Governo moçambicano e Renamo ultrapassaram a desconfiança - Comissão dos Direitos Humanos

| Mundo

Maputo, 13 set (Lusa) - A Comissão Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Moçambique considerou hoje que o Governo e a Renamo ultrapassaram a desconfiança nas negociações para uma paz definitiva no país, assinalando que um eventual acordo será mais sólido que os anteriores.

"A Comissão Nacional dos Direitos Humanos acredita que o acordo que vem a seguir é um acordo que será definitivo, é uma paz que será de facto mais consolidada, mais amadurecida", disse o presidente da CNDH, Custódio Duma, falando em conferência de imprensa.

Custódio Duma assinalou que as últimas declarações do Presidente da República, Filipe Nyusi, e do líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Afonso Dhlakama, denotam que a desconfiança entre as duas partes está a ser superada.

"Temos desta vez notado que o discurso da desconfiança não tem aparecido, até o aperto de mão [entre Filipe Nyusi e Afonso Dhlakama] mostrou que o discurso e o sentimento de desconfiança cessaram", frisou Custódio Duma.

Na declaração que leu a propósito dos 25 anos do Acordo Geral de Paz, assinado a 04 de outubro de 1992, o presidente da CNDH realçou que uma estabilidade política em Moçambique impõe a manutenção de uma cultura de diálogo, inclusão, tolerância, solidariedade e desmilitarização das mentes.

"A nossa paz precisa de todos nós para que seja plena e efetiva", declarou Custódio Duma.

Moçambique vive uma trégua entre as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e o braço armado da Renamo, depois de meses de instabilidade, na sequência da recusa do principal partido da oposição em reconhecer a derrota nas eleições gerais de 2014.

Governo e Renamo têm reiterado que as duas partes chegarão a um acordo até final deste ano no âmbito das negociações em curso para uma paz definitiva no país.

Tópicos:

Nyusi, Resistência,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.