Libertada portuguesa presa ilegalmente em São Tomé

| Mundo

|

Isabel Preto Gonçalves estava em excesso de prisão preventiva depois de ter recorrido de uma condenação por branqueamento de capitais. O Supremo Tribunal de Justiça de São Tomé deferiu um habeas corpus. Esta mulher de 50 anos foi a única condenada pela falência do Banco Equador.

Vários advogados que avaliaram a sentença de condenação garantiram ao Sexta às 9 que esta continha contradições insanáveis que podem levar à sua anulação.


O Sexta às 9 demonstrou que a justiça de São Tomé e Princípe só há um mês pediu a extradição do ex-administrador do banco, considerado o principal suspeito dos crimes económicos em questão.

Isabel Preto Gonçalves não trabalhava sequer no banco Equador, mas no Grupo Mombaka, detido pelo administrador do banco. Foi considerada braço-direito de Rui Mendonça.

Rui Mendonça vive em Cascais e como adquiriu nacionalidade portuguesa não pode ser extraditado.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.