita mais extrema, materializada no Partido Nacional Democrático (NPD), como via eficaz para proceder a essa purga.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Festa dos Tabuleiros regressa às ruas da cidade de Tomar. Um longo desfile em que 750 tabuleiros são transportados por mulheres.

    Os líderes europeus não chegaram a acordo sobre quem deve liderar a União nos próximos cinco anos.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.