Erdogan à frente nas presidenciais na Turquia após contagem de um quarto dos votos - agência estatal

| Mundo

O chefe de Estado turco cessante, Recep Tayyip Erdogan, lidera os resultados das eleições presidenciais de hoje na Turquia com 58,5% quando estão contados mais de um quarto dos votos, indicou a agência estatal Anadolu.

Erdogan, que precisa de conseguir mais de 50% dos votos para evitar uma segunda volta, é seguido pelo social-democrata Muharrem Ince, que obteve 27,13% dos votos, segundo a contagem parcial.

Os turcos votaram hoje em eleições antecipadas para escolher o presidente e os deputados, consideradas um dos escrutínios mais disputados desde que Erdogan chegou ao poder, em 2003.

Depois de Erdogan e Ince aparecem a candidata nacionalista Meral Aksener (7,6%), o candidato pró-curdo que está preso Selahattin Demirtas (5,7%), e dois outros candidatos.

A contagem dos votos para os deputados é mais lenta. Segundo a Anadolu, a coligação formada pelo partido de Erdogan, o Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) e pelo ultranacionalista Partido de Ação Nacionalista (MHP) está à frente com 65% dos votos quando estão contados 10% dos boletins.

A aliança da oposição, constituída pelo pelo Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata), o Iyi Parti (Bom Partido, direita nacionalista) e o Saadet (Partido da Felicidade, islamita conservador), está em segundo lugar com 25,50% dos votos.

Se nenhum dos candidatos à presidência conseguir mais de 50% dos votos a segunda volta realiza-se a 8 de julho.

PAL // JPS

 

Tópicos:

Erdogan, Turquia,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.