Incerteza envolve libertação do petroleiro iraniano apreendido em Gibraltar

| Mundo

O petroleiro de bandeira iraniana Grace 1, fundeado ao largo de Gibraltar após ter sido apreendido pelas autoridades britânicas a 4 de julho de 2019
|

Em declarações citadas pela IRNA, o vice-diretor da Organização Marítima e dos Portos do Irão, Jalil Eslami, afirmou esta terça-feira que a libertação do petroleiro Grace 1 deverá estar "para breve".

Fontes britânicas sob anonimato terão ainda confirmado à agência semioficial Fars que a libertação deverá dar-se ainda esta noite, informação entretanto desmentida por fontes administrativas de Gibraltar.

O petroleiro Grace 1, ao serviço do Irão e com 2.1 milhões de barris de crude a bordo, foi apreendido pelas autoridades de Gibraltar no início de julho, porque estaria a violar um embargo de fornecimento de combustível à Síria, imposto pela União Europeia. A sua ordem de arresto expira no próximo sábado, 17 de agosto.

O Irão sempre considerou o arresto do navio ilegal, negando as acusações das autoridades de Gibraltar.

Em Teerão, Jalil Eslami afirmou aos repórteres estar confiante na resolução do impasse, graças à troca de uma série de documentação, oficial e não-oficial, cuja natureza não revelou.

"Dado as conversações da República Islâmica do Irão [com o Reino Unido], acreditamos que o petroleiro Grace 1 irá retomar as operações sob bandeira iraniana num futuro muito próximo", afirmou o responsável iraniano, sem avançar com uma data concreta.

De acordo com a agência noticiosa iraniana, Eslami acredita que "o navio foi apreendido sob falsas alegações... Ainda não foi libertado. Esperamos que o seja em breve".
Desmentido
A agência noticiosa semioficial Fars, referiu por seu lado que fontes sob anonimato da administração de Gibraltar admitiam que a libertação do petroleiro se iria dar já esta terça-feira à noite. Um cenário desmentido pouco depois por um alto responsável da administração do território britânico, igualmente não identificado.

Um porta-voz do governo local comentou apenas esta terça-feira que "continuamos a tentar resolver situações decorrentes da detenção legal do Grace 1".

O petroleiro foi apreendido por forças britânicas no estreito de Gibraltar a 4 de julho de 2019. Esta terça-feira, Londres distanciou-se da iniciativa, referindo que as investigações ao Grace 1 são um assunto para Gibraltar resolver.

"Como esta é uma investigação em curso, não podemos tecer comentários", reagiu um porta-voz do ministério britânico dos Negócios Estrangeiros.

O arresto do petroleiro deu-se em pleno agravamento das tensões entre Teerão e Washington, devido às acusações norte-americanas sobre o alegado incumprimento iraniano das regras impostas no acordo internacional de 2015 para o programa nuclear do regime dos Ayatolas.
Tensão mantém-se
Fabian Picardo, principal ministro de Gibraltar, um território no sul de Espanha governado pelo Reino Unido, negou sempre ter apreendido o Grace 1 sob pressão dos Estados Unidos, apesar do aplauso entusiástico do Presidente norte-americano, Donald Trump.

Teerão negou por seu lado que o navio estivesse a violar qualquer código de conduta.

A 19 de julho e em retaliação, a Guarda Revolucionária Islâmica, a elite armada do Irão, desviou um petroleiro de bandeira britânica, o Stena Impero, quando este navegava sem carga em águas internacionais ao largo da costa iraniana.

A justificar a apreensão, as autoridades locais invocaram violações da lei marítima, mas foram acusadas de um ato equivalente a pirataria.

A reação iraniana atraiu a condenação de Londres e de vários países europeus, signatários do acordo de 2015, e que tentavam ainda fazer contornar as sanções impostas pelos Estados Unidos, para ajudar a economia iraniana.

Teerão anunciou entretanto que, tal como Washington o fez em maio, abandonava o acordo.

Tópicos:

Gibraltar, Grace 1, Reino Unido, Stane Impero, Irão,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Grécia agradeceu a Portugal a solidariedade do país pela disponibilidade de receber mil migrantes e refugiados, atualmente alojados em condições precárias naquele país.

A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.