Independência poderia alastrar a outras regiões da UE - Juncker

| Mundo

|

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, considerou hoje que se a Catalunha se tornar independente há o risco de outras regiões europeias tentarem o mesmo, esclarecendo que Bruxelas não vai mediar o conflito com Madrid.

"Se a Catalunha se tornar independente, outros fariam o mesmo e isso não me agrada", disse Juncker, discursando na Universidade do Luxemburgo e citado pela agência EFE.

O líder do executivo comunitário adiantou ser já "suficientemente difícil" uma União Europeia a 28, sublinhando que "seria impossível" com muitos mais Estados-membros.

Sobre a recusa da Comissão Europeia a servir de mediadora entre os independentistas da Catalunha e Madrid, Juncker explicou que Bruxelas só interfere nas negociações entre Estados-membros.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, deu na quarta-feira cinco dias ao presidente regional catalão, Carles Puigdemont, para clarificar se declarou ou não a independência na região, na sequência do referendo de 01 de outubro, considerado ilegal.

No seu discurso de terça-feira, Puigdemont disse que assumia o mandato dado pelo povo catalão para que a Catalunha seja um "Estado independente", mas propôs ao Parlamento suspender os efeitos de uma declaração de independência - que nunca referiu explicitamente - por "algumas semanas" para facilitar um diálogo com Madrid.

Caso Puigdemont confirme que declarou a independência da Catalunha, Madrid dar-lhe-á um prazo suplementar -- até ao próximo dia 19 -- para fazer marcha atrás, antes de recorrer ao artigo 155.º da Constituição, que permite ao Governo espanhol suspender a autonomia da região.

O artigo 155.º da Constituição espanhola, nunca usado desde que o texto fundamental foi escrito e aprovado em 1978, permite a suspensão de uma autonomia e dá ao Governo central poderes para adotar "as medidas necessárias" para repor a legalidade.

Tópicos:

Catalunha, Madrid,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.