Exemplo português invocado para justificar exumação de Franco

| Mundo

|

O presidente da associação que lutou desde sempre para retirar o ditador espanhol do "Vale dos Caídos" felicita-se pela iminente concretização desse desiderato. E justifica-o dizendo que em Portugal também não há monumentos a Salazar, tal como não os há a Mussolini na Itália ou a Pinochet no Chile.

Em entrevista concedida ao diário francês Le Monde, Emilio Silva, neto de um republicano morto na guerra civil e presidente da Associação para Recuperação da Memória Histórica (ARMH), invocou o exemplo português entre o de outros países que hoje se recusam a homenagear os seus antigos ditadores.

Do  mesmo modo, explica, Francisco Franco e o ditador que antecedeu a República, o general Primo de Rivera, não deveriam continuar em Espanha a ocupar, à custa do contribuinte, o mausoléu do Vale dos Caídos, edificado com o trabalho escravo de prisioneiros republicanos. No local encontram-se sepultadas 33.700 vítimas da guerra civil, mais de metade das quais não identificadas.

Em 1959, ano da inauguração, a Espanha franquista foi admitida na ONU e o ditador alterou o plano inicial, que previa apenas sepultar no Vale dos Caídos combatentes fascistas. Para fazer um gesto teatral, que simbolizasse a existência de uma única Espanha, Franco determinou que, finalmente, também ali fossem enterrados combatentes republicanos.

Essa mudança de planos de última hora levou-o a mandar retirar de valas comuns numa centena de aldeias os corpos de milhares de republicanos, e trasladá-los para o Vale dos Caídos. Para aqueles que eram conhecidos, de nada serviram os protestos e objecções das famílias.

Agora, o Governo do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) decidiu que proporia ao parlamento a retirada de Franco do mausoléu e deu à família a opção de enterrá-lo ao lado de sua mulher, Carmen Polo, que se encontra no cemitério do Pardo, próximo de Madrid.

Tem havido protestos de generais franquistas reformados, da família do ditador e de uma parte da Igreja católica, os beneditinos, que detêm formalmente a administração do local. Mas o PSOE deverá obter uma maioria parlamentar com o apoio expresso de "Podemos" e dos partidos nacionalistas bascos e catalães, e beneficiando mesmo da abstenção da direita (PP e "Ciudadanos"). Por outro lado, a família de Franco já se prepara para a acatar a trasladação e a conferência episcopal desautoriza as objecções dos beneditinos.

Na entrevista a Le Monde, Emilio Silva lembra que "em Portugal não há nenhum monumento a Salazar, nem no Chile a Pinochet nem em Itália a Mussolini" e considera que a exumação e trasladação, a confirmarem-se em breve, têm grande importância simbólica: "É como se a democracia desse uma ordem ao ditador e ele tivesse de submeter-se [a essa ordem]".

A informação mais vista

+ Em Foco

Um "cemitério de dinossauros" descoberto na Argentina, com 220 milhões de anos apresenta fósseis de uma dúzia de animais.

    Um dia que ficará para a história. O dia em que um dos monumentos mais emblemáticos do Mundo foi apanhado pelo fogo.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.