Japão desafia Coreia do Norte a dar passos concretos para desnuclearização

| Mundo

|

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, desafiou hoje a Coreia do Norte a dar passos concretos para a desnuclearização e congratulou-se com "qualquer diálogo" baseado nesta iniciativa.

Shinzo Abe falou aos jornalistas antes de uma reunião em Tóquio com o chefe dos serviços de inteligência da Coreia do Sul, Suh Hoon.

Suh Hoon, que fez parte da delegação sul-coreana que se encontrou com Kim Jong-un em Pyongyang, capital da Coreia do Norte, está em Tóquio para informar as autoridades nipónicas sobre os desenvolvimentos com o país vizinho.

Na sequência da reaproximação iniciada com os Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul, uma delegação deste país esteve na semana passada com Kim Jong-un.

O conselheiro para a segurança da presidência sul-coreana, Chung Eui-yong, que dirigia a delegação, divulgou depois que Pyongyang aceitou suspender os ensaios nucleares e balísticos se houver conversações com os Estados Unidos da América sobre o programa nuclear.

O presidente norte-americano, Donald Trump, aceitou a proposta de diálogo. O encontro será o primeiro da história entre líderes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte.

Nos últimos meses, Trump e o líder norte-coreano têm estado envolvidos numa escalada de retórica que progressivamente ficou mais violenta e bélica, com ambos a lançarem ameaças de um potencial ataque nuclear.

Seul também anunciou uma cimeira entre as duas Coreias para o final de Abril.

Tópicos:

Olímpicos Inverno,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.