Deputados argentinos aprovam legalização do aborto

| Mundo

População argentina aguarda, ansiosamente, a decisão do Senado
|

A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou esta quinta-feira a legalização do aborto nas primeiras 14 semanas de gravidez. A decisão final cabe agora ao Senado.

O aborto é uma questão controversa e que divide opiniões na sociedade argentina. Isso verificou-se na hora das votações. O debate foi longo e o veredicto foi a favor da legalização da interrupção voluntário da gravidez, com 129 votos a favor e 125 contra.A população argentina assiste atentamente ao debate que vai decidir se se irá fazer história no país sul-americano.

Segundo a agência Reuters, o Presidente da Argentina, Mauricio Macri, apesar de não ter participado na votação, encorajou os seus aliados partidários a votar a favor, mesmo sendo contra a proposta.

Mayra Mendoza, defensora da lei, afirma que esta é uma questão de “saúde pública” e que não se pode ser vista de acordo com a “moral e ética e muito menos com a religião”. Acrescenta que “esta é também uma questão de justiça social”.

A Argentina, assim como a maioria dos países da América latina, permite atualmente o abordo em casos de violação e de risco de vida da mulher. Segundo o jornal espanhol El País, todos os anos são registados entre 350 e 450 mil abortos clandestinos.

O projeto chama a atenção para estes números e para os perigos que as mulheres argentinas correm ao decidirem abortar clandestinamente.

Tópicos:

Argentina, Legalização, Aborto,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.