Interpol detém 47 pessoas e apreende 320 armas em operação de larga escala

| Mundo

A Interpol deteve 47 pessoas e apreendeu 320 armas de fogo numa operação contra o tráfico de armas ilegais, em que participaram policias de toda a Europa, segundo um relatório divulgado hoje pela Agência.

A organização internacional de polícia disse que durante a operação foram apreendidos também 2.000 balas, granadas e explosivos.

A operação, apelidada de `Trigger (gatilho) II`, durou 48 horas, entre 06 e 08 de abril, e nela participaram 7.840 da lei de 23 países europeus.

"Sabemos que o tráfico de armas está relacionado com outros tipos de crime, incluindo o terrorismo que repetidamente atinge o coração da Europa. Operações, tais como o `Trigger II` dão-nos informações vitais para relacionar os casos dos diferentes países", disse o secretário-geral da Interpol, Jürgen Stock.

Como observado pelo diretor do escritório central da organização em Sarajevo, Branislav Pavlovic, "uma mensagem foi enviada para criminosos em termos do que pode ser alcançado quando as forças policiais de diferentes países são coordenadas entre eles usando ferramentas de ambos nacional da Interpol".

O coordenador do programa contra o tráfico de armas da Interpol, John Hageman, frisou, por seu turno, que "operações como esta possibilitam que as forças policiais dos países partilham as suas melhores práticas para ajudar os investigadores a travar o tráfico de armas e evitar que elas cheguem às ruas".


 

Tópicos:

Interpol Hageman, Paris Interpol,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.