Fox afasta comentador que acusou britânicos de ajudarem Obama a espiar Trump

| Mundo

A Fox News afastou hoje o analista Andrew Napolitano, após rejeitar o comentário de que os serviços secretos britânicos ajudaram o antigo Presidente dos Estados Unidos Barack Obama a espiar o sucessor, Donald Trump.

Um executivo do canal de televisão, que pediu o anonimato, citado pela agência noticiosa Associated Press (AP), confirmou que Napolitano foi afastado e não vai voltar a aparecer no ar tão cedo, uma decisão inicialmente noticiada pelo jornal Los Angeles Times.

Na passada quinta-feira, a Casa Branca citou a Fox News para assegurar que Obama pediu aos serviços de informações britânicos que monitorizassem Donald Trump, para "garantir que não havia pistas norte-americanas".

Um dia depois, o Presidente dos Estados Unidos declarou que a Casa Branca não devia ser criticada por isso.

Na sexta-feira, durante uma conferência de imprensa conjunta com a chanceler alemã, Angela Merkel, Trump afirmou: "Não dissemos nada. Tudo o que fizemos foi citar um perito legal muito talentoso, que é o único responsável por ter dito isso na televisão".

Na segunda-feira, o diretor da polícia federal (FBI, na sigla em inglês), James Comey, afirmou que não foram encontradas provas que sustentem a acusação.

Tópicos:

Donald Trump, Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevistado no 360, da RTP3, o ministro das Finanças quis sublinhar que o seu cargo governativo não é exclusivo e pode ser compatível com a presidência do Eurogrupo.

Há muitas perguntas no caminho e muitas respostas que só o caminho pode dar. Pela Última Vez - Histórias sobre o fim que não acaba é o título de uma grande reportagem de Isabel Meira para a rádio pública.

Um atentado suicida em Manchester provocou 22 mortos e dezenas de feridos. A explosão decorreu no final de um concerto da digressão de Ariana Grande Dangerous Woman Tour.

    Salvador Sobral em entrevista a Maria Flor Pedroso da Antena 1