Detidos dois suspeitos de entregarem arma a agressor abatido no sábado em Orly

| Mundo

Dois homens foram detidos em França por suspeita de terem fornecido a arma ao homem que no sábado foi abatido no aeroporto de Orly, em Paris, após roubar a arma a uma militar, informaram fontes judiciais.

Os dois suspeitos estavam a ser investigados desde domingo, após serem identificados graças a informações obtidas no telemóvel do agressor, identificado como Ziyed Ben Belgacem, e foram detidos na segunda-feira, acrescentaram as mesmas fontes, citadas pela agência EFE.

Trata-se de um homem de 30 anos, detido em estado de embriaguez num controlo rodoviário e suspeito de ter fornecido a arma ao agressor dias antes do incidente, e de outro de 43 anos, que terá estado presente no momento da entrega da arma.

Segundo as fontes, nenhum dos dois parece ter relação com meios islamitas radicais.

Belgacem foi abatido no sábado no aeroporto de Orly após agredir uma militar a quem conseguiu roubar a arma.

O ataque ocorreu cerca de duas horas depois de Belgacem, que tinha antecedentes criminais por roubo à mão armada e por tráfico de estupefacientes, ter disparado contra uma agente num posto de controlo da polícia numa zona a norte de Paris e se ter deslocado para a zona sul da capital até ao aeroporto de Orly.

A investigação, a cargo da secção antiterrorista da procuradoria de Paris, centra-se na determinação dos motivos que levaram Belgacem a cometer o ataque.

Segundo a autópsia, o agressor tinha consumido drogas e álcool.

O pai do francês afirmou que o filho "não era um terrorista" e que o seu comportamento teria sido causado pela bebida e pela droga.

Disse ainda que o filho lhe telefonou minutos depois de ter disparado contra a agente "num estado de extrema agitação".

Tópicos:

Orly,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.