Justiça espanhola investiga mais de 700 autarcas por cooperação com referendo da Catalunha

| Mundo

|

A Procuradoria Geral de Espanha anunciou hoje estar a investigar mais de 700 presidentes de Câmara da Catalunha por cooperação com o referendo sobre a independência daquela região e ordenou a sua detenção, caso não cooperem.

O procurador-geral, Jose Manuel Maza, ordenou hoje aos procuradores provinciais que investiguem 712 autarcas que já ofereceram instalações municipais para a realização do referendo previsto para dia 01 de outubro, considerado ilegal por Madrid.

A procuradoria ordenou aos procuradores que notifiquem esses autarcas da região a comparecerem perante as autoridades judiciais e, caso o autarca não responda, a procuradoria pede que "seja ordenada a sua detenção" para que compareça.

A coligação pró-independência que governa a comunidade autónoma da Catalunha quer realizar o referendo sobre a independência a 01 de outubro, apesar da proibição das autoridades nacionais, e pediu aos 947 presidentes de Câmara que forneçam instalações para a realização do escrutínio.

O primeiro-ministro, Mariano Rajoy, prometeu impedir a realização do referendo e conseguiu a sua suspensão enquanto o Tribunal Constitucional decide da sua legalidade.

O procurador-geral, Jose Manuel Maza, ordenou hoje aos procuradores provinciais que investiguem 712 autarcas que já ofereceram instalações municipais para a votação de dia 1 de outubro.

Tópicos:

Catalunha Madrid, Câa,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.