Cimeira nuclear. Trump reúne-se em maio com Jong-un

| Mundo

"Há um grande progresso, mas as sanções vão continuar até haver um acordo. A reunião está a ser planeada!", escreve Trump no Twitter
|

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai reunir-se em maio com o homólogo da Coreia do Norte, Kim Jong-un, anunciou um dirigente sul-coreano.

A reunião foi proposta por Kim Jong-un, que ofereceu a suspensão do programa nuclear e balístico em troca do início de negociações, informaram representantes sul-coreanos em Washington.

O diretor do gabinete de Segurança Nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-yong, que liderou a delegação sul-coreana enviada a Washington, entregou ontem a Trump uma carta assinada na segunda-feira por Kim Jong-un.


O Presidente norte-americano já escreveu sobre o assunto no Twitter. A intenção do presidente da Coreia do Norte, afirma Donald Trump, é avançar com a desnuclearização, "não apenas um congelamento" do programa nuclear.
"Há um grande progresso, mas as sanções vão continuar até haver um acordo. A reunião está a ser planeada!", conclui Trump.

O primeiro-ministro japonês também já reagiu a este anúncio, felicitando a mudança de atitude da Coreia do Norte. No entanto, diz que é preciso manter a máxima pressão sobre o regime norte-coreano.

Shinzo Abe falou ao telefone com Donald Trump, que concordou com a posição japonesa. O chefe do Executivo japonês deverá visitar os Estados Unidos em abril, precisamente para discutir a questão da Coreia do Norte.

Perante a notícia desta cimeira, o comentador de assuntos internacionais da Antena 1 Filipe Vasconcelos Romão sublinha que ainda não é possível perceber o que levou a Coreia do Norte a mudar de atitude, numa altura em que tem havido sucessivos avanços e recuos por parte do regime, mas também de Administração norte-americana.

Filipe Vasconcelos Romão admite mesmo que possa tratar-se de um golpe de marketing que serve a Presidência de Trump.

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.