Fronteiras XXI: Verdade e mentira nas redes sociais. Participe

| Mundo

|

Papa Francisco apoia Trump para a liderança dos EUA? Mulher infectou 586 homens com HIV? Grupo de 50 árabes viola mulheres num restaurante na Alemanha? Notícias como estas são totalmente falsas mas foram partilhadas milhares e milhares de vezes nas redes sociais e chegaram a ser até publicadas nos media.

Com quase 2,8 mil milhões de utilizadores em todo o mundo, plataformas digitais como o Facebook ou o Twitter são cada vez mais palco para campanhas de ódio, difamação política e notícias falsas. Vários peritos apontam-nas como uma verdadeira ameaça à democracia e até o Vaticano fez das “fake news” o tema da sua jornada mundial da Comunicação Social.

Ao mesmo tempo, as redes continuam a ser um dos principais meios de denúncia e mobilização social. Portugal não foge à regra como mostram os recentes casos de agressões por seguranças à porta da discoteca Urban, onde a partilha de um vídeo fez em 24 horas mais do que as 38 queixas contra o estabelecimento recebidas pelas autoridades, ou o polémico acórdão envolvendo uma vítima de violência doméstica e citações bíblicas.

Que poder têm as redes sociais? E como podemos torna-las mais seguras? Que ameaças traz a justiça popular nas redes? E como podem os utilizadores proteger-se da difamação ou de ver os seus perfis analisados para campanhas publicitárias e políticas?

Para responder a estas e outras perguntas convidamos a cronista e jornalista Clara Ferreira Alves, um dos maiores peritos em media sociais, o publicitário brasileiro Renato de Paula, o especialista em política internacional Bernardo Pires de Lima e o subdirector de informação da RTP para a área multimédia Alexandre Brito.

Sabia mais em fronteirasxxi.pt e envie as suas perguntas aos oradores aqui:

https://fronteirasxxi.pt/redessociais/#formulario


Não perca no dia 13 de Dezembro às 22 horas na RTP3.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.