Israel continua com missões na Síria apesar do sistema anti-míssil S-300

| Mundo

|

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu anunciou que as Forças de Defesa de Israel (IDF) vão continuar a bombardear alvos iranianos na Síria apesar das notícias sobre a intenção russa de instalar o sistema anti-míssil avançado S-300 em território sírio.

A decisão de transferir este novo sistema antimíssil para a Síria chega após o incidente do avião russo II-20 que foi abatido, de forma acidental, pelas forças militares sírias quando estas disparavam contra caças F-16 israelitas. O ministro da Defesa russo classificou o incidente de “provocação intencional” por parte de Israel, acusando a Força Aérea israelita de usar o avião de reconhecimento russo como escudo contra os misseis sírios.

Em declarações à imprensa, o líder israelita destacou o sucesso das operações realizadas em território sírio: “Israel tem sido muito bem-sucedido (…) na prevenção do agrupamento militar iraniano na Síria, assim como na sua tentativa de entregar armas letais ao Hezbollah no Líbano” e destacou a importância da continuação destas missões como uma necessidade para “defender a segurança de Israel”.

Benjamin Netanyahu foi a Nova Iorque encontrar-se com o presidente norte-americano Donald Trump para discutir vários assuntos diplomáticos e militares. O plano russo quanto ao novo sistema antimíssil será, certamente, um dos temas centrais deste encontro, já que Israel teme que a instalação do sistema S-300 na Síria vá dificultar as missões da IDF contra alvos iranianos.

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    Em entrevista exclusiva à RTP, Flávio, um dos filhos de Jair Bolsonaro, afirmou que o candidato do PT Fernando Haddad devia juntar-se a Lula da Silva.

    Na Venezuela, a falta de medicamentos está a fazer desesperar a população. A reportagem é dos enviados à Venezuela Sérgio Ramos e Pedro Sá Guerra.

    Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.