Governo são-tomense prolonga luto nacional e confirma enterro no Alto de São João

por Lusa

As autoridades são-tomenses prolongaram até ao final de sábado o luto nacional pela morte do ex-presidente Evaristo Carvalho, que será sepultado no cemitério do Alto de São João e não na sua terra natal, como anunciado anteriormente.

"Vem o Governo comunicar que depois desse encontro de alto nível [entre órgãos de soberania] e após consultas com os representantes da família do malogrado ex-presidente Evaristo Carvalho, chegou-se a um entendimento de que o funeral se realizará no sábado, dia 04 de junho corrente, pelas 16:00 no cemitério do Alto São João", lê-se no comunicado do Governo são-tomense hoje divulgado.

O documento assinado pelo secretário de Estado da Comunicação Social, Adelino Lucas, anula a informação avançada na terça-feira pela Assembleia Nacional, segundo a qual o enterro de Evaristo Carvalho seria no cemitério da sua terra natal, em Santana.

Por outro lado, o documento refere que "é prolongado o luto nacional" pela morte do ex-chefe de Estado "até às 18:00 de sábado".

O programa de velório e das exéquias fúnebres divulgado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros indica que a urna com o corpo do ex-presidente chegará hoje a São Tomé às 17:00 (mais uma hora em Lisboa), seguindo para o Hospital Central Dr. Ayres de Menezes, e pelas 18:00 locais seguirá para o Palácio dos Congressos, onde permanecerá em câmara ardente até às 11:30 de sábado.

Na sexta-feira prevê-se a assinatura do livro de condolências pelos titulares dos órgãos de soberania e o embaixador da Guiné Equatorial, na qualidade de decanos dos embaixadores acreditados em São Tomé e Príncipe.

No sábado, haverá sessão solene às 10:00 na Assembleia Nacional, seguido do cortejo fúnebre, missa de corpo presente na Igreja da Sé Catedral, seguindo-se com o cortejo fúnebre a Santana e regressando depois ao cemitério do Alto de São João, às 15:00, onde irá decorrer homenagens antes do enterro previsto para as 15:30.

O antigo chefe de Estado são-tomense estava internado num hospital em Lisboa e morreu cerca das 22:00 de sábado.

Eleito Presidente de São Tomé e Príncipe em 18 de julho de 2016, Evaristo Carvalho exerceu o mandato até 02 de outubro de 2021, quando lhe sucedeu Carlos Vila Nova.

Pai de 25 filhos, Evaristo Carvalho era um histórico da política são-tomense, tendo sido, por duas ocasiões, primeiro-ministro em governos de iniciativa presidencial e presidente da Assembleia Nacional.

Técnico de agricultura, Evaristo Carvalho começou por ser um quadro do partido único - Movimento para a Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) - após a independência e até ao início do multipartidarismo, na década de 1990.

Foi chefe de gabinete de Miguel Trovoada quando este foi Presidente da República e aderiu à Ação Democrática Independente (ADI), partido hoje liderado pelo filho daquele e antigo primeiro-ministro, Patrice Trovoada.

pub