Libertado opositor russo Alexei Navalny após mês e meio na prisão

| Mundo

|

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi hoje libertado depois de um mês e meio na prisão, na sequência de duas sucessivas condenações por organizar manifestações anti-Kremlin.

Acusado de violar uma lei sobre manifestações, Alexei Navalny foi condenado em 27 de setembro a 20 dias de prisão, logo depois de ter sido libertado da prisão onde tinha cumprido uma sentença de 30 dias por organizar uma manifestação não autorizada.

Um mês antes, o opositar havia sido condenado a 30 dias de detenção por uma manifestação não autorizada em janeiro, durante a qual apelou ao boicote à eleição presidencial de 18 de março.

Navalny acusou as autoridades de o mandarem para a prisão para o impedirem de se manifestar a 09 de setembro contra um plano do Governo para mexer nas reformas.

Apesar da sua prisão naquele dia, milhares de russos responderam ao apelo um pouco por todo o país e a polícia realizou dezenas de prisões.

Alexei Navalny tornou-se a principal figura da oposição russa após grandes manifestações que tiveram lugar em 2011 e 2012, marcadas por uma retórica anticorrupção.

O russo, que foi impedido de participar na eleição presidencial de março, já havia sido preso por um mês, em junho, após organizar protestos contra o presidente Vladimir Putin, antes de este tomar posse em maio para um quarto mandato.

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.