FMI corta previsão de crescimento dos EUA para 2,9% este ano

por Lusa

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou hoje o corte da previsão de crescimento dos Estados Unidos para 2,9% em 2022 e 1,7% em 2023.

A diretora-geral do FMI, Kristalina Georgieva, pediu ainda a anulação de taxas restritivas ao comércio.

FMI cortou a previsão de crescimento da economia mundial para este ano em 0,5 pontos percentuais (pp.) para 4,4%, de acordo com o relatório divulgado em janeiro, antes do início da guerra na Ucrânia.

"O crescimento global é estimado em 5,9% em 2021 e deverá moderar para 4,4% em 2022, meio ponto percentual abaixo do que nas Previsões Económicas Mundiais de outubro de 2021", podia ler-se na atualização publicada pelo FMI.

Segundo a instituição, a revisão refletia o impacto das restrições de mobilidade, do encerramento de fronteiras e do efeito na saúde da propagação da variante Ómicron, com um peso diferenciado de país para país.

"O impacto negativo deverá desaparecer a partir do segundo trimestre, assumindo que o aumento global de infeções por Ómicron diminui e o vírus não sofre mutações para novas variantes que exigem mais restrições de mobilidade", explicava o FMI.

De acordo com a instituição presidida por Kristalina Georgieva, o corte da estimativa é amplamente afetado pela revisão em baixa das projeções para as duas maiores economias mundiais.

O FMI previa que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos crescesse 4% este ano, menos 1,2 pp. do que no relatório de outubro, e o da China avançasse 4,8%, menos 0,8 pp. do que previa anteriormente.

O FMI estimava ainda que o crescimento da economia mundial pudesse continuar a desacelerar em 2023 para 3,8%, contudo 0,2 pp. acima do que estimava anteriormente, mas um resultado sobretudo "mecânico".

Tópicos
pub