Hepatite atinge mais crianças e há suspeitas de relação com a covid

por RTP
Reuters

Os casos de doença no fígado em crianças continuam a aumentar e as questões sobre o que pode estar a provocar a doença também sobem de tom. Os médicos estão a tentar associar os sintomas a doenças mais conhecidas e a covid-19 está no topo. No entanto, ainda é cedo para atribuir causas para os casos nas crianças.

Já foram detetados mais de 600 casos de hepatite sem causa aparente. A doença afeta crianças sem qualquer precedente, saudáveis, e que agora são atacadas por uma doença mais severa. O número de casos no Reino Unido já está perto dos 200 e nos Estados Unidos são 180, todos eles com sequelas que podem levar à hospitalização.

Apesar do aparecimento da doença, a causa está ainda por determinar e está a levantar várias questões na comunidade médica.

Jason Kindrachuk, professor assistente da universidade de Manitoba, avisou que o cenário muda a cada hora. “A cada momento, estamos a começar a perceber o problema. Mas ainda não temos todas as peças do puzzle”, continuou.

Inflamações leves no fígado costumam ser comuns em crianças, mas doença severa já é algo “fora da caixa”. Em todo o mundo já foram 26 as pessoas a precisarem de um transplante de fígado e cinco pessoas já morreram nos Estados Unidos. Os primeiros casos foram descobertos no Estado do Alabama e, depois do aviso do Centro de Doenças, outros casos foram descobertos em outros Estados.

Apesar de se falar em hepatite aguda, análises ao sangue mostram que não são os suspeitos do costume a causar a inflamação, e este grupo inclui as hepatites A, B, C, D e E. Outras causas estão a ser estudadas. Pode tratar-se de um novo vírus, que ainda não foi identificado, ou de um vírus já existente ou de muitos vírus juntos que estejam a causar este tipo de sintomas.

Muito se falou já do adenovírus, um grupo comum de vírus que se encontra na corrente sanguínea de muitos pacientes. No entanto, os exames aos fígados que têm sido realizados não mostram qualquer ligação.

Não é raro serem encontrados sintomas raros de outros vírus mais comuns. Em 2012, por exemplo, soube-se que um enterovírus era a causa de uma doença rara conhecida por mielite flácida aguda. Outra causa a ser estudada é a covid-19 e as sequelas que deixa a longo prazo.

Muitos dos casos foram registados em crianças com historial de covid. Mas outras apanharam a doença. Nos Estados Unidos, acredita-se que o novo coronavírus tenha infetado 75 por cento das crianças, que ainda são muito novas para receberem a vacina. Durante a pandemia foi estudada a possibilidade de haver relação entre a covid e problemas no fígado.

O alarme foi levantado por médicos italianos em maio de 2021, depois deuma criança de dez anos ter tido problemas no fígado durante uma infeção por covid-19. Investigadores brasileiros também encontraram provas de ligação entre a covid e a hepatite em sistemas imunitários com problemas.

Pesquisa realizada durante a pandemia mostra que a síndrome inflamatória multissistémica, associada à covid, está também ligada a problemas no fígado.

Investigadores da Índia realizaram um estudo, ainda não publicado, que mostra um aumento do número de casos de hepatite em pediatria dias após as crianças terem testado positivo para a covid-19. Em 475 crianças que tiveram covid, 37 apareceram com sintomas de hepatite logo a seguir, recuperando sem problemas após tratamento.

Outra parte do estudo faz a comparação do funcionamento do fígado em crianças que tiveram covid e outros casos de crianças sem problemas respiratórios.

Rong Xu, professora de informática biomédica e co-autora do estudo, explicou que as crianças que tiveram covid apresentam maior risco de ter um funcionamento do fígado com problemas. No entanto, isto não significa uma ligação confirmada entre a covid e a hepatite.

“Neste estudo encontrámos apenas uma associação [entre covid e problemas no fígado]”. A médica explicou também que é necessário estudar se crianças com problemas no fígado depois da covid sofrem de outros problemas.

A situação pode acontecer devido a um sistema imunitário fraco, enfraquecido pela covid ou por outros vírus, o que torna as crianças suscetíveis à hepatite. Outros investigadores estão a dizer que a infeção por covid pode levar a reações desmesuradas do sistema imunitário, que depois reage mal a outras infeções.

Os especialistas dizem que o estudo é apenas uma peça da cadeia mas não é conclusivo.

“Estamos sempre a encontrar peças do puzzle e devagarinho vamos juntando-as”, explicou Kindrachuk. “Todas estas coisas têm de ser colocadas numa lista de agentes causadores da doença e agora temos de fazer a parte mais difícil que é perguntar: o que é?”.
pub