Guterres reitera apelo à calma no Irão e pede respeito pelo direito de manifestação

| Mundo

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu hoje que "a violência seja evitada" no Irão, exortando as autoridades de Teerão a respeitarem o direito de manifestação e a liberdade de expressão do povo iraniano.

Em declarações aos jornalistas, um porta-voz das Nações Unidas, Farhan Aziz Haq, afirmou que António Guterres -- que já se tinha pronunciado na terça-feira sobre a atual situação no território iraniano -- está "preocupado com os últimos desenvolvimentos no Irão" e exorta as autoridades de Teerão "a respeitarem o direito de manifestação pacífica e a liberdade de expressão".

O secretário-geral da ONU "lamenta a perda de vidas em manifestações", disse Farhan Aziz Haq, repetindo as palavras proferidas na terça-feira em representação de António Guterres, também em declarações à comunicação social.

O Irão é palco desde o passado dia 28 de dezembro de grandes manifestações contra a má situação económica do país e o regime dos `ayatollahs`.

Os protestos, iniciados em Machhad (nordeste do Irão) e que rapidamente se propagaram a outros pontos do país, já levaram à morte de pelo menos 21 pessoas e à detenção de centenas de pessoas.

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    Em entrevista exclusiva à RTP, Flávio, um dos filhos de Jair Bolsonaro, afirmou que o candidato do PT Fernando Haddad devia juntar-se a Lula da Silva.

    Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

      Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.