Libertada portuguesa presa ilegalmente em São Tomé

| Mundo

|

Isabel Preto Gonçalves estava em excesso de prisão preventiva depois de ter recorrido de uma condenação por branqueamento de capitais. O Supremo Tribunal de Justiça de São Tomé deferiu um habeas corpus. Esta mulher de 50 anos foi a única condenada pela falência do Banco Equador.

Vários advogados que avaliaram a sentença de condenação garantiram ao Sexta às 9 que esta continha contradições insanáveis que podem levar à sua anulação.


O Sexta às 9 demonstrou que a justiça de São Tomé e Princípe só há um mês pediu a extradição do ex-administrador do banco, considerado o principal suspeito dos crimes económicos em questão.

Isabel Preto Gonçalves não trabalhava sequer no banco Equador, mas no Grupo Mombaka, detido pelo administrador do banco. Foi considerada braço-direito de Rui Mendonça.

Rui Mendonça vive em Cascais e como adquiriu nacionalidade portuguesa não pode ser extraditado.

A informação mais vista

+ Em Foco

No mês do Mundial de futebol a RTP faz uma radiografia da vida na Rússia.

    Entrevista a António Mateus para o programa "Olhar o Mundo". Veja aqui.

    Um olhar aos altos e baixos da relação entre o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un.

      Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.