Dezenas de ataques bombistas no sul da Tailândia

| Mundo

As autoridades tailandesas afirmaram hoje que duas mulheres ficaram feridas, na sequência de vários ataques bombistas por alegados extremistas muçulmanos em quatro províncias no sul do país.

Um porta-voz do comando de segurança conjunta dos militares e dos policias do sul da Tailândia declarou que os atentados ocorreram no domingo à noite e que cerca de duas dúzias de explosivos foram colocados perto de caixas de multibanco, postes de eletricidade e de alguns edifícios, nas províncias de Yala, Pattani, Narathiwa e Songkhla.

Os ataques com armas ligeiras, homicídios e atentados com explosivos acontecem frequentemente nas províncias de Yala, Pattani e Narathiwat, de maioria muçulmana e etnia malaia. Desta vez, os ataques bombistas chegaram também à província de Songkhla.

Mais de 6.500 pessoas morreram no sul da Tailândia desde que o movimento separatista muçulmano retomou a luta armada em 2004.

As recentes negociações para um cessar-fogo entre as autoridades e as fações separatistas não registaram, até ao momento, quaisquer progressos.

Os rebeldes denunciam a discriminação que sofrem por parte da maioria budista da Tailândia e exigem a criação de um Estado islâmico que integre estas três províncias que configuravam o antigo sultanato de Pattani, anexado pela Tailândia há cerca de um século.

Tópicos:

Yala Pattani Narathiwa,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.