EUA saúdam cessar-fogo na Faixa de Gaza

por Lusa

Os Estados Unidos saudaram hoje o acordo de cessar-fogo alcançado na Faixa de Gaza com Israel, anunciou hoje o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken.

"O acordo trará uma pausa bem-vinda aos civis israelitas e palestinianos e permitirá o muito necessário abastecimento de combustíveis e outros bens à Faixa de Gaza", indicou Blinken num comunicado, acrescentando: "Expressamos as nossas condolências às famílias dos civis que perderam a vida ou ficaram feridos".

A detenção a 01 de agosto de Bassem Saadi, um líder do grupo extremista palestiniano Jihad Islâmica na Cisjordânia, ocupada por Israel desde 1967, levou ao atual surto de violência.

O exército israelita lançou na sexta-feira uma operação militar, anunciada como um "ataque preventivo" contra a Jihad Islâmica, na qual os seus principais líderes militares em Gaza, Tayssir Al-Jabari e Khaled Mansour, foram mortos, juntamente com vários combatentes do grupo.

As mortes dos líderes militares foram confirmadas pela Jihad Islâmica, organização considerada "terrorista" por Israel, pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

O primeiro-ministro israelita, Yair Lapid, disse que a operação em Gaza iria continuar "enquanto fosse necessário", descrevendo o ataque que matou Khaled Mansour no sábado como um "resultado extraordinário".

As autoridades israelitas justificaram a operação lançada na sexta-feira com o receio de represálias por parte da Jihad Islâmica após a detenção de Bassem al-Saadi a 01 de agosto na Cisjordânia.

Nos últimos dois dias, cerca de 40 membros da Jihad Islâmica foram presos pelas forças israelitas na Cisjordânia.

Antes do anúncio agora divulgado pela Jihad Islâmica, o movimento armado palestiniano tinha lançado vários morteiros sobre Israel e Jerusalém, que foram intercetados pelo sistema de defesa antimíssil israelita, de acordo com o seu exército.

Na Faixa de Gaza, 17 palestinianos, incluindo nove crianças, foram mortos em resultado de rusgas do exército israelita em Jabalia, na cidade de Gaza e em Rafah, segundo o movimento armado palestiniano Hamas, no poder neste enclave sob bloqueio israelita há mais de 15 anos.

Desde o início desta operação israelita contra a Jihad Islâmica na sexta-feira, "43 palestinianos caíram como mártires, incluindo 15 crianças e quatro mulheres, e 311 ficaram feridos", de acordo com o último relatório do ministério da Saúde do Hamas.

Tratou-se do pior confronto entre o Estado hebreu e organizações armadas da Faixa de Gaza desde a guerra de maio de 2021, que fez em 11 dias 260 mortos, incluindo combatentes, do lado palestiniano, e 14 mortos em Israel, entre os quais um soldado, de acordo com as autoridades locais.

Israel impõe desde 2007 um embargo à Faixa de Gaza, território com 2,3 milhões de habitantes, governado pelos radicais islâmicos do Hamas.

Hoje, o Departamento de Estado norte-americano declarou-se "profundamente grato pelos incansáveis esforços do Egito para ajudar a mediar este acordo" de cessar-fogo.

"Também elogiamos os importantes papéis desempenhados nos últimos dias pelo Qatar, pelo enviado especial da ONU [Tor] Wennesland, pela Jordânia e pela Autoridade Palestiniana", lê-se no comunicado, que refere igualmente: "A nossa equipa trabalhou ininterruptamente com as partes [em conflito] para obter este resultado".

"Os Estados Unidos continuam dedicados ao seu firme compromisso com a segurança de Israel e permanecerão totalmente empenhados nos próximos dias para manter a calma", sublinhou Blinken no texto.

O chefe da diplomacia norte-americana deixou ainda uma promessa: "Continuaremos nos próximos meses a trabalhar com os nossos parceiros para melhorar a qualidade de vida dos palestinianos na Faixa de Gaza".

"Palestinianos e israelitas merecem viver em segurança e desfrutar de iguais quantidades de liberdade, prosperidade e democracia", concluiu Antony Blinken.

ANC (APL) // PDF

Lusa/Fim

pub