Irlanda intensifica preparativos para um cenário de "não acordo"

| Europa

O vice-primeiro-ministro irlandês, Simon Coveney, afirmou hoje que Dublin intensificou os preparativos para enfrentar a possibilidade de o Reino Unido deixar a União Europeia (UE) a 29 de março do próximo ano de maneira não negociada.

"Temos mantido um diálogo ativo durante meses para planear isso e agora começa a ganhar forma", disse Simon Coveney, em declarações à estação de televisão RTE.

O líder político afirmou esperar que a Irlanda "não precise de usar" tais planos, mas admitiu que se os acontecimentos avançarem em direção de um `Brexit` (como ficou conhecido o processo da saída britânica da UE) sem acordo, o país terá "sem dúvida de introduzir nova legislação rapidamente".

O executivo de Dublin espera divulgar na próxima semana um documento com os planos de contingência que tem vindo a preparar, documento esse que foi elaborado ao mesmo tempo que o país trabalhava em medidas conjuntas com os outros parceiros do bloco comunitário.

Ao comentar o último Conselho Europeu, que decorreu na passada semana em Bruxelas, Coveney assegurou que a primeira-ministra britânica, Theresa May, "não tentou reabrir o tratado de saída ou a declaração sobre o futuro relacionamento" entre Londres e a UE.

"O que procurou foram esclarecimentos sobre o uso do mecanismo de salvaguarda" para evitar o restabelecimento de uma barreira física entre a província britânica da Irlanda do Norte e a República de Irlanda, após a saída do Reino Unido da UE, explicou Simon Coveney.

"A União Europeia simplesmente manteve uma posição consistente" a esse respeito, referiu ainda o vice-primeiro-ministro irlandês, que considera que o acordo de saída que foi selado entre Londres e Bruxelas permite uma rutura "ordenada".

No Conselho Europeu, os líderes europeus reiteraram a sua indisponibilidade para renegociar acordo do `Brexit`.

O acordo alcançado em finais de novembro entre Bruxelas e Londres será votado pelo Parlamento britânico antes de 21 de janeiro. Até lá, Theresa May aspira alcançar novas "garantias" por parte de Bruxelas para facilitar a sua ratificação.

O Reino Unido vai deixar a UE em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos depois do referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do `Brexit`.

SCA // JPS

A informação mais vista

+ Em Foco

Francisco Veloso, reitor da Imperial College Business School, traça os cenários possíveis após a rejeição do acordo.

O presidente da Câmara dos Comuns é, digamos assim, o equivalente ao presidente da Assembleia da República em Portugal.

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.