Interpol detém 47 pessoas e apreende 320 armas em operação de larga escala

| Mundo

A Interpol deteve 47 pessoas e apreendeu 320 armas de fogo numa operação contra o tráfico de armas ilegais, em que participaram policias de toda a Europa, segundo um relatório divulgado hoje pela Agência.

A organização internacional de polícia disse que durante a operação foram apreendidos também 2.000 balas, granadas e explosivos.

A operação, apelidada de `Trigger (gatilho) II`, durou 48 horas, entre 06 e 08 de abril, e nela participaram 7.840 da lei de 23 países europeus.

"Sabemos que o tráfico de armas está relacionado com outros tipos de crime, incluindo o terrorismo que repetidamente atinge o coração da Europa. Operações, tais como o `Trigger II` dão-nos informações vitais para relacionar os casos dos diferentes países", disse o secretário-geral da Interpol, Jürgen Stock.

Como observado pelo diretor do escritório central da organização em Sarajevo, Branislav Pavlovic, "uma mensagem foi enviada para criminosos em termos do que pode ser alcançado quando as forças policiais de diferentes países são coordenadas entre eles usando ferramentas de ambos nacional da Interpol".

O coordenador do programa contra o tráfico de armas da Interpol, John Hageman, frisou, por seu turno, que "operações como esta possibilitam que as forças policiais dos países partilham as suas melhores práticas para ajudar os investigadores a travar o tráfico de armas e evitar que elas cheguem às ruas".


 

Tópicos:

Interpol Hageman, Paris Interpol,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.