Estados Unidos advertem Caracas sobre medidas económicas fortes e rápidas

| Mundo

|

O Presidente norte-americano Donald Trump advertiu Caracas na segunda-feira de que os EUA vão avançar com ações económicas fortes e rápidas, caso o Governo do Presidente Nicolás Maduro imponha uma Assembleia Constituinte.

"Ontem (no domingo), o povo venezuelano deixou claro que defende a democracia, a liberdade e o estado de direito. No entanto, as suas ações fortes e corajosas continuam a ser ignoradas por um líder ruim que sonha em tornar-se um ditador", indica um comunicado da Casa Branca.

No documento, Donald Trump sublinha que "os EUA não vão ficar parados enquanto a Venezuela se desintegra".

"Se o regime de Maduro impuser a sua Assembleia Constituinte, a 30 de julho, os EUA tomarão ações económicas fortes e rápidas. Os EUA exigem mais uma vez eleições livres e justas e unem-se ao povo da Venezuela na busca de restaurar, para o seu país, uma democracia plena e próspera", conclui.

Um comunicado do Departamento de Estado dos EUA refere, por outro lado, que Washington aplaude "a coragem e determinação dos venezuelanos que exerceram os seus direitos de liberdade de expressão, associação e reunião pacífica, em defesa da sua democracia", no plebiscito de domingo contra Nicolás Maduro.

"O voto foi um grande repúdio à proposta da Assembleia Constituinte, que prejudicaria a Venezuela e as suas instituições democráticas. O voto de milhões de venezuelanos foi uma afirmação inequívoca do apoio a eleições livres e justas, assim como pelo respeito à Constituição existente", afirma.

O comunicado sublinha que os EUA "condenam a perda de vidas em Cátia, Caracas", na sequência de um ataque de homens armados contra pessoas que votavam e pedem "ao Governo venezuelano que leve os atacantes à justiça".

"Milhões de vozes venezuelanas não devem ser ignoradas. Os EUA pedem ao Governo da Venezuela que abandone a proposta de Assembleia Constituinte. Encorajamos os governos do hemisfério e de todo o mundo a pedir ao Presidente Maduro que suspenda este processo, que só busca minar a democracia na Venezuela", sublinha.

O documento conclui sublinhando, à semelhança de Donald Trump, que "os EUA estão preparados para tomar ações económicas fortes e rápidas se o Governo da Venezuela prosseguir com a ação da Assembleia Constituinte".

Tópicos:

Constituinte, Donald Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.