Deputado português no parlamento de Macau define transparência política e lei sindical como lutas prioritárias

por Lusa

O único deputado português no parlamento de Macau definiu hoje a "crónica falta de transparência política", a responsabilização dos políticos e a lei da associação sindical como lutas prioritárias na próxima sessão da Assembleia Legislativa (AL).

A habitação, os salários e a progressão dos trabalhadores da função pública, as derrapagens financeiras nas grandes obras públicas foram outras das questões que Pereira Coutinho classificou como "as questões mais importantes que permaneceram inalteradas" na última sessão legislativa "e que estão a prejudicar o desenvolvimento sustentável da RAEM".

O deputado pró-democracia, que é também presidente da Associação de Trabalhadores da Função Pública de Macau, destacou a "crónica falta de transparência" nos trabalhos da AL num encontro com os jornalistas que serviu para fazer um balanço do seu trabalho no parlamento.

Pereira Coutinho defendeu o funcionamento das comissões da AL de portas abertas, ao público e à comunicação social para reforçar "a fiscalização dos deputados por parte dos cidadãos e dos meios de comunicação social".

"A grave falta de assunção de responsabilidades por parte dos principais titulares de cargos públicos" e o "abuso de poderes públicos" foram e continuarão a ser alvo do combate político, assegurou, frisando que "sem a transparência política só há escuridão, só há esquemas".

O projeto de lei de associação sindical, chumbado pela sétima vez este ano, voltará ao plenário na próxima sessão legislativa, de novo por sua iniciativa, prometeu.

Uma promessa a juntar à da defesa dos trabalhadores públicos, acrescentou.

"Após quase 20 anos do estabelecimento da RAEM [Região Administrativa Especial de Macau], o Governo sempre afirmou que os funcionários são os recursos mais importantes (...). Contudo, na prática o Governo não tem ajudado a resolver os múltiplos problemas acumulados durante muitos anos", lamentou.

Tópicos
pub