EUA. Candidata Elizabeth Warren considera suspender apoios a Israel

por RTP

A senadora democrata Elizabeth Warren, candidata às primárias do Partido Democrata para a presidência norte-americana, declarou no domingo que consideraria reter os apoios a Israel de modo a forçar esse país a congelar as construções na Cisjordânia.

“Neste momento, [o primeiro-ministro] Benjamin Netanyahu diz que Israel está a caminhar para um plano de ainda mais construções [na Cisjordânia]. Isso não nos leva a uma solução de dois Estados”, considerou Elizabeth Warren.

“A política oficial dos Estados Unidos é apoiar uma solução de dois Estados e, se Israel se está a dirigir no sentido oposto, então está tudo sobre a mesa”, sublinhou.


Também o senador e candidato presidencial Bernie Sanders já referiu, em junho, que “sem dúvida” consideraria uma redução do apoio norte-americano a Israel com o objetivo de exercer pressão.

“Em anos recentes, com Netanyahu, tem-se assistido a um Governo de extrema-direita com muitas tendências racistas”, considerou então Sanders, esclarecendo, porém, que não tomaria decisões que tornassem Israel militarmente vulnerável.Os Estados Unidos providenciam a Israel cerca de 3,8 mil milhões de dólares em assistência militar todos os anos.

Os pacotes de apoios militares norte-americanos a Israel têm aumentado gradualmente desde os anos 1980, quando começaram a ser enviados, e são considerados um elemento essencial nas relações entre o país e os EUA.

Em setembro de 2016, o então Presidente Barack Obama assinou, em conjunto com Benjamin Netanyahu, um memorando que elevou o valor do apoio prestado de 3 mil milhões para 3,8 mil milhões de dólares anuais durante um período de dez anos.

Este apoio norte-americano, que até agora poucos legisladores têm contestado, é visto por Israel como um fator-chave para ajudar a manter a vantagem em relação às ameaças na região.
Tópicos