Irão suspende buscas por avião desaparecido

| Mundo

|

O avião desapareceu dos radares no meio de uma tempestade de neve, 45 minutos após ter descolado com 66 pessoas a bordo.

O mau tempo está a dificultar as buscas e as autoridades iranianas acabaram por as suspender pouco depois das 21h00 locais (17h30 GMT).

A decisão foi anunciada na televisão estatal. As buscas serão retomadas com a aurora de segunda-feira, se as condições meteorológicas o permitirem, acrescentaram as autoridades.

A noite, a queda de neve, as chuvas e o vento forte, tornaram impossível prosseguir com as operações de busca, explicou a televisão estatal.

O ATR 72 da companhia aérea iraniana Aseman Airlines fazia a ligação entre Teerão e Yasouj, tendo descolado do aeroporto de Mehrabad cerca das 08h00 da manhã locais. A bordo, 60 passageiros, incluindo um bebé, e seis tripulantes.

Cerca de 45 minutos depois desapareceu dos radares, quando sobrevoava as montanhas de Zagros e se aproximava do destino.

As 66 pessoas a bordo estão provavelmente mortas, afirma a companhia, mesmo se não pode garantir para já o desfecho, por não se conseguir chegar aos destroços.

O guia supremo do Irão, Ali Khamenei, enviou uma mensagem de condolências às famílias das vitimas. França, União Europeia, Rússia e Israel, enviaram igualmente mensagens solidárias.

Para já é impossível determinar "as circunstâncias do acidente", sublinhou um porta-voz da ATR, uma filial conjunta da europeia Airbus e do grupo italiano Leonardo.

Para o inquérito iraniano, "se necessário, será pedida a colaboração do BEA", o Serviço de Inquérito e de análise para a segurança da aviação civil, admitiu o porta-voz.

Tópicos:

ATR 72 . Aseman Airlines, Irão,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.