Índia. Mais duas pessoas mortas após rumores de rapto infantil que circulam no WhatsApp

| Mundo

Mais outras seis pessoas já morrem, depois de vários rumores de sequestros infantis se terem espalhado pela Índia, através do WhatsApp.
|

A polícia indiana prendeu 16 pessoas envolvidas no espancamento até à morte de dois homens. Foram vítimas de uma revolta popular com origem no WhatsApp. Esta aplicação de mensagens está ser utilizada na Índia para espalhar rumores de sequestros de crianças. Os dois homens tinham parado para pedir direções no Estado de Assam, no norte do país.

As duas vítimas mortais já foram identificadas. Nitolpal Das, engenheiro de áudio, e Abijeet Nath, artista digital, residiam em Guwathai, a maior cidade do estado de Assam. 

Um vídeo do ataque, onde é possível ver um dos homens a implorar pela vida, tornou-se viral durante o fim-de-semana. No domingo, vários estudantes e ativistas encheram as ruas de Guwahati para protestar contra os assassinatos.

Os dois homens não foram as primeiras vítimas de revoltas coletivas com origem no WhatsApp. Outras seis pessoas foram mortas depois de terem sido envolvidas, também elas, em rumores de sequestros infantis.

Ainda não se sabe como estes rumores surgiram. Muitos dos vídeos virais, que mostram crianças a ser raptadas, foram manipulados e incitam à agressão de qualquer pessoa estranha ou que não consiga falar o idioma regional.

“Quando os rumores começam a circular nas redes sociais demora um certo tempo até que sejam interrompidos completamente”, disse à BBC Hindi Mukesh Agarwal, responsável da polícia.

Para combater este problema, as autoridades locais criaram salas de controlo especiais, de forma a conter os rumores. Estão também a promover campanhas de consciencialização para evitar a disseminação do pânico na região.

A informação mais vista

+ Em Foco

No mês do Mundial de futebol a RTP faz uma radiografia da vida na Rússia.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Um olhar aos altos e baixos da relação entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

      Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.