Furacão Ophelia em direção aos Açores

| Mundo

|

A tempestade tropical Ophelia transformou-se em furacão após os ventos atingirem os 120 quilómetros por hora. Os efeitos deverão sentir-se nas ilhas de Santa Maria e São Miguel, nos Açores, a partir da tarde de sábado.

É o décimo furação este ano no oceano Atlântico. A tempestade Ophelia passou a furacão com a categoria 1, com ventos na ordem dos 120 quilómetros por hora.

Segundo o último relatório do Centro Nacional de Furacões (NHC), com sede em Miami, o furacão encontra-se a sudoeste do arquipélagos dos Açores, movendo-se a uma velocidade de seis quilómetros por hora.

O furacão Ophelia deverá atingir os Açores a partir da tarde de sábado. Foto: NHC

Se a atual trajetória se mantiver, os efeitos do Ophelia deverão sentir-se nas ilhas de Santa Maria e São Miguel, a partir da tarde de sábado com os ventos a estenderem-se até 35 quilómetros do seu centro.

Segundo um comunicado do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para sábado, não se prevê que as ilhas do Grupo Ocidental (Flores e Corvo) sofram influência deste ciclone tropical. Para as ilhas do Grupo Central (Faial, Pico, S. Jorge, Graciosa e Terceira), existe uma baixa probabilidade, entre 5 e 10%, de as ilhas sofrerem influência deste ciclone.

Relativamente às ilhas do Grupo Oriental a probabilidade do ciclone influenciar o estado do tempo, a partir de sábado (14 de Outubro), em São Miguel varia entre 20 a 30% e em Santa Maria varia de 40 a 50%.

Na segunda-feira, o fenómeno meteorológico deverá atingir a Irlanda mas já transformado em tempestade tropical.

A costa da Galiza não será afetada, ao contrário do que que previam os relatórios anteriores.

Tópicos:

Açores, Furacão, Ophelia,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.