Deputados argentinos aprovam legalização do aborto

| Mundo

População argentina aguarda, ansiosamente, a decisão do Senado
|

A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou esta quinta-feira a legalização do aborto nas primeiras 14 semanas de gravidez. A decisão final cabe agora ao Senado.

O aborto é uma questão controversa e que divide opiniões na sociedade argentina. Isso verificou-se na hora das votações. O debate foi longo e o veredicto foi a favor da legalização da interrupção voluntário da gravidez, com 129 votos a favor e 125 contra.A população argentina assiste atentamente ao debate que vai decidir se se irá fazer história no país sul-americano.

Segundo a agência Reuters, o Presidente da Argentina, Mauricio Macri, apesar de não ter participado na votação, encorajou os seus aliados partidários a votar a favor, mesmo sendo contra a proposta.

Mayra Mendoza, defensora da lei, afirma que esta é uma questão de “saúde pública” e que não se pode ser vista de acordo com a “moral e ética e muito menos com a religião”. Acrescenta que “esta é também uma questão de justiça social”.

A Argentina, assim como a maioria dos países da América latina, permite atualmente o abordo em casos de violação e de risco de vida da mulher. Segundo o jornal espanhol El País, todos os anos são registados entre 350 e 450 mil abortos clandestinos.

O projeto chama a atenção para estes números e para os perigos que as mulheres argentinas correm ao decidirem abortar clandestinamente.

Tópicos:

Argentina, Legalização, Aborto,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.