Governo moçambicano e Renamo ultrapassaram a desconfiança - Comissão dos Direitos Humanos

| Mundo

Maputo, 13 set (Lusa) - A Comissão Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Moçambique considerou hoje que o Governo e a Renamo ultrapassaram a desconfiança nas negociações para uma paz definitiva no país, assinalando que um eventual acordo será mais sólido que os anteriores.

"A Comissão Nacional dos Direitos Humanos acredita que o acordo que vem a seguir é um acordo que será definitivo, é uma paz que será de facto mais consolidada, mais amadurecida", disse o presidente da CNDH, Custódio Duma, falando em conferência de imprensa.

Custódio Duma assinalou que as últimas declarações do Presidente da República, Filipe Nyusi, e do líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Afonso Dhlakama, denotam que a desconfiança entre as duas partes está a ser superada.

"Temos desta vez notado que o discurso da desconfiança não tem aparecido, até o aperto de mão [entre Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama] mostrou que o discurso e o sentimento de desconfiança cessaram", frisou Custódio Duma.

Na declaração que leu a propósito dos 25 anos do Acordo Geral de Paz, assinado a 04 de outubro de 1992, o presidente da CNDH realçou que uma estabilidade política em Moçambique impõe a manutenção de uma cultura de diálogo, inclusão, tolerância, solidariedade e desmilitarização das mentes.

"A nossa paz precisa de todos nós para que seja plena e efetiva", declarou Custódio Duma.

Moçambique vive uma trégua entre as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e o braço armado da Renamo, depois de meses de instabilidade, na sequência da recusa do principal partido da oposição em reconhecer a derrota nas eleições gerais de 2014.

Governo e Renamo têm reiterado que as duas partes chegarão a um acordo até final deste ano no âmbito das negociações em curso para uma paz definitiva no país.

Tópicos:

Nyusi, Resistência,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista exclusiva à editora de Política da RTP, no primeiro dia de trabalho como líder do PSD, Rui Rio defendeu que há mais vida para além da taxa de crescimento económico.

Nicolás Maduro quer alargar a esfera de poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. Trata-se de um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.